Extração do siso: quais os cuidados pós-operatórios?

Para ter uma boa recuperação depois da retirada dos sisos, são necessários alguns cuidados, como repouso e mudanças na alimentação. 

Maiara Ribeiro

Maiara Ribeiro é repórter do Portal Drauzio Varella desde 2018. Tem interesse em assuntos relacionados à saúde da criança, da mulher e do idoso.

Para ter uma boa recuperação depois da retirada dos sisos, são necessários alguns cuidados, como repouso e mudanças na alimentação.

Compartilhar

Publicado em: 5 de maio de 2022

Revisado em: 5 de maio de 2022

Para ter uma boa recuperação depois da retirada dos sisos, são necessários alguns cuidados, como repouso e mudanças na alimentação. 

 

O dente do siso (terceiro molar) é o último dente a nascer e, por esse motivo, nem sempre encontra o espaço necessário para erupção. Às vezes, a própria anatomia da arcada dentária não permite a erupção de todos os dentes de maneira harmônica. Dessa forma, o siso fica envolvido pelo tecido gengival ou pelo tecido ósseo e se torna um dente retido, podendo, em alguns casos, causar dores e quadros inflamatórios e infecciosos. Nessas situações, um especialista poderá indicar se a extração é o melhor caminho.

Se esse for o seu caso, saiba que alguns cuidados devem ser tomados no pós-operatório.

A cirurgia para retirada dos sisos é realizada por um cirurgião-dentista em consultório odontológico, com o uso de anestesia local. Depois do procedimento, é comum haver um pouco de sangramento e dor no local da extração.

Vale lembrar que o pós-operatório também vai depender do quão traumática foi a cirurgia. Ou seja, se foi uma extração mais complicada e demorada, a recuperação tende a ser mais difícil. Se foi uma extração mais simples, a recuperação costuma ser mais tranquila. Por isso, apenas o profissional responsável pelo procedimento pode orientar o paciente de forma individualizada.  

Mas existem recomendações gerais que são muito importantes neste período de recuperação. Veja abaixo os principais cuidados após a extração dos sisos: 

 

Evite fazer esforço físico 

Em geral, recomenda-se evitar esforço físico principalmente nas primeiras 24 horas após a extração, para evitar aumento da circulação sanguínea e consequentes sangramentos. 

“De modo geral, o paciente é aconselhado a evitar ações que possam aumentar o sangramento. É aconselhado também aos fumantes evitar fumar nas primeiras 12 horas, se possível”, explica o dr. Sidney Neres, cirurgião-dentista especialista e mestre em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial ligado ao Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (Crosp). 

Agora, quando falamos em prática de atividade física mais intensa, como treinos na academia, normalmente o paciente é liberado para retomar as atividades uma semana depois da cirurgia. 

Segundo o especialista, quando o paciente apresenta algum problema sistêmico, como pessoas com cardiopatias ou diabetes, por exemplo, ou mesmo pessoas muito idosas, que tendem a ter uma cicatrização mais lenta, a recomendação é mais individualizada. Pode ser necessária uma avaliação prévia com o médico que acompanha o tratamento e alguns cuidados a mais, como um tempo maior de repouso. 

Veja também: Diabéticos desconhecem complicações da doença

 

Cuidado com a escovação e movimentos com a boca 

Após a cirurgia, segundo o dr. Sidney, é recomendado evitar conversar por pelo menos três a quatro horas e também evitar cuspir nas primeiras 12 horas. 

Outra medida é morder uma gaze dobrada no local da extração logo após o procedimento, o que auxilia no controle do sangramento. 

Além disso, a escovação deve ser feita com cuidado, utilizando escova extramacia e fazendo movimentos com delicadeza. O especialista recomenda o uso de enxaguante bucal à base de 0,12% clorexidina durante uma semana. Mas atenção: não faça bochechos. Deixe o enxaguante em contato com o local por um minuto, depois jogue água e deixe o líquido escorrer pela boca. 

 

Prefira alimentos macios e frios

É importante evitar ingerir comidas quentes especialmente nas primeiras 12 horas, mas também não se deve ficar em jejum, porque isso prejudica a recuperação.

