Doenças crônicas

Quantas vezes se deve medir a glicemia na ponta do dedo

Mulher furando dedo para medir a glicemia.

Entenda quantas vezes e em que momento do dia o paciente deve medir a glicemia, de acordo com o quadro da doença.

 

Se você tem diabetes, pode ser necessário medir a glicemia em casa, para realizar o chamado automonitoramento da doença. Saber sua taxa de açúcar no sangue ajuda a avaliar a necessidade de fazer ajustes na medicação ou no estilo de vida. Mas… em que casos é preciso fazer a medição? Quantas vezes? Em que momento do dia?

Não adianta procurar uma regra, porque ela não existe. A hora ideal para medir a glicemia varia muito de acordo com o quão controlado está o diabetes e com diversas condições do estado geral do paciente. Às vezes nem é indicado medi-la com muita frequência. Tudo depende da pergunta clínica que precisa ser respondida. Será que essa fase de estresse está afetando minha glicemia? Será que ter começado a fazer exercícios diminuiu minha necessidade de medicamentos? Para cada pergunta, existe um esquema específico. Quem define tal esquema? A equipe médica, composta por médico, enfermeiros e auxiliares, de acordo com as possibilidades e necessidades de cada paciente.

Veja também: Quem tem diabetes precisa atentar para o índice glicêmico

Ainda que as metas de valores variem de acordo com a população, a idade, o risco de hipoglicemia e diversos outros fatores, é possível termos uma ideia dos números. Consultamos a dra. Sharon Nina Admoni, médica endocrinologista do Hospital Sírio-Libanês e do Grupo de Diabetes do Hospital das Clínicas da FMUSP para indicar os valores de referência abaixo, que dão um panorama geral, mas lembre sempre que cada tratamento é personalizado.

 

O que significa cada referência de horário

 

  • Em jejum: Logo que acordar;
  • Antes da refeição: Imediatamente antes de comer (chamada de medida pré-prandial);
  • 1 hora após a refeição: 1 hora após dar a primeira “garfada” (chamada de medida pós-prandial);
  • 2 horas após a refeição: 2 horas depois de dar a primeira “garfada” (igualmente chamada de medida pós-prandial);
  • Antes de dormir: Logo antes de deitar;
  • Madrugada: Por volta das 3 horas da manhã.

 

Diabetes tipo 1

 

Como pessoas com diabetes tipo 1 produzem pouca ou nenhuma insulina, este é um grupo que exige controle frequente da glicemia.

Quantas vezes medir: No mínimo de 3 a 4 vezes por dia. A frequência pode variar de acordo com alguns fatores, como a rotina de exercícios, tipo de alimentação, risco de hipoglicemia, presença de hipoglicemia assintomática ou quando se trata de crianças pequenas. ATENÇÃO: É importante medir a glicemia antes de pegar no volante para trajetos mais longos, como em estradas, para evitar o risco de hipoglicemia enquanto dirige. Nesses casos, a glicemia deve ficar entre 80 mg/dL e 180 mg/dL.

Veja também: Dicas para quem tem filho com diabetes tipo 1

Quando medir: Pode ser solicitado antes e depois de refeições e de exercícios, antes de dormir e às vezes até no meio da madrugada. Circunstâncias como alterações na medicação ou na rotina podem fazer com que o médico mude o esquema temporariamente.

 

Metas de glicemia para quem tem diabetes tipo 1.
image-77584

Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD).

 

Diabetes tipo 2 descontrolado

 

Quando a pessoa acabou de receber o diagnóstico, pode ser que o diabetes esteja muito fora de controle, pois até aquele momento ela não se preocupava com dieta e exercícios e nem tomava medicamentos.

Existem também pessoas que estabilizaram o nível de açúcar no sangue, mas estão passando por um momento específico da vida que torna o controle mais difícil. Períodos estressantes, por exemplo, podem fazer o paciente ter crises de hiperglicemia (alto nível de açúcar) ou hipoglicemia (baixo nível de açúcar) mesmo seguindo o tratamento como fazia até então.

Por fim, pessoas que receberam o diagnóstico mas não seguem o tratamento também podem ter diabetes descontrolado.

Quantas vezes medir: Pelo menos 3 vezes por dia, ao menos uma vez por semana, durante o período indicado pela equipe médica. Eventualmente, pode ser solicitado que em um dia sejam feitas 6 medidas para que se tenha uma ideia geral da reação do organismo em diferentes momentos (em jejum, após refeições, antes de dormir etc.).

Quando medir: Geralmente é recomendada a clássica medida em jejum, e os demais momentos são definidos pela equipe médica.

 

Diabetes tipo 2 sob controle com uso de insulina

 

Em geral, pacientes que fazem uso de insulina precisam medir a glicemia mais vezes que aqueles que controlam as taxas de açúcar somente com medicamentos e manutenção de hábitos saudáveis. Este grupo é um dos que mais tem variação na frequência de medidas, pois há muitos ajustes que podem ser necessários. Por exemplo: se a insulina foi prescrita para ajustar a glicemia ao amanhecer, é preciso medir em jejum e, uma vez por semana, fazer o chamado mapa completo (em jejum, antes e depois das refeições). Se a insulina tem como função equilibrar a glicemia após refeições, o esquema muda.

