Todos os médicos concordam que a obesidade aumenta o risco de diversas enfermidades. Entre elas, hipertensão arterial, diabetes, problemas ortopédicos, apneia do sono, vários tipos de câncer e complicações cardiovasculares, como o infarto do miocárdio e os acidentes vasculares cerebrais.

A discussão atual, no entanto, vai além: a própria obesidade deve ser considerada uma doença?

O debate desperta opiniões apaixonadas no país que enfrenta uma epidemia de obesos que atinge 40% dos adultos e quase 20% das crianças: os Estados Unidos.

Vale a pena discutir esses argumentos, porque o Brasil segue na esteira da epidemia americana: 52% de nossos adultos estão acima do peso.

Veja também: Histórico da obesidade

Em 2013, depois de muita discussão, a American Medical Association, a organização médica mais influente, decidiu declarar a obesidade uma doença.

Os argumentos a favor da resolução foram os seguintes:

  • Reconhecer a obesidade como doença ajudará a comunidade médica a lidar com esse tema complexo que afeta pelo menos um em cada três americanos;
  • A resolução pressionará as operadoras de saúde a criar mecanismos para compensar as consultas médicas, pelo tempo gasto em alertar os pacientes sobre os riscos de permanecer com índices de massa corpórea acima de 30 (IMC = peso/altura x altura) e orientá-los a seguir programas de perda de peso;
  • Facilitar o acesso à cirurgia bariátrica e às terapêuticas comportamentais intensivas para aqueles com IMC > 30 associado a outras condições de saúde (diabetes, hipertensão, problemas ortopédicos);
  • Inquéritos populacionais mostram que, nos Estados Unidos, mais de 50% dos obesos nunca foram alertados por um profissional de saúde da necessidade de perder peso. Muitos médicos relutam em abordar o tema com receio de ofendê-los;
  • Do ponto de vista médico, a American Medical Association considera a obesidade “uma condição crônica urgente”, motivo de “grande preocupação” e um “transtorno de alta complexidade”, enquanto a maioria dos médicos considera a obesidade como problema comportamental;
  • O tratamento de doenças relacionadas com a obesidade, como as cardiovasculares, diabetes e certos tipos de câncer, custam US$ 150 bilhões por ano ao sistema de saúde americano (mais de quatro vezes o que o governo federal brasileiro investe no custeio do SUS inteiro).

Os principais argumentos contrários são os seguintes:

  • Considerar a obesidade uma doença pode aumentar o estigma e o preconceito contra a obesidade;
  • Empregadores encontrarão justificativa para não contratar trabalhadores rotulados como portadores de uma condição patológica;
  • O foco da abordagem poderá ser deslocado da adoção de dietas saudáveis e de programas de atividade física, para tratamentos médicos dispendiosos como cirurgias bariátricas e medicamentos de eficácia duvidosa.

Essa discussão fatalmente chegará no Brasil. De um lado, é fundamental reconhecer que a obesidade não é simples questão de força de vontade; de outro, classificá-la como doença estigmatiza pessoas que já enfrentam o preconceito da sociedade.