Obstrução nasal pode ser causada por processos infecciosos ou distúrbios estruturais. 

 

* Edição revista e atualizada.

 

Respirar é uma função fisiológica tão importante que o mínimo obstáculo que dificulte o fluxo do ar pelas vias aéreas superiores provoca enorme desconforto.

A obstrução nasal pode ser provocada por processos infecciosos virais ou bacterianos, como agripe, os resfriados e a sinusite aguda, ou por distúrbios estruturais, por exemplo, o desvio do septo ou a presença de pólipos ou tumores no nariz. Em geral, quando a causa é infecciosa, principalmente viral, o incômodo é passageiro, mas pode ser persistente e progressivo, como nas rinites alérgicas e se houver uma barreira anatômica que impeça a passagem do ar.

 

Veja também: Quando operar o desvio de septo

 

Esse distúrbio pode acometer tanto as crianças quanto os adultos. Na infância, as causas mais frequentes são as infecções agudas virais (resfriados), as rinites crônicas (a mais comum é a rinite alérgica) e a hipertrofia das adenoides. Causas menos comuns incluem as deformidades congênitas, como a atresia coanal (imperfuração da abertura posterior da cavidade nasal) e os desvios de septo.

Adultos com obstrução nasal provocada pelas rinites, alérgicas ou não, correm o risco de fazer uso abusivo de descongestionantes tópicos e criar dependência em decorrência da vasoconstrição que esses medicamentos provocam em todo o organismo.

Portanto, se a pessoa apresenta obstrução nasal persistente ou com frequência deve ser avaliada por um médico para diagnóstico e tratamento específico.

 

ANATOMIA DO NARIZ

 

Drauzio – Você poderia explicar as características anatômicas da região por onde passa o ar que entra pelas narinas?

Shirley Shizue N. Pignatari – As características anatômicas dessa região influenciam, praticamente, todos os processos de obstrução nasal. Num corte de perfil, a imagem 01 Obstrução nasal | Entrevista mostra a parede lateral do nariz, que é composta por três estruturas chamadas conchas ou cornetos separadas por três meatos. Essas estruturas são altamente vascularizadas e têm a capacidade de distender-se, o que aumenta a superfície da cavidade nasal. Além disso são revestidas por epitélio respiratório ciliado, facilitando sua limpeza.

Tais particularidades anatômicas do nariz são essenciais para que o ar que entra pelo vestíbulo nasal seja aquecido e umidificado antes de chegar aos pulmões e para barrar a entrada de algum corpo estranho que possa ser nocivo ao organismo.

 

Drauzio – Se abrirmos bem as narinas, essas estruturas são visíveis no espelho?

Shirley Shizue N.Pignatari – Por curiosidade, muitas pessoas levantam a ponta do nariz na frente do espelho e enxergam duas bolinhas que correspondem à cabeça da concha nasal inferior. Na verdade, essa concha, ou corneto nasal, ocupa toda a extensão da cavidade do nariz, mas a pessoa se impressiona com as bolinhas, achando que são indício da presença de adenoides ou de carne esponjosa.

 

CAUSAS

 

Drauzio — Por que, às vezes, acordamos com o nariz entupido? O que pode provocar a obstrução nasal?

Shirley Shizue N. Pignatari – Neste caso, a obstrução nasal pode ser provocada por vários mecanismos diferentes. Os mais frequentes incluem a distensão da concha nasal causada por alterações da temperatura numa reação vasomotora, ou pela presença de algum alérgeno ambiental. O alérgeno pode provocar edema da concha, que se distende numa reação fisiológica para tentar bloquear a passagem do corpo estranho e sua progressão para o interior do organismo. Ela aumenta de tamanho, inchando, e secretando muco para proteger o organismo dessa agressão. Por isso é tão frequente que a obstrução nasal nessas ocasiões seja acompanhada de coriza.

A respiração nasal é um reflexo inerente e fisiológico do ser humano. A respiração oral (antifisiológica) poderá induzir uma série de problemas incluindo distúrbios de sono, de comportamento, além de alterações no desenvolvimento da arcada dentária e da face.

Drauzio – As infecções virais são causa frequente da obstrução nasal?

