Por que tenho ansiedade sempre no mesmo horário?

Primeiro passo para lidar com o problema é identificar os gatilhos que desencadeiam picos de ansiedade.

Maiara Ribeiro

Maiara Ribeiro é repórter do Portal Drauzio Varella desde 2018. Tem interesse em assuntos relacionados à saúde da criança, da mulher e do idoso.

Primeiro passo para lidar com o problema é identificar os gatilhos que desencadeiam picos de ansiedade.

Compartilhar

Publicado em: 4 de novembro de 2021

Revisado em: 4 de novembro de 2021

Primeiro passo para lidar com o problema é identificar os gatilhos que desencadeiam picos de ansiedade.

 

Sua ansiedade “ataca” sempre na mesma hora? Saiba que isso não acontece somente com você. Apesar de não ser uma regra, é algo comum. Sintomas de ansiedade podem aparecer a qualquer momento, é claro. Porém, nossa ansiedade está atrelada ao nosso nível de estresse que, por sua vez, tem relação direta com a nossa rotina.

É o que explica a dra. Bruna Campos, médica psiquiatra pela Universidade Federal Fluminense (UFF). “Algumas pessoas têm rotinas semelhantes ao longo dos dias da semana e podem se sentir mais ansiosas em determinados horários que estão relacionados a tarefas ou momentos que são mais propícios para despertar preocupações. Por exemplo, antes ou depois de reuniões de trabalho, antes de dormir, no começo da manhã, etc”, explica. 

Vale lembrar que a ansiedade é uma sensação normal e que todas as pessoas sentem, especialmente antes de momentos importantes, como uma entrevista de emprego. Mas se a sua ansiedade “bate ponto” com frequência, de forma que prejudica o seu dia a dia, é preciso atenção. 

 

Ansiedade na hora de dormir

Muitas pessoas têm dificuldade para dormir por causa da ansiedade. Desligam as luzes e deitam na cama, mas como a mente está preocupada e ansiosa, o corpo não consegue descansar. A insônia pode, inclusive, ser um dos sintomas presentes no transtorno de ansiedade generalizada (TAG).

Não é que a ansiedade seja necessariamente pior à noite. Mas como este costuma ser o momento do dia em que a correria diminui e nos desligamos das atividades que mantêm nossa mente ocupada, é comum se sentir levado pelos próprios pensamentos. “Quem sofre com ansiedade em excesso pode sentir isso com maior intensidade, relembrando muitas vezes o que ocorreu ao longo do dia (ou até no passado), pensando em tudo o que tem para fazer no dia seguinte e, com isso, ter dificuldade de começar a dormir”, explica a médica.  

“Além disso, a pessoa que passa muitos meses nessa situação pode, com o tempo, aprender que a hora de dormir é um momento desagradável, ficar preocupada quando esse momento do dia se aproxima e, em alguns casos, até sentir mais ansiedade nesse momento – que deveria ser de relaxamento”, completa. 

Veja também: Técnicas de respiração para aliviar a ansiedade

 

Como evitar os picos de ansiedade

Quando você já sabe que a ansiedade costuma aparecer sempre no mesmo horário, o primeiro passo para evitá-la é identificar as possíveis causas que desencadeiam os picos de ansiedade. Ou seja, tente observar os gatilhos que a fazem aumentar. 

Sabendo quais são os motivos que o levam aos picos ansiosos, é preciso buscar formas de enfrentar o excesso de preocupação e reduzir a ansiedade. “Técnicas de relaxamento e de atenção plena (mindfulness) costumam ser muito úteis, mas precisam estar associadas a mudanças na rotina e, quando os sintomas estão muito intensos, tratamento psicológico e/ou psiquiátrico”, recomenda a dra. Bruna.

Não tenha receio de buscar ajuda especializada se estiver em sofrimento. Também invista em atividades que são aliadas no combate à ansiedade excessiva, como exercícios físicos, técnicas de respiração e meditação, por exemplo, além de atividades que você goste de fazer e o ajudem a relaxar.

Veja também: Como controlar uma crise de ansiedade | Animação #26

 

É possível estar ansioso e não perceber?

Não é algo comum, mas é possível estar com a ansiedade elevada e não notar. 

“A ansiedade, por definição, é um estado que nos tira do nosso equilíbrio. Quem está minimamente atento ao próprio corpo costuma perceber”, diz a médica. “Mas é bem comum hoje em dia as pessoas sentirem os primeiros sinais de ansiedade e ‘ignorarem’, justamente por serem mais leves. Em vez de fazerem uma pausa, elas seguem a rotina estressante, acumulando ainda mais ansiedade até chegar a um ponto em que não suportam mais.” 

Sintomas como musculatura tensa, dor de cabeça, respiração mais superficial e dificuldade de concentração são exemplos desses sintomas iniciais. Preste atenção aos sinais e, se possível, faça pausas na rotina e lembre-se de respirar. 

Veja também: Ansiedade e pandemia | Comentando Comentários

Veja mais