O soluço é uma condição geralmente benigna que costuma ser passageira e autolimitada. Mudanças bruscas de temperatura, tabagismo, álcool, ansiedade e estresse estão entre as outras causas possíveis do distúrbio.

 

O soluço é provocado por um espasmo do diafragma, um músculo que separa o tórax do abdômen e está diretamente relacionado com a respiração. Esse espasmo é acompanhado simultaneamente pelo fechamento da glote e das cordas vocais, o que prejudica a passagem de ar para os pulmões e produz o som típico e característico (“hic”).

Bebês estão sujeitos a crises mais frequentes de soluço, uma vez que seu sistema nervoso ainda imaturo não atua adequadamente sobre o diafragma.

 

Veja também: Susto cura soluço?

 

Causas do soluço

 

O soluço pode se benigno. Nesse caso, apesar de incômodas e desagradáveis, as crises costumam ser passageiras e autolimitadas. Elas podem ter como causa a distensão do estômago provocada por comer muito e muito rápido, pelo consumo de bebidas com gás ou pela deglutição de ar.

Mudanças bruscas de temperatura, tabagismo, álcool, ansiedade, estresse estão entre as outras causas possíveis do distúrbio.

Geralmente o soluço não traz muitos problemas, mas as crises de soluço podem ser recorrentes ou persistentes (quando duram mais de 48 horas) e terem como causa problemas ligados ao sistema nervoso central, ao metabolismo (como diabetes mal controlado), à irritação do nervo vago ou do nervo frênico, a procedimentos cirúrgicos e pós-operatórios ou a fatores emocionais.

Casos de soluço persistente exigem uma investigação para descobrir a causa do problema. Além de entrevista com o paciente, podem ser necessários vários exames, como hemograma, endoscopia, ressonância, teste de função pulmonar e outros dependendo de cada suspeita.

 

Prevenção do soluço

 

A principal forma de evitar o soluço é identificar gatilhos. Se você começa a soluçar após consumir certa quantidade de álcool, por exemplo, modere seu consumo. Ainda assim, o problema pode ter causas desconhecidas não relacionadas a gatilhos reconhecíveis.

 

Tratamento do soluço

 

 

Como a maior parte dos ataques de soluço dura apenas alguns minutos, é grande o número de tratamentos caseiros indicados. É muito difícil avaliar a eficácia de medidas tão empíricas, mas como são inócuas, vale a pena tentá-las no início da crise:

  • Prenda a respiração por alguns segundos para aumentar a quantidade de gás carbônico no sangue e, assim, estimular o diafragma a contrair;
  • Respire repetidamente dentro de um saco de papel;
  • Chupe gelo, uma fatia de limão, beba água gelada, faça gargarejos com água, mastigue pão ou coma uma porção de açúcar cristal para estimular o nervo vago (que vai da garganta até o trato gastrointestinal) a enviar sinais para o diafragma;
  • Coloque o dedo na boca ou utilize um objeto para tocar a úvula (o “sininho da garganta), a fim de provocar reações de arroto e vômito para aliviar a pressão dentro do estômago;
  • Coce o céu da boca com um cotonete de algodão;
  • Sente-se, erga os joelhos até o peito e incline-se sobre eles, fazendo pressão sobre o tórax.

Todavia, procure o médico se as crises durarem mais de 24 horas, principalmente se interferirem com o sono. Soluço crônico usualmente requer acompanhamento neurológico.

Nos casos de soluço persistente, a preocupação deve voltar-se para  a identificação e tratamento das causas. Para tanto, existem diversos tipos de medicamentos que ajudam a debelar as crises.

Para os quadros mais renitentes, há ainda o recurso de bloqueio do nervo frênico, envolvido nos movimentos do diafragma, ou implantação de marca-passo respiratório. Estudos também apontaram resultados com acupuntura.

Perguntas frequentes sobre soluço

 

Como lidar com o soluço em bebês?

Além do sistema nervoso em desenvolvimento, bebês muito pequenos podem engolir muito ar ao serem amamentados. Portanto, é comum que tenham soluço. Algumas medidas ajudam a prevenir o problema:

  • Evite deixar para alimentar a criança quando estiver muito faminta, pois nesses casos ela tende a mamar com alvoroço, o que aumenta o risco de engolir ar;
  • Segure o bebê em uma posição ereta e estimule o arroto após ele mamar.

Geralmente, o soluço desaparece em alguns minutos e nenhuma medida é necessária. Se você quiser tentar encurtar a crise e a criança tiver mamado há pouco tempo, procure fazê-la arrotar novamente. Caso o problema surja mais distante da refeição, coloque o bebê no peito para estimulá-lo a sugar e fazer com que o movimento restabeleça o diafragma.

Se o soluço do bebê durar horas, procure um médico para investigar a causa. Refluxo, por exemplo, pode provocar o problema de forma persistente.

 

Estou grávida e às vezes sinto que meu bebê na barriga tem soluço. É possível?

Sim, principalmente nos últimos 3 meses de gestação o bebê já pode soluçar, faz parte do desenvolvimento normal e não exige qualquer medida. Geralmente, nesses casos a mãe sente o movimento de forma repetida na mesma região da barriga.