Popularmente conhecida como artrose, a osteoartrite é uma doença das articulações caracterizada por degeneração das cartilagens, acompanhada de alterações das estruturas ósseas vizinhas.

É a mais comum das doenças reumáticas: 80% a 90% das pessoas acima de 40 anos já mostram sinais de osteoartrite ao raio X. Mulheres e homens são acometidos na mesma proporção.

Se as cartilagens articulares não existissem, um osso se chocaria contra outro. Ao impacto, as cartilagens são comprimidas e expulsam água de seu interior, que é reabsorvida quando as forças compressivas relaxam. A osteoartrite resulta do aumento de conteúdo líquido no interior do tecido cartilaginoso.

O principal sintoma é a dor articular de instalação insidiosa, que aumenta de intensidade com o passar dos anos. Fases mais sintomáticas costumam ser seguidas por outras com regressão do quadro.

No início, a dor surge com o movimento e desaparece com o repouso. Com o tempo, pode ocorrer enrijecimento e diminuição da mobilidade articular. O enrijecimento tende a desaparecer segundos ou minutos depois da movimentação, diferença importante com os casos de artrite reumatoide em que chega a persistir por horas.

As articulações mais acometidas são:

1) Mãos: afeta principalmente as juntas entre a segunda e a terceira falange, provocando abaulamentos (nódulos de Heberden). Mais raramente, esses nódulos surgem na articulação da primeira com a segunda falange (nódulos de Bouchard). Vermelhidão local, dor e inchaço instalam-se ocasionalmente;

2) Joelhos: pode haver derrame articular, dor e alargamento das estruturas ósseas vizinhas, com ou sem crepitação (como se houvesse areia na junta). Nas fases mais avançadas as deformidades desalinham os ossos;

3) Coxofemurais: a dor é sentida na virilha ou na região lateral da junta, com eventual irrradiação para as nádegas ou para os joelhos. Como defesa, os pacientes rodam a coxa para fora e dobram a perna, dando a impressão de que o membro encurtou;

4) Coluna: quando o comprometimento do disco entre as vértebras e as alterações ósseas vizinhas comprimem as raízes nervosas que emergem da coluna, surgem dor, espasmos, atrofias musculares e limitação de movimentos. Os locais mais acometidos são a coluna cervical baixa e as últimas vértebras lombares. A radiografia pode mostrar osteófitos (bicos de papagaio), cuja presença não guarda relação direta com a dor.

Não existe tratamento que retarde a evolução ou reverta o processo patológico que conduz à osteoartrite.

As seguintes medidas gerais são úteis em todos os casos:

1) Repousar depois de atividade que solicite a articulação comprometida;

2) Adotar postura cuidadosa ao sentar, levantar objetos e andar, para evitar posições forçadas que sobrecarreguem a articulação.

3) Evitar pesos e atividades causadoras de impactos repetitivos.

4) Usar calçados confortáveis que ofereçam boa base de apoio; não calçar sapatos com os calcanhares desgastados.

5) Praticar exercícios isométricos que fortaleçam a musculatura para conferir estabilidade à articulação.

6) Evitar a obesidade.

7) Nos casos mais avançados, o uso de bengalas, andadores, corrimãos e alças de apoio no banheiro é fundamental.

Os medicamentos mais empregados para aliviar os sintomas são:

1) Ácido acetilsalecílico e analgésicos comuns como acetaminofeno ou dipirona, mas sua ação é pouco duradoura. O ácido acetilsalecílico pode alterar a coagulação e causar sangramentos;

2) Corticosteroides não são usados de rotina. Em casos excepcionais, a injeção intra-articular alivia dores rebeldes, mas a repetição é capaz de lesar ainda mais os tecidos;

3) Embora seja considerada enfermidade não inflamatória, as alterações das cartilagens costumam atrair infiltrado inflamatório para o local. Esse componente pode ser reduzido com os chamados anti-inflamatórios não esteróides.

Em casos bem selecionados a cirurgia pode trazer benefícios.