Site icon Drauzio Varella

Câncer de estômago

Ilustração digital de estômago com manchas pretas representando câncer de estômago.

O câncer de estômago acomete com mais frequência homens entre 50 e 70 anos. A incidência, no entanto, vem caindo, em parte devido às melhores condições de preparo e estocagem de alimentos.

 

O câncer de estômago, ou câncer gástrico, acomete duas vezes mais os homens do que as mulheres. Sua incidência é mais alta entre os 50 e 70 anos e rara antes dos 40 anos. Em geral, neste último caso, a doença está associada a fatores genéticos predisponentes.

Chile, Colômbia, Costa Rica e Japão concentram o maior número de tumores malignos no estômago. Dados apontam que, felizmente, a incidência vem caindo, fato atribuído em parte às melhores condições atuais de preparo e estocagem dos alimentos.

Veja também: Leia uma entrevista sobre câncer de estômago

Os tumores de estômago podem ser de três tipos diferentes. O mais comum é o adenocarcinoma (95% dos casos), seguido dos linfomas (3%) e do leiomiossarcoma.

 

Fatores de risco do câncer de estômago

 

São considerados fatores de risco para o câncer gástrico:

 

Sintomas do câncer de estômago

 

Nas fases iniciais, a doença pode ser assintomática ou apresentar sintomas semelhantes aos da gastrite ou de outros distúrbios estomacais, o que pode retardar o diagnóstico. Quando esses sinais aparecem, os sintomas mais frequentes são:

A presença de massa palpável na parte superior do abdômen, nódulos no pescoço e umbilicais e sangramento são sinais de doença avançada.

 

Diagnóstico de câncer de estômago

 

O diagnóstico de câncer de estômago leva em conta os sintomas e os possíveis fatores de risco. Alguns exames, como hemograma, sangue oculto nas fezes, ressonância magnética, a tomografia computadorizada e a ultrassonografia endoscópica também podem ser úteis.

No entanto, a endoscopia digestiva alta é o exame que faz diferença para o diagnóstico precoce da doença, haja vista que permite não só observar as lesões, como colher material e realizar a biópsia imediatamente.

Desde que diagnosticado precocemente, o câncer de estômago tem bom prognóstico e muitos são os casos de cura.

 

Tratamento do câncer de estômago

 

Feito o diagnóstico, é preciso determinar o tamanho e a localização do tumor, ou seja, se está ou não circunscrito no estômago e se há focos da doença em órgãos, como linfonodos, fígado, peritônio, pulmões e ossos.

O tratamento é sempre cirúrgico. Dependendo do estágio da doença, pode ser necessário retirar parte do estômago ou o órgão inteiro (gastrectomia radical) e remover um número maior ou menor de linfonodos. Aplicações de quimioterapia e radioterapia podem representar estratégias terapêuticas importantes no tratamento.

 

Recomendações

 

 

Perguntas frequentes sobre câncer de estômago

 

O câncer de estômago pode voltar?

Muitos fatores influenciam o risco de um tumor de estômago voltar. Entre os principais estão o tipo de câncer (quanto mais diferentes as células malignas forem das células saudáveis, maior o risco), se o tumor invadiu vasos sanguíneos ou linfonodos e o quanto o câncer atingiu camadas mais profundas da mucosa gástrica.

 

Que alimentos contribuem para aumentar o risco de câncer de estômago?

O principal alimento envolvido no risco desse tipo de câncer são as carnes vermelhas, principalmente as que passam por processos de conservação, como embutidos (como bacon, linguiça e salsicha), defumados e técnicas que preservam com uso de sal (como charque e carne de sol).

Sair da versão mobile