Até 2016, tratamento da fibrose pulmonar idiopática era somente paliativo.

 

Atualmente, é possível retardar o avanço da FPI pela metade e reduzir o risco de crises de piora súbita.