Ambulatório

Sua dor de cabeça pode ser enxaqueca?

Mulher negra com dor de cabeça

Toda dor de cabeça pode ser considerada enxaqueca? Não, há alguns critérios para classificar a dor de cabeça. Saiba se sua dor de cabeça é enxaqueca.

 

Muita gente usa o termo enxaqueca para se referir a uma dor de cabeça (cefaleia) mais forte que o normal. O que pouca gente sabe é que há critérios específicos para classificar uma dor de cabeça como enxaqueca. 

Além da enxaqueca, dependendo das características da dor você pode ter cefaleia do tipo tensional, cefaleia em salvas, cefaleia crônica diária e tantas outras entre os 150 tipos de dor de cabeça. Existem diferenças entre cada uma delas que determinam o tratamento, que pode variar; daí a importância de um diagnóstico correto.

 

Veja também: Por Que Dói? #01 | Enxaqueca

 

Conheça as características das cefaleias mais frequentes:

 

  1. Enxaqueca: Acomete mais as mulheres. Caracteriza-se por causar uma dor pulsátil, geralmente unilateral (um lado da cabeça), de intensidade moderada a forte (nem sempre incapacitante), que pode ser acompanhada de náuseas e vômitos e intolerância à luz ou ao som. As crises podem durar de 4 a 72 horas e não costumam melhorar com analgésicos comuns. Se não houver tratamento adequado, que geralmente exige medicamentos bastante específicos, a dor pode se tornar crônica.
  2. Enxaqueca com aura: A aura ocorre quando o indivíduo enxerga pontos pretos (escotomas), pontos brilhantes (cintilações) e imagens em ziguezague (espectros de fortificação) que surgem em uma parte do campo visual e pouco a pouco vão se  espalhando. São manifestações neurológicas que surgem de maneira gradual e podem durar de 5 a 60 minutos. Também podem ocorrer pequenas alterações na fala e alterações sensitivas, como formigamento e dormência que afetam um dos lados do corpo. A aura costuma ser um prenúncio da dor de cabeça, que pode se estender por horas ou dias. 
  3. Cefaleia do tipo tensional: É o tipo mais frequente no mundo, caracterizado por dor nas duas laterais, na parte da frente ou de trás da cabeça. A dor tem intensidade moderada, não piora com o esforço e pode durar de 30 minutos a até 7 dias. O paciente sente a cabeça pesada e tem a sensação de pressão nas têmporas, como se houvesse um parafuso apertando. Esse tipo de dor também pode irradiar para o pescoço e ser confundida com torcicolo. Normalmente, é necessário tomar analgésicos associados a relaxantes musculares e anti-inflamatórios. 
  4. Cefaleia em salvas: Mais comum nos homens. A dor é intensa, incapacitante, unilateral, e dura de 15 minutos a 3 horas. Geralmente, as crises ocorrem no mesmo horário (na maioria das vezes, de madrugada), por vários dias seguidos. A dor pode vir acompanhada de lacrimejamento, corrimento nasal, inchaço nas pálpebras e suor na face. Apesar de a dor surgir por dias seguidos, os períodos de crise costumam ser separados por longos intervalos de remissão, que podem se estender até por anos. Assim como ocorre nas enxaquecas, algumas pessoas identificam gatilhos que facilitam as crises, como o consumo de álcool. 
  5. Cefaleia crônica diária: Apesar de incluir o termo “diária”, é um quadro caracterizado por dores de cabeça que se repetem mais de 15 vezes em um único mês. É uma evolução de outras formas de dor de cabeça, que surgem e aumentam de frequência gradativamente devido ao uso exagerado de analgésicos, até se tornar um problema crônico.

ATENÇÃO: Independentemente do tipo, não é comum ter episódios frequentes de dor de cabeça. Se você percebeu que está tomando muitos analgésicos (mais de três comprimidos por semana), é importante procurar um neurologista, de preferência especializado em cefaleias (cefaliatras). Atualmente, há medicamentos específicos tanto para tratar a dor como para prevenir as crises. É possível viver sem dor.

Sobre o autor: Juliana Conte

Juliana Conte é jornalista, repórter do Portal Drauzio Varella desde 2012. Interessa-se por questões relacionadas a manejo de dores, atividade física e alimentação saudável.

Leia mais