Shirley Shizue N. Pignatari – Como as infecções virais de vias aéreas superiores são extremamente frequentes, é provável que sejam a causa mais comum de obstrução nasal aguda tanto na criança como no adulto.  Apesar de extremamente desconfortável, a obstrução nasal decorrente das gripes e resfriados indica que o organismo está reagindo para eliminar o vírus que ataca inicialmente a mucosa do nariz. Só que essa reação inflamatória pode ser exagerada, produzindo  congestão, coriza e, às vezes, espirros. Felizmente, não costumam ser persistentes, em geral durando entre  seis e dez dias.

 

Drauzio – Além das infecções virais, quais as causas mais frequentes de obstrução nasal?

Shirley Shizue N. Pignatari – Obstruções nasais causadas por quadros infecciosos agudos são passageiras. O problema se torna mais importante quando elas se tornam muito frequentes ou crônicas persistentes. Nesse caso, é obrigatório investigar por que estão ocorrendo. As possibilidades não estão restritas à fisiologia do nariz, e o distúrbio pode acometer tanto um bebezinho quanto os adultos. Não há faixa etária em que seja predominante, mas existem condições clínicas mais frequentes nas crianças e problemas mais comuns nos adultos.

 

Veja também: Quando o nariz sangra

 

OBSTRUÇÃO NA INFÂNCIA

 

Drauzio – Quais são os problemas específicos das crianças?

Shiley Shizue N. Pignatari – A criança pode ter obstrução nasal desde o nascimento. Uma das causas é a atresia, alteração anatômica ocorrida durante o desenvolvimento embrionário, que consiste na persistência de uma membrana ou osso na porção final da cavidade nasal, que impede a progressão do fluxo de ar para os pulmões. Essa ocorrência, porém, não é frequente. Nos recém-nascidos, uma das causas mais frequentes é denominada “rinite do lactente”. embora seja fisiológica, causa bastante desconforto e, às vezes, dificuldade à amamentação. Em geral, acomete o lactente nos primeiros meses de vida.

Na infância, o que mais provoca obstrução nasal são as rinites crônicas, entre elas, a rinite alérgica. Outra causa muito comum é a hipertrofia das adenoides.

 

Drauzio– Você poderia explicar o que são as adenoides?

Shirley Shizue N. Pignatari – Muita gente confunde as adenoides com as conchas nasais (que são conhecidas popularmente como carne esponjosa), e que são assim chamadas porque, como uma esponja, dependendo da situação aumentam e diminuem de tamanho.

As adenoides (ou tonsilas faríngeas) propriamente ditas são constituídas por tecido linfoide parecido com o das amídalas. Elas se localizam na rinofaringe, ou seja, entre a abertura posterior da cavidade nasal e a garganta.  Assim como a das amídalas, sua função é produzir células de defesa.

A diferença básica entre amídalas e adenoides é que as primeiras são órgãos permanentes, enquanto as adenoides, depois de um pico de desenvolvimento aos 4, 5 anos de idade, regridem espontaneamente até a adolescência. Em alguns casos, crescem tanto que chegam a ocupar quase toda a região posterior da cavidade nasal, dificultando a passagem do ar e obrigando a criança a respirar pela boca.

A respiração nasal é um reflexo inerente e fisiológico do ser humano. A respiração oral (antifisiológica) poderá induzir uma série de problemas incluindo distúrbios de sono, de comportamento, além de alterações no desenvolvimento da arcada dentária e da face.

 

Drauzio – Uma criança que nasça com uma obstrução que a impeça de respirar pelo nariz, não tem muito tempo para aprender a respirar pela boca…

Shirley Shizue N. Pignatari– Não tem. Por isso, muitas acabam evoluindo mal e podem chegar ao óbito se o neonatologista ou o pediatra não introduzirem as medidas ventilatórias necessárias. Felizmente, com essas medidas, a maioria dos bebês aprende a respirar pela boca até que o defeito seja corrigido cirurgicamente.

 

OBSTRUÇÃO NOS ADULTOS

 

Drauzio – Quais são as causas mais frequentes de obstrução nasal nos adultos?

Shiley Shizue N. Pignatari – Eu diria que as causas mais frequentes de obstrução nasal nos adultos são as rinites crônicas, não necessariamente as rinites alérgicas. São causas importantes também os desvios de septo nasal e alguns tumores. Por isso, todo o paciente que procura o otorrino com queixa de obstrução nasal merece investigação cuidadosa.

