Alimentação

Novo estudo da USP recruta voluntários para responder questionário online sobre hábitos alimentares

Feijoada, couve e laranja são alguns dos alimentos que pertencem aos hábitos alimentares brasileiros

Estudo investiga a alimentação da população brasileira e a relação com as doenças crônicas. Pessoas acima de 18 anos podem participar pela plataforma digital.

 

Os hábitos alimentares estão diretamente ligados ao surgimento de doenças crônicas. Uma alimentação rica em açúcares e carboidratos, aliada à predisposição genética e ao sedentarismo, aumenta o risco de desenvolver diabetes. Pensando nisso, o Nupens (Núcleo de Pesquisa Epidemiológicas em Nutrição e Saúde da Universidade de São Paulo) está recrutando voluntários para responder o Estudo NutriNet Brasil, através de sua plataforma digital https://nutrinetbrasil.fsp.usp.br/.

Os pesquisadores têm pela frente um objetivo ousado: atingir 200 mil pessoas entrevistadas. Até o momento, 30% da meta foi atingida. Nessa primeira fase da pesquisa as perguntas giram em torno dos hábitos alimentares recentes, doenças crônicas frequentes e as últimas vezes que realizou exames de rotina. Em menos de 10 minutos é possível efetuar o cadastro e responder ao questionário. Além disso, qualquer pessoa acima dos 18 anos pode participar do estudo.

“As políticas públicas no campo da alimentação e saúde serão orientadas por evidências científicas e nesta medida serão mais eficazes e eficientes”, afirma o professor Carlos A. Monteiro, coordenador do Estudo, que conta com a colaboração de pesquisadores do Incor, Inca, FioCruz e diversas universidades federais brasileiras.

Ainda segundo o coordenador do estudo, a previsão é que cada novo questionário ocorra a cada três meses, durante 10 anos, dando assim um acompanhamento mais preciso para a análise posterior dos resultados. Ao final da pesquisa, os dados estarão disponíveis para a população.

Hábitos alimentares dos brasileiros

O objetivo do estudo é mapear os hábitos alimentares da população e analisar a incidência de doenças crônicas, como obesidade, diabetes, pressão alta, doenças cardiovasculares e câncer, identificando quais práticas previnem ou aumentam o risco de desenvolvê-las.

De acordo com Monteiro, esse é um estudo pioneiro no país. “Há estudos que acompanham pessoas para estudar a influência da alimentação sobre doenças crônicas, mas nenhum de caráter nacional e que tenha avaliado um número tão grande de pessoas por tanto tempo”.

Participe! Acesse através do link: https://nutrinetbrasil.fsp.usp.br/

Sobre o autor: Rafael Machado

Rafael Machado é jornalista e repórter do Portal Drauzio Varella. Tem interesse nas editorias de saúde pública e direitos humanos.