A febre do Mayaro é causada por um arbovírus da família do vírus que transmite a febre chikungunya, por isso a semelhança dos sintomas nas duas doenças.

 

O vírus Mayaro (MAYV) é um arbovírus (nome que recebem os vírus transmitidos por artrópodes, ou seja, por mosquitos, aranhas ou carrapatos, por exemplo). Ele pertence ao gênero Alphavirus da família dos Togavirus (Togaviridae), a mesma do vírus que transmite a febre chikungunya. Isso pode explicar a semelhança dos sintomas nas duas doenças.

O Mayaro é um vírus originário das Américas. Foi isolado, pela primeira vez, em 1954, em  trabalhadores rurais que viviam em Trinidad e Tobago, ilhas na região do Caribe. No Brasil, a identificação ocorreu no ano seguinte, durante o surto de uma doença febril aguda que acometeu uma comunidade rural próxima a Belém do Pará. Atualmente, o vírus Mayaro é endêmico na Amazônia, especialmente nos estados das regiões Norte (Pará e Tocantins) e Centro-Oeste. Goiás concentra o maior número de casos confirmados da doença em pessoas que foram infectadas na zona rural ou da mata.

Embora os estudos sejam escassos, parece que a presença do vírus estava restrita às áreas cobertas pelas florestas tropicais úmidas da América do Sul. No entanto, ele foi isolado também em primatas não humanos (PNH) e em aves migratórias nos Estados Unidos. Posteriormente, pesquisadores da Universidade da Flórida (EUA) identificaram o vírus Mayaro no Haiti, num garoto com febre e dores abdominais, que apresentou resultados negativos para testes específicos para chikungunya e zika. Esse achado sugere que o Mayaro pode estar se espalhando pelo continente americano.

Pesquisadores do Instituto Osvaldo Cruz registraram evidências de sua presença no Pantanal do Mato Grosso do Sul, sinal de que ele pode ter passado por um processo de adaptação e vir a alcançar outras regiões do país, e em maio de 2019, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) detectou que alguns casos de chikungunya no Rio na verdade se tratavam de febre de Mayaro diagnosticado erroneamente. Ainda assim, o vírus é considerado silvestre, ou seja, não circula normalmente em ambiente urbano.

 

Transmissão da febre do Mayaro

 

A febre do Mayaro é uma doença silvestre transmitida por mosquitos, especialmente pelas picadas do Haemagogus janthinomys, que também transmite a febre amarela. De hábitos diurnos (o período de maior atividade é entre nove e dezesseis horas), ele habita a copa das árvores e a vegetação de áreas úmidas próximas aos rios.

Possivelmente os macacos sejam o principal reservatório do vírus Mayaro, que já foi encontrado em cavalos, répteis, roedores e aves, por exemplo. Acredita-se que os primatas não humanos funcionam como hospedeiros amplificadores do vírus, uma vez que apresentam grande carga viral na corrente sanguínea, o que funciona como reservatório do germe para o provimento dos mosquitos vetores.

Quando o mosquito pica um animal infectado, adquire o vírus que completa seu ciclo de evolução no organismo do inseto, e é transmitido na saliva do mosquito quando ataca animais ou seres humanos sadios.

 

Veja também: Entrevista com doenças tropicais

 

Ensaios em laboratório já demonstraram que os mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus podem ser vetores do Mayaro. O fato de viverem próximos do homem e de se adaptarem facilmente ao ambiente urbano representa risco maior de se tornarem vetores envolvidos na disseminação da infecção pelo Mayaro. Além disso, as pesquisas também indicam que outros gêneros de mosquitos (Culex, Sabethes, Psorophora) podem espalhar esse vírus entre os habitantes de cidades atualmente fora da área de risco. Até o momento, não foram registrados casos de transmissão urbana do vírus.

 

Sintomas da febre do Mayaro

 

Os sintomas aparecem poucos dias depois de a pessoa ter sido infectada. As queixas são:

  • Febre de início abrupto, mas de curta duração (dois ou três dias);
  • Calafrios;
  • Dor de cabeça (cefaleia);
  • Manchas vermelhas na pele (exantema);
  • Dores musculares (mialgia);
  • Linfonodos inguinais;
  • Fotofobia;
  • Náuseas;
  • Tontura.

