Podcasts

DrauzioCast #37 | Gastrite



Problema é comum e caracterizada pela inflamação das paredes internas do estômago. Saiba mais neste podcast sobre gastrite.

 

 

 

Gastrite é a inflamação aguda ou crônica da mucosa que reveste as paredes internas do estômago. Ela pode ser aguda ou crônica, e pode ser provocada por diferentes fatores. Quais são?

  • Consumo de bebidas alcoólicas e gasosas;
  • O fumo. O fumo é a mais importante causa de gastrite;
  • Uso prolongado de ácido acetilsalicílico e de medicamentos anti-inflamatórios;
  • Certos alimentos e temperos;
  • A presença no estômago de uma bactéria chamada Helicobacter pylori.

A gastrite pode ter ainda origem autoimune, isto é, você produzir anticorpos contra a própria mucosa do estômago. A dor da gastrite é circunscrita, em geral, fixa num local.

Na prática, há queixa de dor na boca do estômago, que se irradia para outros lugares, e pode vir acompanhada de azia — que em geral piora depois de refeições mais volumosas ou ricas em gordura — e uma sensação injustificada de estômago cheio. Perda do apetite, náuseas e vômitos também podem ser sintomas de gastrite, assim como a presença de sangue nas fezes e no vômito.

A história, a descrição dos sintomas e a endoscopia, que permite visualizar por dentro a mucosa do estômago e biopsiar — inclusive, tirar fragmentos para fazer o diagnóstico — são sempre muito importantes nos casos de gastrite.

O tratamento da gastrite tem que levar em conta a causa. Por exemplo, existe uma bactéria chamada Helicobacter pylori, que tem relação com a gastrite, e em certos casos a gente tem que tratar a bactéria, se não a gastrite não melhora.

Veja também: Dúvidas sobre gastrite | Joaquim Prado

O uso de ácido acetilsalicílico, anti-inflamatórios, álcool e cigarro, especialmente, deve ser suspenso. Na pior das hipóteses, na pior mesmo, deve ser reduzido ao máximo.

A medicação para reduzir a produção do ácido do suco gástrico pode ser administrada por boca, e os resultados obtidos costumam ser bastante satisfatórios.

No entanto, é fundamental para o sucesso do tratamento respeitar o horário das refeições; separar algum tempo para o café da manhã, almoço e jantar tranquilo — isso não é luxo, é necessidade —; fazer refeições em pequeno volume, mais frequentes, a cada três ou quatro horas; mastigar bem e devagar, [pois] a digestão começa na boca; não fumar; e evitar café, bebidas alcoólicas, bebidas gaseificadas ou bebidas que contenham cafeína.

Sobre o autor: Drauzio Varella

Drauzio Varella é médico cancerologista e escritor. Foi um dos pioneiros no tratamento da aids no Brasil. Entre seus livros de maior sucesso estão Estação Carandiru, Por um Fio e O Médico Doente.

Leia mais