Claustrofobia vai além do desconforto no elevador | Cabine do paciente

Beatriz Macedo explica que a claustrofobia não é apenas não gostar de estar em lugares fechados, mas, na verdade, não conseguir.

Drauzio Varella

Drauzio Varella é médico cancerologista e escritor. Foi um dos pioneiros no tratamento da aids no Brasil. Entre seus livros de maior sucesso estão Estação Carandiru, Por um Fio e O Médico Doente.

Compartilhar

Beatriz Macedo explica que a claustrofobia não é apenas não gostar de estar em lugares fechados, mas, na verdade, não conseguir.

 


Desde pequena, a psicopedagoga Beatriz Macedo tinha problemas em ficar em lugares fechados ou com muitas pessoas. Quando passou mal no metrô indo ao trabalho, teve o estalo de que deveria procurar ajuda. No psiquiatra, recebeu o diagnóstico de claustrofobia associada ao transtorno de ansiedade generalizada.

Durante a terapia, ela descobriu que a fobia vinha de um trauma de infância e aprendeu a lidar melhor com as situações de confinamento do dia a dia. Apesar de ouvir constantemente as pessoas tratarem a claustrofobia de forma banal, Beatriz aconselha outras pessoas a aceitarem o diagnóstico e procurarem ajuda psicológica. Assista neste Cabine do Paciente!

Veja também: Como saber se eu tenho claustrofobia?

Veja mais