A gastrite é uma inflamação da mucosa interna do estômago que provoca dor intensa, azia e queimação. Perda do apetite, náuseas e vômitos também são sintomas.

 

Gastrite é a inflamação aguda ou crônica da mucosa que reveste as paredes internas do estômago. Essa alteração pode  ser provocada por diferentes fatores.

A doença pode ser aguda (surge de repente) ou crônica, quando o processo inflamatório se instala aos poucos e leva muito tempo para ser controlado.

Gastrite pode acometer toda a mucosa estomacal, ou parte dela. Pode provocar inflamação intensa, sem destruir o revestimento do estômago, ou resultar numa inflamação leve, mas acompanhada de lesão na parede do órgão e perda da mucosa estomacal. Denominada gastrite erosiva, esse tipo pode provocar a formação de úlceras e sangramentos.

 

Veja também: Leia entrevista completa sobre gastrite

 

Causas da gastrite

 

Gastrite pode ter diferentes causas. Entre elas, é importante destacar:

  • Uso prolongado do ácido acetilsalicílico e de anti-inflamatórios;
  • Consumo de bebidas alcoólicas;
  • Gastrite autoimune: a doença ocorre quando o sistema imune produz anticorpos que agridem e destroem as células gástricas do próprio organismo;
  • Tabagismo;
  • Infecção pela bactéria Helicobacter pylori.

 

Veja também: Artigo do dr. Drauzio sobre a Helicobacter pylori

 

Observações importantes:

  • Embora a bactéria Helicobacter pylori seja encontrada no estômago de pacientes com gastrite ou úlcera, ainda não existem evidências que permitam distinguir a relação de causa e consequência entre esse micro-organismo e as duas enfermidades. Ou seja, ainda não está claro que a bactéria é responsável pelo aparecimento dessas doenças ou se ela encontra nos pacientes com essas doenças ambiente ideal para seu desenvolvimento.
  • Nervosismo, estresse ou ansiedade não causam gastrite. Contudo, essas situações podem estimular a produção de ácido e tornar o indivíduo mais sensível à ação dele. A tensão também pode provocar sintomas semelhantes aos da gastrite sem que haja o menor sinal de alteração patológica na mucosa estomacal. Esse quadro recebe o nome especial de dispepsia funcional.

 

Sintomas da gastrite

 

A dor da gastrite é circunscrita, começa na região epigástrica, logo abaixo do esterno, osso vertical situado na parte anterior do tórax. Na prática, a queixa é de dor na “boca do estômago” que pode irradiar-se para outras regiões do corpo e confundir-se até com a dor do infarto, por exemplo.

A dor da gastrite pode vir acompanhada de azia ou queimação, se houver retorno do suco gástrico por defeito no esfíncter, uma estrutura muscular que controla a comunicação entre esôfago e estômago. A azia costuma piorar quando a pessoa se deita depois de refeição mais volumosa ou rica em gorduras.

Perda do apetite, náuseas e vômitos também são sintomas de gastrite, assim como a presença de sangue nas fezes e no vômito.

 

Diagnóstico de gastrite

 

Histórico clínico e endoscopia alta (exame que permite visualizar a mucosa do estômago) são fundamentais para o diagnóstico da gastrite. Isso não exclui a necessidade de realizar uma biópsia, isto é, de retirar fragmentos da mucosa estomacal para análise mais minuciosa no microscópio.

 

Tratamento da gastrite

 

O tratamento da gastrite tem de levar em conta a causa da doença. Como existe associação entre Helicobacter pylori e gastrite, se tratarmos apenas a segunda sem combater o primeiro, a probabilidade de a doença reaparecer aumenta. No entanto, ela diminuirá bastante, se os dois tratamentos ocorrerem simultaneamente.

O uso de ácido acetilsalícilico, anti-inflamatórios e álcool deve ser evitado, porque essas substâncias funcionam como fatores de risco para a doença.

A medicação pode ser ministrada por via oral e os resultados obtidos costumam ser bastante satisfatórios.

 

Recomendações para evitar sintomas de gastrite

 

  • Respeite os horários das refeições. Separar algum tempo para café da manhã, almoço e jantar tranquilos não é luxo, é necessidade;
  • Prefira fazer pequenas refeições ao longo do dia a fazer uma grande refeição depois de muitas horas em jejum;
  • Mastigue bem os alimentos, pois a digestão começa na boca;
  • Dê preferência a frutas menos ácidas, verduras e carnes magras;
  • Fique longe do cigarro;
  • Evite tomar analgésicos, café, bebidas alcoólicas e as que contêm cafeína;
  • Procure um médico e siga suas recomendações se tiver azia, má digestão e sensação de estômago cheio depois de ingerir pequenas porções de alimentos.