Drauzio

As pandemias da gripe | Artigo

Pessoas caminhando, várias com máscara cirúrgica, em rua de Bangkok.

No decorrer do século 20, houve três pandemias da gripe: a espanhola, a asiática e a Hong Kong. Entre elas, houve semelhanças e diferenças fundamentais.

 

Estruturas mais simples do que os vírus, impossível inventar: alguns genes, uma cápsula para protegê-los das intempéries, e nada mais. São tão rudimentares que muitos lhes negam espaço na classificação geral dos seres vivos.

A simplicidade estrutural é de tal ordem que os torna incapazes de multiplicar-se por conta própria, como o fazem bactérias, fungos, vegetais e todos nós. Para produzir cópias de si mesmos são obrigados a infectar células de organismos mais complexos, misturar seus genes com o DNA delas com a finalidade de introduzir um código pirata que a célula lerá inúmeras vezes ao entrar em divisão. Milhões de partículas virais assim formadas invadirão novas células para repetir a pirataria.

 

Veja também: Os surtos de gripe H1N1 ao longo da história

 

Na luta pela sobrevivência, cada vírus desenvolveu a habilidade de infectar determinado tipo de tecido. Os vírus da gripe tiveram a sabedoria de escolher as células do trato respiratório porque, para defender-se do ataque, as mucosas infectadas produzem secreção abundante, acessos de tosse e espirros. O muco nasal contamina as mãos e os objetos manipulados pelos doentes; a tosse e os espirros arremessam a metros de distância milhares de gotículas prenhes de partículas virais. Existiria estratégia de disseminação mais competente?

No decorrer do século 20, houve três pandemias de gripe: a espanhola (1918 a 1919), a asiática (1957 a 1963) e a Hong Kong (1968 a 1970). Entre elas houve duas diferenças fundamentais:

1) Foram causadas por subtipos diferentes do vírus: H1N1 na gripe espanhola, H2N2 na asiática e H3N2 na Hong Kong;

2) A virulência desses subtipos não foi a mesma: a gripe espanhola provocou pelo menos 50 milhões de óbitos, contra 1 milhão a 1,5 milhão na asiática, e cerca de 1 milhão na Hong Kong.

Apesar dessas divergências, existem diversas semelhanças entre as três pandemias. Vale a pena enumerá-las; podem ser úteis para avaliarmos os riscos da epidemia atual:

1) Mortalidade alta entre os mais jovens

Ao contrário das gripes comuns (sazonais), classicamente associadas à letalidade mais alta entre os mais velhos, as três pandemias causaram maior mortalidade na população jovem;

2) Evolução em ondas

A onda mais letal da gripe espanhola, que varreu a Europa e os Estados Unidos no outono de 1918, foi precedida por uma primeira onda no verão anterior bem menos agressiva. Nos Estados Unidos, a gripe asiática que chegou em 1957, atacou em três ondas, com excesso de mortalidade nos invernos de 1959 e de 1962. Na Eurásia, a primeira onda da gripe Hong Kong, ocorrida em 1968, apresentou letalidade bem menor do que a segunda, dois anos mais tarde;

3) Índices de transmissão mais elevados

Nas pandemias, a média das pessoas infectadas por um doente é maior do que a média de 1,3 geralmente encontrada nas gripes sazonais. Durante a onda mais amena da gripe espanhola, calcula-se que cada pessoa gripada tenha infectado em média dois a cinco contatuantes;

4) Heterogeneidade regional

As pandemias têm predileção por determinadas regiões, enquanto poupam outras. A complexidade das características imunológicas dos habitantes, os subtipos de vírus circulantes, os detalhes geográficos, climáticos e populacionais, que facilitam ou dificultam a transmissão viral, explicam por que algumas áreas são mais afetadas.

A atual epidemia provocada pela emergência de um vírus H1N1, construído pelas mutações ocorridas na natureza a partir de rearranjos dos genes causadores de gripe em porcos, aves e seres humanos, não é mera repetição do H1N1 da famigerada gripe de 1918, é a continuação dela.

Como diz o infectologista Robert Belshe, da Universidade de Saint Louis: “Nós ainda estamos sendo infectados pelos vírus remanescentes da pandemia de 1918”.

Até aqui a gripe suína está longe da espanhola: provoca febre em 94% dos pacientes, tosse em 92%, dor de garganta em 66%, vômitos em 25%, diarreia em 25%, mas mortalidade média de apenas 0,4% (ou menos).

Estaremos diante de uma onda branda que precederá outras mais letais? O vírus perderá a agressividade ou desenvolverá novas mutações que o tornarão mais virulento? Ele substituirá os subtipos causadores das gripes sazonais? A vacina estará mesmo disponível no ano que vem?

Não são poucas as dúvidas, mas as ciências médicas jamais estiveram tão preparadas para esclarecê-las.

Sobre o autor: Drauzio Varella

Drauzio Varella é médico cancerologista e escritor. Foi um dos pioneiros no tratamento da aids no Brasil. Entre seus livros de maior sucesso estão Estação Carandiru, Por um Fio e O Médico Doente.