Coluna

Cloroquina: uma ideia fixa | Coluna

mão de homem segurando comprimidos de cloroquina

Estudos revelam que a cloroquina e a hidroxocloroquina não são eficazes no tratamento da Covid-19 e podem causar problemas de saúde graves.

 

A infectologista do Hospital Emílio Ribas e membro da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) Rosana Richtmann começa a entrevista me corrigindo, quando lhe pergunto se é contra ou a favor do uso da cloroquina para tratar Covid-19. “Não dá para ser contra ou a favor de um medicamento. É preciso analisar sua indicação dentro de determinado cenário.”

A observação da médica faz todo o sentido. Diante de uma pandemia de extrema gravidade como a que estamos enfrentando, que já matou mais de 300 mil pessoas até o fim de maio de 2020, é preciso deixar claro: o que deve indicar ou não o uso de um medicamento é a ciência, e não opiniões pessoais, não importando de quem elas partam.

Veja também: A gravidade da pandemia de Covid-19 no Brasil

A ciência, no entanto, tem um tempo próprio, que poucas vezes na história foi tão antecipado como agora, graças ao empenho de pesquisadores e governos do mundo todo em descobrir como tratar e evitar a doença. Mesmo diante da rapidez que a tecnologia atual permite, não é possível pular as fases que o conhecimento científico exige.

A Covid-19, porém, não respeita o tempo da ciência. O Sars-CoV-2, vírus que provoca a doença, é altamente contagioso, tem uma taxa de mortalidade de cerca de 4%, segundo estudos, e pode causar sintomas graves, que exigem internação e intervenção intensiva prolongadas em muitos casos, em especial entre aqueles com mais de 65 anos.

Diante da urgência, quando a cloroquina, droga já conhecida, barata e usada para tratar malária e determinadas doenças reumatológicas, como lúpus eritematoso sistêmico, mostrou efeito contra o Sars-CoV-2 em laboratório, especialistas ficaram animados. “Médicos prescreviam convictos de que estavam fazendo o melhor. Mas depois de quatro meses, com mais estudos  e informações, vimos que o medicamento não serve nem para profilaxia [prevenção] nem para tratamento da Covid-19”, afirma a dra. Richtmann.

“Embora a cloroquina tenha efeito contra a Covid-19 in vitro, os estudos feitos em pacientes cada vez mais consistentemente mostram que a medicação não apenas não funciona, mas pode fazer mal”, explica a infectologista Vivian Avelino-Silva, professora da Faculdade de Medicina da USP e da Faculdade de Medicina do Einstein.

Diante disso, causou espanto entre médicos e associações de especialistas quando o Ministério da Saúde (MS) lançou, em 20/5/2020,  um protocolo com recomendações para tratamento precoce da Covid-19 com cloroquina e  hidroxocloroquina.

Segundo o MS, os pacientes devem assinar um termo de ciência e consentimento antes de usar os medicamentos, pois “não há, até o momento, estudos suficientes para garantir certeza de melhora clínica dos pacientes com Covid-19, quando tratados com cloroquina ou hidroxicloroquina”.

As recomendações, inicialmente, foram veiculadas sem assinatura, o que não costuma ocorrer. No dia seguinte, a nota apareceu no site do MS assinada por técnicos do Ministério.

A Sociedade Brasileira de Imunologia (SBI) lançou parecer em que afirma que “ainda é precoce a recomendação do uso deste medicamento na Covid-19, visto que vários estudos mostram não haver benefícios para os pacientes que utilizam” os medicamentos.

A Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) foi na mesma linha. “Os estudos clínicos atuais com cloroquina ou hidroxicloroquina, associada ou não à azitromica [antibiótico usada para tratar infecções bacterianas], permitem concluir que tais medicamentos, até o presente momento, não mostram eficácia no tratamento farmacológico de Covid-19 e não devem ser recomendados de rotina”, diz em parecer científico.

O Conselho Nacional de Saúde (CNS), instância deliberativa e permanente do Sistema Único de Saúde (SUS), também se coloca contra o documento do MS, salientando, ainda, que há riscos para os pacientes.

“O que mais me preocupa dessa orientação do Ministério da Saúde é a recomendação de dois medicamentos com conhecido efeito colateral no coração ,sem evidência até o momento de benefício algum. Quando se orienta esse tratamento com baixíssima probabilidade de ter algum benefício para casos leves, pacientes estarão sob risco fora do ambiente hospitalar, sem monitorização adequada. E isso no meio de uma pandemia, quando o sistema está sobrecarregado”, afirma o dr. Otávio Ranzani, médico intensivista da FMUSP e do Instituto de Saúde Global de Barcelona, na Espanha.

