Pediatria

AVC também atinge crianças, principalmente as recém-nascidas

AVC também atinge crianças, principalmente as recém-nascidas

Diferente dos adultos, que em geral são acometidos pelo AVC por volta dos 60 anos, crianças costumam sofrer o AVC em torno dos 10 meses de idade e, quando sobrevivem, podem ficar com sequelas para o resto da vida. 

 

O AVC (acidente vascular cerebral), popularmente conhecido como derrame, ocorre com frequência e pode trazer sequelas incapacitantes, como alterações motoras, visuais, da fala e fraqueza muscular. Entretanto, o que pouca gente sabe é que o derrame também pode acometer crianças, principalmente as recém-nascidas.

O AVC infantil é mais comum na faixa etária inferior a três anos de idade. Até alguns anos atrás, esse tipo de ocorrência era classificado apenas como paralisia cerebral. Porém, enquanto a paralisia ocorre por falta de oxigenação cerebral, o AVC ocorre quando há “entupimento” ou obstrução de um vaso que leva sangue e oxigênio para o cérebro. A dificuldade é que criança recém-nascida não fala, então a mãe só costuma notar alguma alteração depois de dois, três dias do ocorrido.

 

Veja também: Relato de um caso real de AVC infantil 

 

“Se a criança, por exemplo, já está engatinhando seu movimento passa a apresentar falhas, fica torto, por ela ter dificuldade de mexer um dos braços, por exemplo. Se ela tiver tontura ou dor de cabeça, ninguém vai saber. Nesses casos, ela pode chorar muito e ir em direção à mãe, ou colocar a mão na região da cabeça e da orelha. As que estão começando a falar perdem a capacidade de silabação e emitem grunhidos”, explica a neurologista dra. Maria Valeriana Leme de Moura Ribeiro, professora de neurologia infantil da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Há casos também em que o bebê fica abatido, sonolento, sem mexer os braços e as pernas. Desmaios também podem ocorrer. A dica para os pais, nesses casos, é não aguardar e levar o bebê imediatamente para o pronto-socorro.

A dra. Maria Valeriana é responsável pelo centro de estudos de AVC infantil na Unicamp, que atende quase 200 crianças de diversas partes do país e conta com uma equipe multidisciplinar. Segundo a especialista, a incidência de AVC nos adultos é de 250 casos para cada 100 mil habitantes. Nas crianças, o número é bem menor, de 15 casos para 100 mil habitantes.

Os casos podem ser pouco frequentes na infância, mas, de acordo com Ribeiro, são muito sérios. Diferente dos adultos, que em geral são acometidos pelo AVC por volta dos 60 anos, a criança costuma sofrer o acidente vascular cerebral em torno dos 10 meses de idade e, quando sobrevive, pode ficar com sequelas para o resto da vida. “Ela vai precisar de um suporte amplo, o que onera muito a família tanto em termos econômicos e emocionais”, esclarece.

Em São Paulo, de acordo com os últimos dados da Secretaria de Estado da Saúde divulgados em 2009, foram contabilizados 177 derrames em crianças com menos de 14 anos. Em 2008, foram 266 registros. A etiologia, ou seja, a origem do problema, só é identificada em 25% das crianças que sofrem AVC. Portanto, a prevenção não é simples. Ainda assim, Ribeiro diz que há alguns fatores de risco que podem predispor ao AVC, como doenças cardiovasculares, infecciosas e hematológicas. Aos pais, vale a orientação de ficar atentos aos sinais para procurar ajuda o quanto antes.

Sobre o autor: Juliana Conte

Juliana Conte é jornalista, repórter do Portal Drauzio Varella desde 2012. Interessa-se por questões relacionadas a manejo de dores, atividade física e alimentação saudável.

Leia mais