Drauzio

Coronavírus: triagem nos aeroportos | Artigo

funcionária mede temperatura na testa de passageiro para realizar triagem de covid-19 nos aeroportos

Medir a temperatura com intuito de fazer triagem de covid-19 nos aeroportos é método pouco eficiente, que não deu certo em outras epidemias.

 

A cena do termômetro apontado para a testa do passageiro que desembarca no aeroporto, tem se repetido em vários países. Faz parte da triagem para identificar pessoas com febre, tosse e falta de ar, sintomas associados ao coronavírus causador da doença Covid-19.

Países mais radicais proíbem a entrada ou colocam em quarentena cidadãos oriundos de áreas com surtos da doença.

Veja também: Novo coronavírus: Devo evitar viagens de avião?

Dennis Normile, na revista “Science”, diz que “Triagens na entrada e saída podem parecer tranquilizadoras, mas a experiência com outras epidemias mostra que é extremamente raro detectarem passageiros infectados”. Como exemplo, cita o caso de oito viajantes infectados na Itália, que passaram incólumes pela fiscalização do aeroporto de Shangai.

Cabe perguntar qual seria o impacto na epidemia chinesa, caso tivessem sido identificados no aeroporto.

Em entrevista para a “Science”, Ben Cowling, epidemiologista da Universidade de Hong Kong, considera que a triagem serve, no máximo, para atrasar por alguns dias a chegada do vírus num determinado país e mostrar que o governo faz o possível para proteger a população.

Os que defendem a triagem na saída do país de origem, consideram a medida necessária para impedir que pessoas doentes disseminem o vírus em outras regiões. Os defensores da triagem no aeroporto de destino, consideram que é uma oportunidade para o viajante entrar em contato com o sistema de saúde, receber informações sobre a doença e orientações sobre o que deve ser feito em caso de surgirem sintomas.

De qualquer forma, o número de diagnósticos feitos nos aeroportos do mundo é insignificante. Os Estados Unidos, que obrigam a passar pela triagem, em 11 aeroportos, todos os cidadãos e residentes que estiveram na China nos últimos 14 dias, identificaram apenas um caso.

Na epidemia de Sars, causada por outro coronavírus, o Canadá investiu $5,7 milhões na triagem de passageiros que chegavam ao país, sem conter a epidemia.

Medir a temperatura na testa, com termômetros que parecem revólveres, é um método impreciso, porque eles medem a temperatura da pele, eventualmente diversa daquela do resto do corpo. Além disso, o passageiro afebril pode estar sob efeito de antitérmicos ou no período assintomático de incubação que, no caso do atual coronavírus, pode chegar a duas semanas.

Outras epidemias mostraram como falham esses métodos de triagem. Durante o surto de Ebola, virose com período de incubação de 2 dias a 3 semanas, nenhum caso foi diagnosticado em 16 meses entre os 300 mil passageiros que embarcaram nos aeroportos de Serra Leoa, Guiné e Libéria, durante a epidemia que assolou esses países. Dois viajantes desenvolveram sintomas, quando já estavam no exterior.

Japão e China organizaram programas rigorosos de triagem durante a epidemia de gripe H1N1, sem resultados. Na epidemia de Sars, causada por outro coronavírus, o Canadá investiu $5,7 milhões na triagem de passageiros que chegavam ao país, sem conter a epidemia. Os australianos calcularam que cada caso detectado pela triagem na epidemia de H1N1, em 2009, custou $50 mil para os cofres públicos.

Sobre o autor: Drauzio Varella

Drauzio Varella é médico cancerologista e escritor. Foi um dos pioneiros no tratamento da aids no Brasil. Entre seus livros de maior sucesso estão Estação Carandiru, Por um Fio e O Médico Doente.

Leia mais