As dores nas articulações (artralgia), associadas ou não a inchaço (edema), podem persistir por meses e tornarem-se incapacitantes. Encefalite (inflamação do cérebro) é uma complicação que pode ocorrer nos casos graves da doença.

A febre do Mayaro, no entanto, é uma doença autolimitada. Os sintomas tendem a desaparecer espontaneamente em menos de uma semana. Também não é uma enfermidade contagiosa. Só é transmitida pela picada de mosquitos infectados, isto é, não passa de uma pessoa para outra, nem diretamente, nem através de animais portadores do vírus. Uma vez infectada, a pessoa desenvolve imunidade ao vírus por toda a vida.

 

Diagnóstico da febre do Mayaro

 

Embora o Mayaro seja um vírus conhecido há bastante tempo, nem sempre a doença é diagnosticada e a notificação às entidades públicas de saúde deixa de ser realizada.

Os sintomas da doença são muito parecidos com os da dengue e da febre chikungunya, o que dificulta o diagnóstico baseado na análise do quadro clínico e/ou no levantamento do histórico do doente. É necessário recorrer a testes sorológicos específicos que conseguem detectar a presença do vírus no organismo.

 

Prevenção da febre do Mayaro

 

Não existem vacinas contra a infecção causada por um arbovírus e transmitida pelo mosquito Haemagogus janthinomys. A prevenção restringe-se a dois cuidados básicos:

  • evitar frequentar as áreas de maior risco nos períodos em que os vetores silvestres estão mais ativos, ou seja, nos meses da primavera e verão, que são os mais quentes e úmidos do ano;
  • diminuir ao máximo a exposição do corpo (uso de repelentes e de roupas compridas, por exemplo) às picadas do mosquito. Os repelentes indicados pela Organização Mundial de Saúde para manter os mosquitos longe são a Icaridina, o DEET e o IR 3535.

 

Veja também: Artigo sobre chikungunya

 

Tratamento da febre do Mayaro

 

O tratamento da febre do Mayaro é sintomático. O paciente deve permanecer em repouso, manter-se bem hidratado e ingerir alimentos saudáveis.

Medicamentos para alívio da dor (analgésicos), baixar a febre (antipiréticos), e os anti-inflamatórios são úteis para controle dos sintomas. Como acontece em outras doenças transmitidas por outros vírus, AAS e aspirina são drogas contraindicadas, porque podem desencadear complicações hemorrágicas.

 

Recomendações sobre a febre do Mayaro

 

Estudos recentes sugerem a possibilidade de o vírus Mayaro invadir as regiões urbanas. Para tanto, pesam alguns fatores, tais como a transmissão do vírus nas áreas de floresta degradada da Amazônia em virtude do desmatamento; o aparecimento de novos vetores nas áreas urbanas de que são exemplos os pernilongos e os mosquitos Aedes aegypti e albopictus, assim como o surgimento de hospedeiros amplificadores nas grandes cidades.

Num país das dimensões do Brasil, com chuvas e calor praticamente o ano inteiro, é muito difícil, quase impossível, erradicar completamente os mosquitos vetores. Portanto, é fundamental manter vigilância constante contra a proliferação dos mosquitos, o que não é fácil. Só para ter uma ideia, o Aedes aegypti já foi eliminado uma vez em São Paulo e outra no Rio de Janeiro. Foi eliminado, mas voltou e pode se transformar num vetos do vírus Mayaro. Para evitar que isso aconteça, é preciso redobrar os cuidados e  cada um de nós deve fazer a sua parte.

 

Perguntas frequentes sobre a febre do Mayaro

 

A doença pode matar?

Já foram registrados relatos de casos graves, em que a infecção causou complicações neurológicas, miocardite, hemorragia e até morte. Contudo, casos como esses são raros. Na grande maioria das vezes, a doença é leve e os sintomas somem espontaneamente.

 

De onde surgiu o nome ‘Mayaro’?

Nas ilhas de Trinidad e Tobago existe uma cidade chamada Mayaro, onde o vírus foi isolado pela primeira vez, na década de 50. Foi daí que surgiu o nome da doença.