Dê preferência a alimentos macios e frios, como sorvetes, açaí, vitaminas, caldos e sopas. Os caldos e as sopas podem ser consumidos em temperatura ambiente (nunca quentes). O sorvete é uma excelente alternativa porque, além de ser fácil de consumir, o fato de ser gelado proporciona até um certo alívio da dor local. 

Uma boa estratégia, segundo o cirurgião-dentista, é bater os alimentos no liquidificador. Outra dica é optar pelas comidas japonesas, como o sashimi, que é bem macio e frio. A única restrição são os temperos mais ardidos, como o wasabi, que não são indicados. 

Evite coisas duras ou que exijam muito esforço mastigatório, como churrasco, por exemplo.

Com o passar dos dias, as restrições vão diminuindo e você pode começar a incluir comidas mornas e com mais textura, como arroz e feijão. 

Alguns especialistas também recomendam que não sejam utilizados canudos neste período de recuperação, para evitar a pressão e o esforço da sucção. 

Veja também: A evolução dos dentes | Artigo

 

Tome as medicações receitadas 

O profissional que realiza a cirurgia sempre irá receitar algumas medicações após o procedimento. Siga as recomendações. “Na maioria dos procedimentos, é recomendada a utilização de analgésicos, antibióticos e anti-inflamatórios para proporcionar um maior conforto e controle pós-operatório”, afirma o dr. Sidney. 

Ele explica que geralmente se recomenda tomar o antibiótico por uma semana, o anti-inflamatório nos primeiros dias – quando a inflamação é maior – e o analgésico no dia da extração, e depois somente em caso de dor ou desconforto no local. “Essas recomendações podem sofrer alterações dependendo da individualização da situação clínica apresentada”, destaca.

O paciente também pode usar uma compressa de gelo para aliviar o desconforto na região, mas somente no dia da extração.

 

Atenção ao risco de alveolite

A alveolite é um processo inflamatório que acontece quando o coágulo de sangue que deve se formar após a remoção do dente é expelido ou dissolvido antes da cicatrização da ferida, deixando os ossos e as terminações nervosas expostas.  

“É uma das complicações pós-operatórias mais frequentes após a exodontia de dentes permanentes. Sua etiologia ainda não é completamente clara, mas alguns fatores podem aumentar o risco de desenvolver o quadro: perda prematura do coágulo sanguíneo, deficiências no sistema imunológico do paciente – como pacientes imunossuprimidos –, presença de infecção próxima ao local operado, tabagismo, uso de contraceptivos orais e higienização inadequada da boca por parte do paciente”, explica o cirurgião-dentista. 

Fique atento à dor que piora, principalmente após o quinto dia da extração, porque a dor pós-operatória normalmente começa a regredir depois de 24 a 48 horas. Se a dor já melhorou, e de repente você começa a sentir dor novamente, principalmente se for acompanhada de mau hálito, pode ser alveolite. Nesse caso, procure o dentista. 

Os cuidados mencionados ao longo da matéria ajudam a prevenir um quadro de alveolite. 

Veja também: Fumantes devem ir ao dentista ao menos uma vez por ano

 

Cuidados após a retirada dos pontos

Os pontos da cirurgia geralmente são removidos uma semana depois da extração dos sisos, mas o período de cicatrização total dos tecidos ósseo e gengival tende a ser mais lento. Por esse motivo, o cirurgião-dentista recomenda evitar a ingestão de alimentos muito duros por mais algumas semanas. “Gradualmente, a gengiva volta à condição normal, e com ela a capacidade normal de mastigação”, afirma. 

É normal que fique um buraquinho na boca no local onde estava o dente. O especialista recomenda fazer bochechos leves com enxaguante bucal à base de 0,12% de clorexidina após a escovação, medida que vai auxiliar na manutenção da higiene local até que ocorra o fechamento completo da gengiva, que pode levar algumas semanas. A cicatrização ocorre de dentro para fora, ou seja, o buraco vai ficando cada vez mais raso, até fechar. 

Caso caiam restos de alimento lá dentro, a dica é utilizar uma seringa com soro fisiológico e fazer a irrigação de forma suave diretamente na entrada do buraco para remover os resíduos.

Veja também: Cuidados com os dentes das crianças | Entrevista

Veja mais