De forma geral, quanto maior a dose e/ou a frequência de insulina por dia, maior será a frequência de medições.

Quantas vezes medir: Em geral são necessárias em torno de 2 a 4 medições por dia.

Quando medir: Varia dependendo do quadro geral do paciente e do tipo de insulina utilizada. Embora geralmente seja requisitado que a medida seja feita em jejum, é importante que em alguns dias também se meça 2 horas após as refeições, pois a pessoa pode apresentar níveis normais em jejum, mas desregulados após se alimentar. Também é comum o médico indicar que em alguns dias se meça a glicemia antes de dormir.

 

Diabetes tipo 2 sob controle sem uso de insulina

 

Ao estabilizar a doença com medicamentos, alimentação equilibrada e atividade física regular — sem insulina –, não há consenso sobre a necessidade de automonitoramento. A maioria dos trabalhos indica que ele pode até ser desaconselhado, por aumentar o risco de problemas como ansiedade e depressão. Ainda assim, vale ter um glicosímetro em casa para realizar as medições em determinadas ocasiões.

Quantas vezes medir: Em situações específicas (veja abaixo).

Quando medir: Em casos de sintomas de crises de hipo ou hiperglicemia, ao iniciar o uso de um novo medicamento que possa interferir na glicemia (como corticoides), em períodos de pós-operatório e outros indicados pelo médico. Nessas ocasiões, é recomendado medir em jejum, antes e depois das refeições ou no momento em que tiver suspeita de hipoglicemia.

 

Metas de glicemia para quem tem diabetes tipo 2.
image-77585

Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD).

 

Diabetes gestacional ou gestantes que têm diabetes

 

Gestantes com diabetes ou pacientes que desenvolvem diabetes gestacional precisam medir e registrar os valores com rigor para prevenir danos ao feto.

Quantas vezes medir: De 4 a 6 vezes por dia.

Quando medir: Em jejum e 1h ou 2h após as refeições principais (café da manhã, almoço e jantar). Dependendo do caso, alguns profissionais acrescentam uma medida antes do almoço e do jantar, totalizando 6 medidas no dia.

 

Metas de glicemia para quem tem diabetes gestacional ou gestantes com diabetes.
image-77586

Associação Americana de Diabetes (ADA).

 

Idosos com diabetes

 

Idosos com diabetes precisam de acompanhamento rigoroso, que depende de uma série de condições avaliadas pela equipe médica. A frequência e horários de medição também devem ser muito particularizados.

 

Metas de glicemia para idosos com diabetes.
image-77587

* A classificação do estado de saúde leva em conta uma série de fatores técnicos que devem ser avaliados por profissionais. | Associação Americana de Diabetes (ADA).

 

Cuidados antes de medir a glicemia em casa

 

  • Lave as mãos. Água e sabão são suficientes, não é necessário álcool;
  • É muito importante esperar as mãos secarem, porque a água pode diluir a amostra de sangue e levar a um falso valor baixo. Por outro lado, ter contato com frutas ou certos cremes antes de medir pode falsear o resultado para um valor mais alto.

 

Anote sua glicemia em cada medição

 

É fundamental registrar os valores da sua glicemia. Não é necessário nada rebuscado. É suficiente anotar em um caderno o valor obtido, a hora, marcar se estava em jejum, prestes a comer ou se a medição foi feita depois de uma refeição (nesse caso, anote se passaram 1 ou 2 horas após a primeira garfada).

Nos casos abaixo, registre também outros dados:

  • Se sentir sintomas de hipoglicemia, anote;
  • Se obtiver uma glicemia baixa (menor que 70 mg/dL) e mesmo assim não sentir nada – situação chamada de hipoglicemia assintomática –, anote a ocorrência;
  • Sempre que houver um resultado que saia do seu padrão, relembre se você comeu em excesso, se esqueceu de tomar a medicação ou sua dose de insulina, se esteve doente (mesmo que seja apenas um resfriado) ou se fez uso de corticoides.

Baixe aqui uma planilha para imprimir e anotar sua glicemia

 

Atenção

 

Importante destacar que a glicemia capilar não é o exame indicado para diagnóstico, e sim para acompanhamento de quem tem diabetes já diagnosticado. Quem não tem diabetes e obtém uma medida de 100 mg/dL a 125 mg/dL em jejum precisa fazer mais exames, pois pode estar na categoria de pré-diabetes e apresentar risco aumentado para desenvolver a doença. Saiba mais sobre essa condição no vídeo abaixo.

 

Vídeo: Especialista comenta 3 perguntas frequentes sobre pré-diabetes

Sobre o autor: Luiz Fujita Jr

Luiz Fujita Jr é jornalista, editor do Portal Drauzio Varella e criador do podcast Entrementes, sobre saúde mental. @luizfujitajr

Leia mais