Doenças e sintomas

Hipoglicemia

Mãos de homem furando o dedo com aparelho usado para identificar possível caso de hipoglicemia.

Hipoglicemia é um distúrbio provocado pela baixa concentração de glicose no sangue e que pode afetar pessoas portadoras ou não de diabetes.

 

A insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que promove a entrada da glicose nas células. Quando há muita insulina no sangue, muita glicose entra nas células e pouca permanece na corrente sanguínea, o que caracteriza a hipoglicemia. O problema também pode ocorrer também quando diminui a quantidade dos hormônios de contrarregulação (glucagon, hormônio do crescimento, adrenalina e cortisol). Esses hormônios ajudam a liberar o glicogênio armazenado no fígado, necessário quando se esgota o estoque disponível de glicose no sangue.

Veja também: Dr. Drauzio explica como funciona a insulina

 

Tipos e causas de hipoglicemia

 

Geralmente, define-se a hipoglicemia quando a quantidade de açúcar no sangue vai para baixo de 70mg/dL. Existem dois tipos principais de hipoglicemia: a hipoglicemia de jejum e a pós-prandial (ou reativa), que ocorre depois das refeições.

Entre as causas da hipoglicemia de jejum destacam-se:

  • Produção excessiva de insulina pelo pâncreas;
  • Uso incorreto de medicamentos utilizados no tratamento de diabetes (por exemplo, ao tomar doses maiores que as indicadas);
  • Insuficiência hepática, cardíaca ou renal;
  • Tumores pancreáticos;
  • Consumo de álcool;
  • Excesso de atividade física sem compensação na alimentação;
  • Deficiência dos hormônios que ajudam a liberar glicogênio.

A hipoglicemia pós-prandial ou reativa ocorre por volta de 3 a 5 horas depois das refeições, como resultado do desequilíbrio entre os níveis de glicose e de insulina no sangue. Em geral, ela se manifesta em pessoas predispostas depois da ingestão de alimentos ricos em açúcar, nos pacientes submetidos à cirurgia do estômago e naqueles em fase inicial da resistência à insulina.

 

Sintomas

 

Sinais da hipoglicemia por conta de hormônios de contrarregulação:

  • Tremores;
  • Tonturas;
  • Palidez;
  • Suor frio;
  • Nervosismo;
  • Palpitações;
  • Taquicardia;
  • Dor de cabeça;
  • Pesadelos (hipoglicemia pode ocorrer também durante o sono);
  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Sonolência;
  • Fome.

Sinais de hipoglicemia devido à redução da quantidade de glicose no cérebro:

  • Confusão mental;
  • Alterações do nível de consciência;
  • Perturbações visuais e de comportamento que podem ser confundidas com embriaguez, cansaço, fraqueza, sensação de desmaio e convulsões.

Identificar os sintomas é muito importante, pois o próprio paciente, conhecendo a si mesmo, pode agir rapidamente para evitar a progressão do quadro. Veja abaixo como proceder.

 

Tratamento

 

Uma vez instalada a crise hipoglicêmica, o paciente deve consumir de 15 g a 20 g de carboidratos simples. Essa medida equivale, por exemplo, a:

  • Uma colher de sopa de mel (exceto em casos de crianças menores de 1 ano);
  • Um copo de 200 mL de suco de laranja ou de refrigerante não dietético;
  • Uma colher de sopa de açúcar dissolvido em meio copo de água.

O efeito será mais rápido se esses alimentos forem ingeridos junto com carboidratos de longa duração, como pães, pipocas, biscoitos etc.

No caso de quem tem diabetes, é recomendado medir a glicemia 15 minutos após a ingestão e, se ela continuar baixa, consumir mais uma porção de algum desses alimentos. Quando a glicemia se restabelecer, faça um lanche saudável (como uma porção de amêndoas e castanhas ou uma tapioca com queijo magro) se sua próxima refeição principal estiver muito distante (dali 1 ou 2 horas).

Se o nível de consciência estiver comprometido, o paciente deve ser encaminhado para atendimento médico a fim de receber a medicação adequada. Quando existe alto risco de crises de hipoglicemia, o médico pode prescrever kits de glucagon injetável, que pode ser aplicado por acompanhantes do paciente em caso de emergência. Não se esqueça de reportar a ocorrência na próxima consulta.

A partir do restabelecimento, a abstinência de álcool em jejum e um novo esquema medicamentoso são importantes para encaminhar um tratamento mais eficaz.

É importante lembrar que nem sempre a hipoglicemia tem relação com o manejo do diabetes, como é o caso de tumores, por exemplo.

 

Recomendações

 

  • Refeições menores e mais próximas umas das outras ajudam a prevenir a queda da glicose no sangue;
  • Antes de dormir, uma refeição leve à base de carboidratos e proteínas ajuda a prevenir crises noturnas de hipoglicemia;
  • A prática de exercícios físicos pode exigir o consumo de carboidratos extras para evitar a queda brusca dos níveis de glicose no sangue.

Sobre o autor: Maria Helena Varella Bruna

Maria Helena Varella Bruna é redatora e revisora, trabalha desde o início do Site Drauzio Varella, ainda nos anos 1990. Escreve sobre doenças e sintomas, além de atualizar os conteúdos do Portal conforme as constantes novidades do universo de ciência e saúde.