Viagens para lugares frios requerem cuidados do viajante, para evitar problemas como a vasoconstrição excessiva dos capilares, ou até mesmo lesões provocadas pelas baixas temperaturas.

 

Pessoas que viajam para lugares frios, principalmente quem está acostumado ao calor, como a maioria dos brasileiros, podem sofrer bastante com as baixas temperaturas. Há lugares em que há associação entre o frio e as altitudes elevadas (como as estações de esqui) ou frio e baixa umidade relativa do ar (as noites no deserto). É sempre importante informar-se sobre qual a variação de temperatura durante o dia, qual a umidade no local e quais as roupas mais recomendadas para o ambiente que vamos visitar.

Discutiremos alguns problemas que podem acontecer nessas situações.

 

Frostbite

 

As baixas temperaturas provocam um fenômeno chamado vasoconstrição dos capilares, pequenos vasos sanguíneos que existem sob a pele e chegam aos tecidos mais profundos. Eles têm uma delgada camada muscular capaz de contrair e relaxar de acordo com a necessidade metabólica ou diante de estímulos externos e internos.

No caso da exposição ao frio, a vasoconstrição ocorre para evitar a perda excessiva de calor e manter a temperatura corporal estável. Entretanto, a falta de proteção adequada às baixas temperaturas pode fazer com que o fenômeno seja tão intenso a ponto de impedir a circulação normal do sangue em determinadas regiões do corpo (perfusão tecidual insuficiente).

Em situações extremas, os capilares chegam a congelar – microcristais de gelo podem formar-se em seu interior. Esse evento recebe o nome em inglês de frostbite. As expressões em português que melhor o descrevem são “lesão pelo frio” ou “ulcerações pelo frio”, mas normalmente é usado o próprio termo em inglês.

 

Sinais e sintomas de frostbite

 

Essas lesões costumam acontecer com maior frequência em extremidades: nariz, orelhas e dedos dos pés e das mãos. O primeiro sintoma de proteção inadequada ao ambiente é a sensação de pele fria, familiar a muitas pessoas que já saíram vestidas inadequadamente em um dia de inverno.

Depois, surge formigamento ou queimação. Se você sentir que uma parte do seu corpo está formigando ou queimando, é importante aquecê-la rapidamente. Geralmente, nessas situações, a pele ainda está rosada, ou seja, ainda há irrigação sanguínea adequada. Ainda nesses estágios podem surgir também bolhas, claras ou hemorrágicas.

Se depois do formigamento o incômodo passar, não é sinal de que o problema esteja resolvido. Quando a lesão pelo frio progride, a região afetada fica dormente, anestesiada e pálida ou esbranquiçada. Esse é um sinal de alerta: Procure imediatamente um local para se aquecer e, se possível, procure um serviço de saúde.

As lesões pelo frio que não são tratadas podem virar úlceras na pele e, em casos extremos, podem levar à gangrena da parte afetada.

Pessoas portadoras de diabetes, doença vascular periférica e condições que afetam a circulação, como a síndrome de Raynaud, por exemplo, têm maior incidência de complicações.

 

Prevenção do frostbite

 

A melhor maneira de evitar as lesões pelo frio é a prevenção. Por isso, é importante saber reconhecer o problema rapidamente, pelos seus sinais e sintomas.

Se você não está acostumado a visitar ambientes muito frios, procure informações com quem está habituado com eles ou já esteve nesses lugares.

Seguem algumas medidas que podem ser úteis nessas ocasiões:

  • Lembre-se de programar o tempo de exposição (evitar sair para caminhadas sem controle do tempo e da hora em que você deverá estar de volta) e certifique-se da rota a ser seguida;
  • Leve líquidos quentes para tomar no caminho e mantenha-se bem alimentado. No frio, o metabolismo pode ficar mais acelerado para manter a temperatura corporal, o que é essencial para preservar a viabilidade de todos os tecidos;
  • Use roupas adequadas. No Brasil a maioria não está acostumado a ter muitas vestes para o frio, mas existem lojas que oferecem opções de casacos, calças, segundas peles, luvas e gorros, além de óculos de proteção para vento e claridade da neve, que ajudam a evitar o congelamento da córnea e a fotoceratite.

