Fumo passivo aumenta risco de câncer?

Fumantes passivos podem ter até 30% mais risco de desenvolver câncer de pulmão em comparação a pessoas não expostas à fumaça de cigarro. 

close em perfil de homem fumando cigarro eletrônico. O fumo passivo também aumenta o risco de câncer de pulmão

Compartilhar

Publicado em: 13/06/2024

Revisado em: 17/06/2024

Fumantes passivos podem ter até 30% mais risco de desenvolver câncer de pulmão em comparação a pessoas não expostas à fumaça de cigarro e ao fumo passivo. 

 

Que o cigarro faz mal para a saúde e aumenta o risco de câncer de pulmão, não é novidade. Mas e o fumo passivo, aquele em que você inala fumaça de derivados do tabaco (vape, charuto, narguilé) por simplesmente frequentar os mesmos ambientes que pessoas que fumam, também apresenta riscos à saúde?

Veja também: Cigarro eletrônico sem nicotina faz mal?

Na verdade, sim. Isso porque, segundo o dr. Carlos Gil Ferreira, oncologista torácico e presidente do Instituto Oncoclínicas, a fumaça do cigarro a que os fumantes passivos estão expostos contém as mesmas substâncias cancerígenas encontradas na fumaça inalada pelos fumantes. Assim é possível afirmar que o fumo passivo aumenta significativamente o risco de doenças, entre elas o câncer de pulmão.  

“As estimativas são de que os fumantes passivos tenham um risco de 20% a 30% maior de desenvolver câncer de pulmão em comparação com não fumantes que não são expostos ao fumo passivo”, diz ele. 

Quando um cigarro é aceso, somente uma parte da fumaça é tragada pelo fumante, e cerca de ⅔ da fumaça gerada pela queima são lançadas no ambiente, através da ponta acesa do produto. 

“Essa fumaça que fica no ambiente contém substâncias tóxicas, como benzeno, formaldeído e hidrocarbonetos aromáticos policíclicos, que são inalados pelos não fumantes. A longo prazo, estas substâncias danificam o DNA das células pulmonares e podem levar ao desenvolvimento de câncer”, explica o dr. Ferreira. 

 

Evidências científicas dos malefícios do fumo passivo

Um estudo publicado em fevereiro deste ano no “Jornal de Oncologia Torácica” e realizado pelo Centro Nacional de Câncer do Japão, revelou uma relação entre a exposição ao fumo passivo e o aumento do risco de câncer de pulmão em não fumantes.

 A pesquisa analisou amostras de DNA de 291 mulheres não fumantes, das quais 213 foram expostas ao fumo passivo e 122 mulheres eram fumantes. 

Os resultados do estudo mostraram que pessoas que não fumam, mas se expõem à fumaça do cigarro, têm mutações genéticas diferentes daquelas encontradas em fumantes. Essas mutações estão relacionadas a uma proteína chamada APOBEC3B, que pode promover a sobrevivência das células cancerígenas e reduzir a eficácia dos medicamentos contra o câncer. “Isso sugere que o fumo passivo poderia aumentar o risco de câncer de pulmão de maneira semelhante ao tabagismo ativo”, explica o dr. Ferreira.

 

Reduzindo danos do fumo passivo

No Brasil, apesar dos avanços nas políticas de controle do tabaco, a estimativa é de que 7,9% da população adulta seja exposta ao fumo passivo em casa, e 8,4% em locais de trabalho, segundo a Pesquisa Nacional de Saúde. 

Por isso, se você mora ou trabalha com pessoas que fumam, peça para fumarem fora, em ambientes abertos, e não permita que fumem dentro do carro. Essa é uma medida simples, mas que pode fazer diferença, já que a fumaça do cigarro pode permanecer em um ambiente fechado por até cinco horas.

Além disso, incentive-as a parar de fumar e, se for o caso, procure o apoio de um especialista para ajudar. Nessas horas, toda ajuda é essencial e trará benefícios para todos os envolvidos.

Veja também: Dicas para ajudar quem quer parar de fumar

 

Veja mais

Sair da versão mobile