 

Drauzio – Teoricamente, o septo nasal deveria estar bem centrado entre as duas fossas nasais, ou seja, deveria  dividir o nariz em duas metades idênticas,mas a maioria das pessoas tem algum tipo de desvio de septo.

Shirley Shizue N. Pignatari – Não me lembro de ter visto, nos últimos anos, um único paciente que tivesse o septo bem centrado, sem nenhum tipo de desvio. Os desvios septais são muito comuns. Entretanto, nem todo desvio de septo provoca obstrução nasal e exige tratamento ou intervenção cirúrgica. Não é raro uma pessoa vir a descobrir que tem um desvio septal, quando faz, por alguma outra razão, um exame de raios X ou uma tomografia da região nasal. O interessante é que, a partir dessa descoberta, os sintomas aparecem e ela, que antes não sentia nada, começa a ter dificuldade para respirar.

 

Drauzio – Em que situações está indicada a correção cirúrgica do desvio de septo?

Shirley Shizue N. Pignatari – Não é o tamanho do desvio que vai indicar a necessidade da correção cirúrgica. É o desconforto do paciente e os problemas que esse distúrbio possa eventualmente acarretar. Por exemplo, quando o desvio de septo provoca diminuição importante do fluxo de ar, limitando atividades e realmente trazendo desconforto; ou quando a pessoa fica mais propensa a desenvolver sinusites, uma vez que os seios paranasais situados ao lado da cavidade nasal dependem do bom desempenho da função respiratória para sua ventilação.

 

RINITES

 

Drauzio – Qual o peso das rinites na obstrução nasal?

Shirley Shizue N. Pignatari — Basicamente, as rinites são processos inflamatórios da mucosa do nariz. A rinite alérgica é a mais conhecida. A impressão é que sua incidência tem aumentado muito nos últimos anos, talvez por causa da qualidade do ar que respiramos ou do contato com alérgenos novos, ou mesmo pelas alterações do sistema imune provocadas provocadas por novos hábitos.

Nas rinites alérgicas, assim que o alérgeno entra em contato com a mucosa do nariz, a produção de muco aumenta, a concha nasal incha, o nariz fica obstruído e a pessoa começa a espirrar. De forma muito simples, essa reação (alérgica) poderia ser explicada  como um mecanismo fisiológico exacerbado de proteção do organismo.

A recomendação geral é cuidar da higiene nasal que pode ser feita com solução fisiológica, duas ou três vezes por dia, para eliminar os antígenos ou as impurezas que eventualmente estejam na cavidade do nariz estimulando o processo inflamatório da mucosa nasal.

Drauzio – De acordo com sua experiência clínica, quais são as substâncias que mais provocam rinite?

Shirley Shizue N.Pignatari – A mais comum é o ácaro doméstico que provoca reação alérgica tanto em crianças quanto em adultos.

 

TRATAMENTO

 

Drauzio – Como você conduz o tratamento de um paciente com as mucosas nasais inchadas, excesso de secreção e nariz entupido por causa da rinite?

Shirley Shizue N. Pignatari – Rinite alérgica não é uma doença simples de tratar, até porque a capacidade de desenvolver essa reação, muitas vezes, está ligada a componentes genéticos e familiares. Não é quem quer que vai desenvolver uma rinite alérgica: é quem pode. Portanto, não existe tratamento específico para a doença. A orientação geral que se dá aos pacientes é que se mantenham distantes de todos os alérgenos, aqueles que sabidamente provocam a reação alérgica. Se o problema for o contato com a fumaça do cigarro ou com o mofo, é conveniente tentar eliminá-los dos lugares em que a pessoa mais permanece, o seu quarto, a sua casa, por exemplo.

Obviamente, existem medicamentos sob a forma de sprays nasais e anti-histamínicos que ajudam a controlar as crises, mas não promovem a cura definitiva.

 

Drauzio – Qual a recomendação geral para as pessoas não têm nenhuma barreira mecânica importante, mas têm obstrução nasal com frequência?

Shirley Shizue N. Pignatari – A recomendação geral é cuidar da higiene nasal que pode ser feita com solução fisiológica, duas ou três vezes por dia, para eliminar os antígenos ou as impurezas que eventualmente estejam na cavidade do nariz estimulando o processo inflamatório da mucosa nasal. É lógico que isso não vai resolver todas as causas de obstrução nasal, mas pode servir como uma profilaxia ou parte do tratamento dos processos inflamatórios e infecciosos. Além disso, não tem nenhuma contraindicação.