 

Primeiros socorros em caso de frostbite

 

Se a lesão ocorrer, enquanto não encontra um médico ou hospital você pode fazer o seguinte:

  • Procure um abrigo aquecido;
  • Remova anéis, relógios, pulseiras ou qualquer objeto que possa reduzir o fluxo de sangue para a parte afetada;
  • Se houver água aquecida (o ideal é que esteja na temperatura de 40°C), deixe a parte acometida por 20 a 40 minutos em imersão, ou aplique-a com um tecido umedecido ;
  • Se não houver água aquecida, coloque a parte afetada sob as axilas ou virilhas de alguém que esteja junto com você – isso pode ajudar a reduzir a lesão final;
  • Se tiver ácido acetilsalicílico, tome 100 mg para reduzir o risco de microtrombos que podem ocorrer nos capilares. Alguns estudos sugerem também o uso de anti-inflamatórios;
  • Tire fotos da lesão desde o começo do tratamento. Isso pode ajudar os médicos a entender depois o ponto de origem do problema e como ele evoluiu.

O que você NÃO deve fazer:

  • Embora seja intuitivo, não esfregue a região afetada;
  • Não use fonte de calor direto sobre a pele (isqueiro, fogareiro, aquecedor elétrico etc);
  • Não deixe que a região lesada seja congelada novamente (o prognóstico é muito pior após o segundo evento no mesmo local);
  • Evite, se possível, caminhar se a parte acometida forem os dedos do pé.

O tratamento das lesões mais graves é realizado nos hospitais. Informe-se sobre os serviços de saúde mais próximos antes de partir.

 

Hipotermia

 

Outro problema grave associado à exposição ao frio é a hipotermia, ou seja, a redução da temperatura do corpo ao ponto em que o funcionamento normal do organismo fica prejudicado. Ela ocorre quando a perda de calor é maior que o que o organismo é capaz de produzir. Considera-se que a hipotermia está instalada quando a temperatura corporal é menor que 35°C.

Inicialmente, o organismo começa a gastar muito mais energia que o habitual para tentar manter a temperatura estável, como forma de compensar sua perda para o ambiente.

O primeiro sintoma é uma sensação de frio que nos faz procurar, instintivamente, por mais roupas e por ambientes mais quentes.

A seguir, para aumentar a temperatura, começamos a tremer. O tremor aumenta a produção de calor, mas não é capaz de evitar a hipotermia, somente a retarda. As consequências dessa resposta são o aumento da frequência cardíaca e respiratória e a elevação do consumo de oxigênio. À medida que a temperatura corporal cai, podem ocorrer arritmia cardíaca, piora de função renal e alterações de coagulação.

Pessoas idosas, bebês, pacientes com doenças endócrinas e aqueles com dificuldade para se movimentar estão mais propensos a desenvolver o quadro.

Sinais e sintomas de hipotermia

 

Os principais sinais e sintomas no início desse processo são:

  • Sensação de frio;
  • Alteração de comportamento ou confusão mental;
  • Cansaço extremo.

Quando a pessoa para de apresentar tremores, é sinal de que a hipotermia está em estado grave.

 

Primeiros socorros em caso de hipotermia

 

As pessoas que apresentam hipotermia leve, ou seja, somente a sensação de frio e os tremores, respondem melhor ao tratamento mais simples: abrigo aquecido e alimentação aquecida.

É muito importante não oferecer bebidas alcoólicas para os pacientes com hipotermia. Apesar de o álcool promover algum grau de vasodilatação periférica e sensação de calor, nessa situação é provável que ele na verdade aumente a perda de calor e agrave o problema.

Aqueles que apresentam alterações como confusão mental, perda de coordenação motora ou que param de tremer devem ser imediatamente levados ao hospital.