Drauzio

Luto | Artigo

mulher enfrenta luto de ente querido deitada na cama com porta-retratos ao lado

Ajudar pessoas em luto não é fácil, mas medidas práticas podem trazer conforto a quem perdeu um ente querido.

 

Lidar com pessoas que acabaram de perder entes queridos nos deixa inseguros. Que palavras usar para consolá-las? Como nos aproximarmos sem invadir-lhes a privacidade nem desrespeitar seus sentimentos?

A dificuldade de contato nos afasta e contribui para isolá-las do convívio social. O isolamento aumenta o risco de depressão, doença insidiosa que pode ter fim trágico.

 

Veja também: O que é preciso fazer quando um familiar morre?

 

A Harvard School of Medicine publicou um manual com o título “Luto e Perda”, no qual sugere medidas e gestos que podem trazer conforto a quem vive essa fase. Tomo a liberdade de resumi-lo:

 

1) Não tenha medo de mencionar a pessoa falecida

 

Embora a simples menção possa provocar choro, ela não deixará o amigo mais triste. Dizer como você também sente falta da pessoa que se foi, é muito melhor de que o formal “sinto muito”. É duro constatar que ninguém mais fala de quem você amou tanto.

 

2) Não pergunte “Como você está?”

 

Parece descaso. Como você acha que a pessoa vai responder uma pergunta tão impessoal? É melhor dizer “Como você está se sentindo hoje?”

Tome a iniciativa de ajudar com os procedimentos legais, a papelada, as compras e a manutenção da casa.

3) Dê esperança

 

É preciso cuidado para não parecer que você menospreza o sofrimento do outro. Dizer “Seja forte”, ou “Não fique assim”, ou “Reaja”, pode dar exatamente essa impressão e aumentar o isolamento. Procure palavras com o sentido da frase: “Você ainda ficará triste por um tempo que pode ser prolongado, mas você é forte e terá forças para encontrar o caminho”. Dessa forma, estará afirmando que não existe solução fácil nem rápida, mas que a vida vai melhorar.

 

4) Procure a pessoa enlutada

 

Passados os primeiros dias ou semanas depois do funeral, os amigos geralmente se afastam. Entre em contato, telefone, visite, envie mensagens que expressem solidariedade e empatia. A pessoa pode dizer: “Foi a vontade de Deus”, “Foi melhor assim”, “Deus escreve certo por linhas tortas”, você jamais.

Seja paciente. Não tenha pressa em dar conselhos; aguarde até perceber que a pessoa deseja ouvi-los.

 

5) Ajude de verdade

 

Não basta dizer “Se precisar de alguma coisa, conte comigo”. Você estará transferindo para a pessoa a responsabilidade do pedido de auxílio que ela pode estar relutante em solicitar. Tome a iniciativa de ajudar com os procedimentos legais, a papelada, as compras e a manutenção da casa.

 

6) Leve refeições e lanches

 

Muitas vezes as viúvas e, especialmente, os viúvos encontram dificuldade em preparar as refeições nas primeiras semanas de viuvez. Levar comida, orientá-los e ajudá-los a fazer as compras de supermercado pode ser muito útil.

 

7) Escute com atenção em vez de aconselhar

 

Depois de uma grande perda, muita gente sente falta de falar sobre o acontecido, alguns chegam a contar a mesma história várias vezes. Seja paciente. Não tenha pressa em dar conselhos; aguarde até perceber que a pessoa deseja ouvi-los.

 

8) Evite julgamentos

 

É impossível avaliar no outro o sofrimento causado pela perda. A vida emocional da pessoa sofreu um impacto que poderá ser duradouro ou mesmo definitivo. Não considere fraqueza a demora na recuperação nem demonstre irritação diante da dificuldade dela em retomar a vida rotineira.

Sobre o autor: Drauzio Varella

Drauzio Varella é médico cancerologista e escritor. Foi um dos pioneiros no tratamento da aids no Brasil. Entre seus livros de maior sucesso estão Estação Carandiru, Por um Fio e O Médico Doente.