 

Estudo

 

No dia 22/5/2020, a prestigiada revista científica “The Lancet” publicou um estudo que parecia encerrar o assunto.

Feito com mais de 96 mil pessoas internadas com Covid-19 em 671 hospitais de seis continentes entre o fim de dezembro de 2019 e abril de 2020, o estudo revelou que as drogas não apenas não trouxeram benefício para os pacientes, como eles apresentaram aumento do risco de morte com o tratamento.

Devido à abrangência do estudo, a Organização Mundial da Saúde (OMS), responsável por coordenar um dos estudos multicêntricos que buscam encontrar evidências científicas para o tratamento da Covid-19, interrompeu, em 23/5/2020, as pesquisas envolvendo a hidroxocloroquina.

Alguns dias depois, o estudo da “The Lancet” passou a ser alvo de uma série de críticas sobre a inconsistência nos dados apresentados. A empresa americana que obteve os dados, a desconhecida Surgisphere, não tem em seu quadro especialistas em ciência e na análise de dados.

Os revisores do estudo não tiveram acesso aos dados, por isso não puderam realizar uma revisão independente. A revista científica removeu o estudo, retratando-se publicamente, e a OMS retomou as pesquisas com as drogas no Solidarity.

Outro estudo que também usou a base de dados da Surgisphere, publicado em outro periódico científico de grande prestígio, o “The New England Journal of Medicine”, também se retratou e removeu o estudo do seu site.

Ambos os estudos eram observacionais, ou seja, os pesquisadores analisaram pacientes que haviam sido tratados previamente com os medicamentos. A ciência considera como padrão-ouro estudos que sejam randomizados (pacientes são escolhidos de modo aleatório), controlados (que incluem um grupo que toma placebo, uma substância inócua ao organismo) e duplo-cegos (em que médicos e pacientes não sabem qual grupo toma a droga estudada e qual recebe placebo).

Há aos menos dois estudos grandes com esse desenho: um feito com 821 pessoas e publicado no The New England Journal of Medicine” e que conclui que a hidroxicloroquina não serve para a profilaxia pós-exposição (não protege as pessoas depois de elas entrarem em contato com o vírus) e outro feito com 11 mil pacientes internados em hospitais do sistema nacional de saúde inglês (NHS), o estudo Recovery, que concluiu que a hidroxocloroquina não é eficaz no tratamento da Covid-19

 

Brasil

 

Aqui, o fato de o presidente da República Jair Bolsonaro insistir em recomendar, apesar de todas as evidências científicas, o uso da cloroquina e da hidroxicloroquina para tratar a Covid-19 causou o pedido de demissão do então ministro da Saúde Nelson Teich, em 15/5/2020.

O Exército Brasileiro prometeu liberar mais de 1 milhão de comprimidos das drogas para o MS, e os Estados Unidos doaram 2 milhões de doses, embora o Centro de Prevenção e Controle de Doenças (CDC) americano tenha retirado do seu site, no início de abril, a recomendação do uso das drogas e a maioria dos hospitais do país não use mais os medicamentos em casos de Covid-19.

Apesar das evidências científicas não mostrarem, até o momento, a eficácia do uso da cloroquina e da hidroxocloroquina para tratar a Covid-19 e de países como a França, Bélgica e Itália terem suspendido os estudos com as drogas, o presidente da República segue recomendando seu uso.

Embora compreenda-se a pressa em obter respostas para a Covid-19, elas devem ser baseadas em evidências científicas. Saltar ou apressar as etapas que os estudos científicos exigem para serem validados pode nos induzir a erros, como ocorreu com os estudos da “The Lancet” e do “The New England Journal of Medicine”.

O que a ciência sabe até agora é o que afirmam os especialistas consultados para esta coluna: ainda não há evidências científicas que corroborem a indicação da cloroquina e da hidroxocloroquina para o tratamento da Covid-19. É preciso esperar mais estudos.

É de se pensar que a mobilização de recursos e estratégias coordenadas para a distribuição da droga poderiam ser utilizados a favor de medidas que beneficiassem os brasileiros, em meio a uma crise sanitária sem precedentes. Desde que fossem comprovadas cientificamente, é claro.

 

Sobre o autor: Mariana Varella

Mariana Varella é editora do Portal Drauzio Varella. Formada em Ciências Sociais pela USP, atua na área de jornalismo de saúde, com foco em saúde da mulher. @marivarella

Leia mais