Coronavírus

Existem cuidados especiais com as crianças para evitar o coronavírus?



A covid-19 é mais grave em pessoas mais velhas, mas também pode infectar crianças. Veja quais os cuidados para evitar que elas sejam contaminadas.

 

O novo coronavírus (SARS-CoV-2, que provoca a doença batizada de covid-19) tem sido mais grave em pessoas idosas, principalmente após os 80 anos, além de pessoas com doenças crônicas ou condições que afetem o sistema imunológico. As crianças não fazem parte do grupo de risco da covid-19 e têm sido o grupo menos afetado pela doença até agora.

Veja também: Coronavírus: Quando ir ao pronto-socorro?

Os sintomas do coronavírus nas crianças são os mesmos que acometem adultos, mas nelas a doença tem se manifestado de forma mais leve. Crianças infectadas costumam apresentar sintomas semelhantes aos de um resfriado, como tosse, febre e coriza. Em alguns casos, também pode ocorrer diarreia e vômito.

Como o vírus é novo, ainda não se sabe se crianças com condições de saúde especiais podem estar em maior risco. Também não se sabe muito sobre o risco para recém-nascidos, mas em geral eles já têm uma saúde mais frágil, o que requer atenção especial mesmo em épocas sem epidemia.

 

Que cuidados tomar?

 

As orientações para evitar que crianças se contaminem são as mesmas dedicadas aos adultos. Porém, é difícil evitar que elas coloquem a mão na boca, nariz ou olhos, ou mesmo garantir que cubram a boca com o braço ao tossir ou espirrar. Dessa forma, neste momento vale restringir bastante o contato social, além de manter práticas de higiene que ajudam a evitar a propagação do vírus e incentivar que elas cultivem esses hábitos.

Veja aqui as principais recomendações:

  • Lavar bem as mãos com frequência, usando água e sabão (veja aqui como lavar as mãos corretamente);
  • Evitar contato com pessoas doentes;
  • Evitar locais como parques, shoppings ou cinemas, onde há muita gente;
  • Limpar as superfícies e objetos de uso comum da casa (como maçanetas, mesas, controle remoto e interruptores);
  • Limpar e lavar brinquedos, incluindo bichinhos de pelúcia, conforme orientação do fabricante;
  • Crianças maiores de dois anos também devem fazer uso de máscara de proteção ao saírem de casa (as máscaras devem ter o tamanho adequado para o rosto delas). Para menores de dois anos, o uso não é recomendado porque existe o risco de asfixia.

A doença pode ser leve nas crianças, mas elas podem transmitir o vírus para quem faz parte do grupo de risco. Daí a importância de tomar medidas para conter a disseminação do vírus.

Sobre o autor: Maiara Ribeiro

Maiara Ribeiro é repórter do Portal Drauzio Varella desde 2018. Tem interesse em assuntos relacionados à saúde da criança, da mulher e do idoso.

Leia mais