Proctologia

Quantos dias posso ficar sem ir ao banheiro?

moça com as pernas fechadas segurando rolo de papel higiênico. Ficar dias sem ir ao banheiro requer mudanças na alimentação

Quem passa muitos dias sem ir ao banheiro deve ficar de olho na sua ingestão diária de água e de fibras.

 

Recentemente, as redes sociais ficaram em polvorosa porque a ex-bbb Viih Tube afirmou que estava há mais de um mês sem ir ao banheiro. Mas, afinal, isso é possível?

Possível é, mas não é nada saudável, claro. Há três anos, na Inglaterra, um jovem que foi preso por uso de drogas ficou 47 dias sem defecar em uma suposta tentativa de destruir evidências, segundo a BBC de Londres. 

Veja também: Sangue nas fezes e sangramento anal

A prisão de ventre é diagnosticada quando o indivíduo vai ao banheiro menos de três vezes por semana e é necessário um esforço muito grande para conseguir evacuar. É possível notar, também, que o estômago fica levemente distendido e o abdômen, endurecido. Normalmente, as mulheres são mais constipadas que os homens, por conta dos hormônios que produzem, numa proporção que vai de 1000 para 1. 

Segundo o especialista em coloproctologia pelo Hospital Sírio Libanês dr. Rodrigo Barbosa, não existe uma regularidade certa para evacuar, mas o ideal é que você consiga defecar no máximo de três em três dias. “Tem gente que consegue fazer diariamente, mas isso não é uma regra. Tem gente que vai três vezes por dia. Até aí tudo bem, mais que isso também é preciso investigar. De qualquer maneira, você sabe que seu intestino está funcionando bem quando o cocô não machuca, não sai ressecado e você não precisa fazer força.”

Para ter um intestino funcionando como um relógio não há mistério, beba bastante água e aumente a ingestão de fibras, além de gorduras saudáveis. A água auxilia na lubrificação das paredes intestinais e na movimentação do bolo fecal, garantindo uma passagem livre e rápida das fezes até a evacuação.  Já as fibras têm a capacidade de aumentar o peso do bolo fecal ao absorver a água. Se há aumento do volume fecal, reduz-se o tempo de trânsito intestinal, regulando a frequência das evacuações.

 

Cuidado com o uso de laxantes

 

“Quando usados com frequência, eles fazem com que o intestino grosso fique dependente dos laxantes para realizar os movimentos peristálticos. Você ‘vicia’ o intestino a ter sempre um empurrãozinho, quando o certo é você adequar dieta e estilo de vida”, conclui o dr. Barbosa. 

Além disso, com o tempo, esses medicamentos podem danificar as células nervosas da parede do intestino, interferindo na sua capacidade de contração.

Sobre o autor: Juliana Conte

Juliana Conte é jornalista, repórter do Portal Drauzio Varella desde 2012. Interessa-se por questões relacionadas a manejo de dores, atividade física e alimentação saudável.