Doenças e sintomas

Síndrome do intestino irritável

Mulher com as mãos sobre o abdômen, demonstrando a dor causada pela síndrome do intestino irritável

Síndrome do intestino irritável é um distúrbio na motilidade intestinal que se caracteriza por episódios de desconforto abdominal, dor, diarreia e obstipação (prisão de ventre). 

 

Síndrome do cólon irritável é um distúrbio na motilidade intestinal não associado a alterações estruturais ou bioquímicas e que se caracteriza por episódios de desconforto abdominal, dor, diarreia e obstipação (prisão de ventre) presentes pelo menos durante 12 semanas, consecutivas ou não.

 

Causas

 

  • Motilidade anormal do intestino delgado durante o jejum, contrações exageradas depois da ingestão de alimentos gordurosos ou em resposta ao estresse;
  • Hipersensibilidade dos receptores nervosos da parede intestinal à falta de oxigênio, distensão, conteúdo fecal, infecção e às alterações psicológicas;
  • Níveis elevados de neurotransmissores (como a serotonina, por exemplo) no sangue e no intestino grosso;
  • Infecções e processos inflamatórios;
  • Depressão e ansiedade.

 

Veja também: Depressão – doença que precisa de tratamento

 

Diagnóstico

 

O diagnóstico é baseado nos sintomas, na ausência de sinais relevantes verificados no exame físico e na visualização direta do intestino através da colonoscopia. Ele deve ser bastante cuidadoso, porque algumas doenças mais graves podem ser confundidas com a síndrome do cólon irritável.

 

Sintomas

 

Os sintomas da síndrome do intestino irritável (desconforto abdominal, dor, cólicas, alternância dos períodos de diarreia e obstipação intestinal, flatulência exagerada e sensação de esvaziamento incompleto do intestino) podem piorar depois da ingestão de cafeína, álcool, comidas gordurosas, vegetais que aumentem a produção de gases digestivos ou de produtos que contenham sorbitol, como chiclete e balas sem açúcar.

 

Tratamento

 

Para a dor:

  • O tratamento da síndrome do intestino irritável é feito com antiespasmódicos. Alguns pacientes reagem bem ao uso de antidepressivos tricíclicos; outros, aos anti-inflamatórios e, nos casos mais rebeldes, à morfina e derivados.

Para a diarreia:

  • Medicamentos que aumentam a consistência do bolo alimentar e reduzem a frequência dos movimentos intestinais costumam apresentar bons resultados. Casos mais refratários podem ser tratados com antibióticos por tempo curto.

Para a prisão de ventre:

  • Dieta rica em fibras e laxativos osmóticos, como o leite de magnésia e a lactulose, ajudam a aliviar os sintomas. Além desses, drogas capazes de acelerar o trânsito intestinal e diminuir a consistência das fezes também são úteis.

 

Recomendações

 

  • Faça uma lista dos alimentos que possam estar associados ao aparecimento das crises e evite-os;
  • Adote dieta com baixo teor de gordura e rica em fibras, mas cuidado com os vegetais que aumentam a produção de gases, como repolho, couve-flor, batata doce, feijão, entre outros;
  • Evite ingerir bebidas alcoólicas e as que contêm cafeína;
  • Procure não mascar chicletes nem chupar balas que contenham sorbitol;
  • Mantenha um programa diário de exercícios físicos;
  • Não fume;
  • Não despreze o benefício que a psicoterapia e outras técnicas terapêuticas (relaxamento, por exemplo) podem trazer aos portadores da síndrome.

Sobre o autor: Maria Helena Varella Bruna

Maria Helena Varella Bruna é redatora e revisora, trabalha desde o início do Site Drauzio Varella, ainda nos anos 1990. Escreve sobre doenças e sintomas, além de atualizar os conteúdos do Portal conforme as constantes novidades do universo de ciência e saúde.