 

DESCONGESTIONANTE NASAL

 

Drauzio – Há pessoas que não vivem sem o descongestionante nasal. Que consequências isso pode acarretar?

Shirley Shizue N. Pignatari – Esses medicamentos acabam sendo usados abusivamente, porque provocam alívio rápido da congestão nasal. A pessoa coloca umas gotas do remédio no nariz e em alguns minutos volta a respirar livremente, pois eles agem sobre a inflamação da mucosa da concha nasal. Na maioria das vezes, porém, o nariz volta a entupir e principalmente os adultos passam a fazer uso crônico dos descongestionantes. O problema é que, como eles diminuem o calibre dos vasos, sua ação não restringe ao nariz. A vasoconstrição ocorre no organismo inteiro e pode ser a causa de problemas cardíacos e pulmonares.

Gostaria de deixar bem claro ainda que, nas crianças, os descongestionantes devem ser sempre utilizados com muito critério, pois o excesso pode ser muito perigoso, uma vez que pode provocar depressão do sistema cardiorrespiratório e óbito.

 

Drauzio – Pessoas que se tornam dependentes do uso de descongestionantes, muitas vezes, não conseguem respirar sem pingar algumas gotas no nariz. Como reverter esse processo?

Shirley Shizue N. Pignatari – É preciso muita paciência para reverter o processo e implementar a técnica de desmame do descongestionante nasal. Em geral, utilizamos alguns medicamentos a base de corticoides tópicos para diminuir a inflamação do nariz gradativamente ou descongestionantes de uso sistêmico . O tratamento cirúrgico  com redução das conchas nasais (turbinectomia) também pode ser indicado nos casos refratários e apresenta muito bons resultados.

 

Veja também: Ronco

 

PERGUNTAS ENVIADAS POR E-MAIL


Veridiane Francieli – Santa Cruz do Sul/RS– Quais são as maiores complicações provocadas pelo desvio do septo nasal?

Shirley Shizue N. Pignatari – O desvio de septo não causa grandes problemas, desde que não esteja obstruindo o fluxo de ar pelo nariz e isso depende da região em que está localizado.

 

Luzia Silveira – Foz do Iguaçu/PR –Tenho um desvio de septo bastante grande. O que posso fazer para melhorar minha qualidade de vida?

Shirley Shizue N. Pignatari – No seu caso, o melhor é fazer a cirurgia para corrigir o desvio de septo, porque não existe medicamento capaz de corrigir essa barreira anatômica.

 

Gabriela Pontes –Belo Horizonte/MG– Quais as consequências que a retirada das adenoides pode trazer para o organismo?

Shirley Shizue N. Pignatari – Como a adenoide é um órgão de proteção, é  lógico pensar que sua retirada tenha consequências negativas para o organismo. Acontece que, além das amídalas, temos outros tecidos que produzem células de defesa e a hipertrofia das adenoides pode trazer mais problemas do que benefícios.

 

Jaqueline da Silva – Sao Paulo/SP – Após a cirurgia das adenoides, há possibilidade de elas voltarem a crescer?

Shirley Shizue N. Pignatari –Tendo em vista que o crescimento das adenoides é fisiológico e vai até os quatro, cinco anos, teoricamente, elas podem voltar a crescer, se forem extraídas quando a criança tem um ano e meio, dois anos, mas é provável que isso não aconteça. De qualquer modo, quanto mais cedo forem retiradas, maior a possibilidade de voltarem a crescer.

 

Roberto Medeiros – Mairiporã/SPPor que a cirurgia das adenoides deixou de ser um procedimento de rotina como era no passado?

Shirley Shizue N. Pignatari – Não eram as adenoides que eram extraídas de rotina no passado. Eram as amídalas. A justificativa para esse exagero de indicações cirúrgicas era o fato de atribuir-se às amídalas a causa de todos os males que acometiam as crianças. Como estavam situadas muito perto das adenoides, os médicos aproveitavam para retirá-las também. Acredito que a conduta era essa, porque as adenoides são estruturas que crescem facilmente e sua hipertrofia  pode causar grandes problemas.