Mulher

Esqueci de tomar a pílula. E agora?

Mulher segurando cartela de anticoncepcionais, com close na cartela.

Seis em cada dez brasileiras não tomam a pílula no mesmo horário todos os dias. E ainda mais grave: quase 40% delas não consideram necessário esse cuidado.

 

Se você é mulher, é bem provável que já tenha se esquecido de tomar a pílula anticoncepcional no dia correto ou no horário habitual. Pois saiba que você não está sozinha.

Segundo a pesquisa global “Millennials e Contracepção — Por que nos esquecemos?”, realizada pela Bayer em 9 países com 4,5 mil mulheres, e que no Brasil contou com apoio do Departamento de Ginecologia da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), as brasileiras são as que mais esquecem de tomar a pílula. Enquanto a média mundial ficou em 39%, aqui 58% das entrevistadas afirmaram ter esquecido de tomar o anticoncepcional  pelo menos uma vez no último mês. Entre os motivos apontados estão estresse e ter guardado o medicamento em local pouco visível.

 

Veja também: Conheça os principais métodos contraceptivos, seus riscos e benefícios 

 

Outro dado importante é que 6 em cada 10 brasileiras não tomam a pílula no mesmo horário todos os dias. E ainda mais grave: quase 40% delas não consideram esse cuidado necessário.

A ginecologista Marta Finotti, doutora em Medicina Reprodutiva e Ginecologia Endócrina pela Universidade Federal de Goiás (UFG), complementa os dados da pesquisa dizendo que  a falta de informação — principalmente das pacientes jovens — ainda é um grande problema. “Muitas garotas chegam ao consultório pensando que não é necessário tomar a pílula todos os dias, mas somente quando têm relação sexual. Isso ocorre porque em geral quem indica a pílula é uma amiga, não um médico. Então, a menina toma o anticoncepcional escondido da mãe, com medo de represália, e não tem ninguém para orientá-la.”

 

O que fazer se esquecer de tomar a pílula

 

As pílulas que contêm somente progesterona devem ser tomadas rigorosamente no mesmo horário. Já as pílulas combinadas de estrogênio e progesterona oferecem uma flexibilidade maior: se esquecer, você pode tomar até 3 a 4 horas depois do horário estabelecido.

Algumas pílulas trazem a informação de 12 horas de tolerância em caso de atraso. Contudo, a demora não deve se tornar um hábito, pois a eficácia do método é comprometida gradativamente conforme passam as horas, mesmo que você se mantenha no limite do atraso. “Os hormônios possuem meia-vida e duram um certo período no organismo, então, mudanças de horário podem comprometer a eficácia”, reforça a ginecologista. Lembre-se: 12 horas é considerado o período máximo de atraso. A recomendação dos ginecologistas é não extrapolar as 2 horas para não cultivar um hábito de esquecimento.

Caso você esqueça por mais tempo, será necessário iniciar todo o ciclo novamente, como se fosse a primeira pílula da cartela, pois nesse caso não é possível estimar com precisão o risco de gravidez. Conforme explica a médica, esse risco vai depender da fase do ciclo em que você estiver. “Se a mulher esquecer no início do ciclo, o risco de uma gravidez não planejada será incrivelmente maior, porque o eixo hipotálamohipófiseovariano não terá sido bloqueado. Agora se ela já tiver tomado a pílula durante sete a dez dias e esquecer na segunda fase do ciclo, o risco será um pouco menor, porque o eixo já estará bloqueado. Então, depende da fase do ciclo.”

Aqui vai um alerta: se você se esquecer de tomar a pílula anticoncepcional com muita frequência, considere conversar com seu ginecologista para utilizar métodos de contracepção de longa duração, como implantes, DIU de cobre e sistema intrauterino (SIU, também conhecido como DIU medicado ou DIU hormonal). Saiba mais clicando aqui.

 

Dicas para se proteger

 

  • Sempre tome o medicamento no mesmo horário ou bem próximo do horário estabelecido. Coloque o celular para despertar, deixe a cartela sempre à mão e fixe um horário que seja fácil memorizar (por exemplo, relacionados a momentos do cotidiano, como depois do almoço ou após o jantar);
  • Prevenção dupla (anticoncepcional + camisinha) sempre é a melhor opção, pois além de aumentar a eficácia do método e diminuir o risco de uma gravidez não programada, também evita as IST (infecções sexualmente transmissíveis), como sífilis e aids;
  • Se você teve uma relação sem usar pílula nem preservativos, tenha em mente que é preciso utilizar a pílula do dia seguinte o quanto antes, se quiser evitar uma gravidez. Depois de tomar o contraceptivo de emergência, espere menstruar e comece uma nova cartela de pílula anticoncepcional convencional. Importante: a pílula do dia seguinte deve ser usada somente em emergências, nunca use continuamente, como uma pílula tradicional.

 

Vídeo: Dr. Drauzio responde dúvidas frequentes sobre a pílula anticoncepcional

Sobre o autor: Juliana Conte

Juliana Conte é jornalista, repórter do Portal Drauzio Varella desde 2012. Interessa-se por questões relacionadas a manejo de dores, atividade física e alimentação saudável.

Leia mais