Oftalmologia

Nove mitos sobre a visão

oftalmologista examina a visão de paciente

No que se refere à visão, há muitas orientações erradas que, na prática, acabam comprometendo a saúde ocular. Veja abaixo alguns mitos sobre a visão.

 

No imaginário popular, um boato contado várias vezes torna-se verdade. Quando falamos sobre saúde e doenças não é diferente. Desde a infância somos ensinados a não fazer muitas coisas para o bem da nossa saúde, mas na maioria das situações sequer conhecemos o real motivo das recomendações.

No que se refere à visão, você com certeza já ouviu muitos conselhos como: nunca leia com pouca luz; tire as lentes de contato ao viajar de avião; evite ficar perto do computador ou da TV para não prejudicar a vista; entre outros. Esses são alguns dos mitos mais comuns reproduzidos no dia a dia, embora haja razões médicas que controvertem tais informações.

O oftalmologista dr. Luiz Antônio Viera, do Hospital CEMA, em São Paulo, explica os principais mitos falados no cotidiano e publicados em páginas da internet:

 

Mito 1: Usar muito computador e tablet compromete a visão.

 

Hoje em dia, dificilmente ficamos longe dos dispositivos tecnológicos. A boa notícia é que podemos trabalhar e estudar diante das telas dos aparelhos por horas sem grandes receios. Quem não tem problemas de visão, não irá prejudicá-la se ficar em frente à tela. “Pessoas que têm alguma ametropia (miopia, hipermetropia e astigmatismo) não corrigida, podem apresentar sintomas como embaçamento e dor ocular aos esforços visuais. São essas queixas que ajudam a construir o mito de que ficar muito tempo diante das telas faz mal à visão”, explica o dr. Vieira.

No entanto, se você passar bastante tempo em frente à tela, principalmente no notebook, tablet e celular, fique atento à distância do monitor. Se possível, mantenha uma distância de 35 a 40 cm, pois a proximidade exagerada leva a um maior esforço acomodativo que podem gerar desconforto.

 

Mito 2: Sentar muito perto da TV prejudica a visão.

 

Evitar se sentar muito perto da TV é uma das principais orientações que recebemos dos nossos pais e responsáveis quando ainda somos crianças, mas que não afeta a visão. “Realmente, assistir à televisão muito próximo da tela não induz nenhuma doença ocular, apenas sintomas acomodativos.”

Os olhos claros têm menos pigmentação em uma camada da íris do que os escuros, podendo ser um pouco mais sensíveis a uma maior intensidade de luz, mas isso não é doença.

Por essa razão, quando for assistir à TV é recomendável que a pessoa se posicione no mínimo entre 3 a 5 metros do aparelho usando a correção óptica adequada (óculos ou lentes), se necessário.

 

Mito 3: Excesso de leitura causa visão cansada.

 

Leia à vontade. O máximo que pode ocorrer é um incômodo nos olhos devido às circunstâncias de leituras desfavoráveis, como ler sem óculos adequados e com luminosidade baixa. Além disso, não associe essa condição à presbiopia (vista cansada), cujo aparecimento ocorre naturalmente em pessoas acima dos 40 anos e a maior parte delas precisa de óculos para leitura.

“Se houver vício de leitura, tais como ler em ambiente com iluminação inadequada, deitado de forma desconfortável e sem correção óptica adequada (óculos ou lentes), pode haver sintomas. Por outro lado, a visão cansada induzida por excesso de leitura em quem goza de boa saúde ocular é um mito”, avalia o médico.

 

Mito 4: Ler no escuro prejudica a visão.

 

Reiterando o mito anterior, a leitura em ambientes com pouca luz não prejudica a visão, porém pode causar algum desconforto. “Dizer que ler em ambiente pouco iluminado prejudica a visão é mito. No entanto, quem tem ametropias não corrigidas ou doenças que realmente causam comprometimento da visão noturna pode ter sintomas gerados pela necessidade de maior esforço para ler em ambientes com pouca luminosidade”.

Sempre procure ler em ambiente com iluminação adequada para amenizar o contraste entre o claro e o escuro.

 

Veja também: Entrevista completa sobre oftalmologia infantil

 

Mito 5: Olhos claros podem ter mais problemas do que os escuros.

 

Pessoas com olhos claros e escuros devem ter basicamente os mesmos cuidados.  “Os olhos claros têm menos pigmentação em uma camada da íris do que os escuros, podendo ser um pouco mais sensíveis a uma maior intensidade de luz, mas isso não é doença. No entanto, é recomendável que pessoas com olhos claros usem lentes protetoras com filtros ultravioleta.”

Em dias ensolarados, independentemente da cor dos olhos, todos estamos expostos ao alto índice de raios ultravioleta (UV). Então se lembre de utilizar óculos escuros para se proteger dos raios UVA e UVB, que podem causar vários problemas oculares como catarata e lesão na córnea e na retina.

 

Mito 6: Quem tem astigmatismo não pode usar lentes de contato.

 

Há diferentes tipos de lentes de contato para quem tem astigmatismo. Um médico irá indicar a melhor opção de uso para cada indivíduo. “O astigmatismo é formado pela alteração da curvatura da córnea em um só eixo, se admitirmos a córnea com um formato de uma bola de futebol americano. As lentes mais adaptadas neste caso são as rígidas, porém elas são mais desconfortáveis. Existem lentes gelatinosas específicas para esta correção, as tóricas, com bom resultado e excelente conforto. Uma lente gelatinosa só para correção de miopia, quando usada em astigmatismo, amolda-se à córnea, preservando a sua irregularidade”, compara o oftalmologista.

 

Mito 7: Lentes de contato não devem ser utilizadas em viagens de avião.

 

Não há contraindicações para o uso de lentes de contato durante uma viagem de avião. As condições internas das aeronaves, no entanto, provocam leves sintomas ao usuário de lente. “A lente de contato normalmente compromete um pouco a qualidade da lágrima, mesmo quando bem adaptada. Dentro do avião, existe alteração da umidade do ar, prejudicando ainda mais a qualidade da lágrima e exacerbando os sintomas de olho seco.”

Os colírios devem ser usados sob orientação e prescrição médica. Muitos colírios que causam complicações oculares sérias ainda são vendidos sem receitas, tais como os com corticoides.

Caso for usar lente, ela precisa ser indicada por um médico que deve adaptá-la ao olho do paciente. Mantenha a higiene necessária das lentes para evitar infecções graves nos olhos.


Mito 8: Óculos de grau são melhores que lentes de contato para corrigir a visão.

 

Ambos são eficientes na correção óptica. Mas em determinados casos a lente de contato oferece certa vantagem. “A lente de contato leva a uma melhor visão do que os óculos para corrigir grau, pois é colocada sobre a córnea, diminuindo, desse modo, as aberrações ópticas (imagens com deformações)”, justifica o oftalmologista.

 

Mito 9: Colírios podem ser usados sem receita médica.

 

Assim como os demais medicamentos, nunca use colírios sem a indicação do oftalmologista. Isso pode trazer graves consequências aos olhos. “Os colírios devem ser usados sob orientação e prescrição médica. Muitos colírios que causam complicações oculares sérias ainda são vendidos sem receitas, tais como os com corticoides. Alguns colírios lubrificantes sem conservantes poderiam ser usados sem receitas.”

Sobre o autor: Runan Braz

Runa Braz é jornalista, repórter do Portal Drauzio Varella. Tem interesse na editoria de doenças psicossociais e em questões relacionadas à saúde da população negra.