Mulher

Entenda por que você não deve segurar xixi

por que você não deve segurar xixi por muito tempo

Ficar segurando o xixi  frequentemente pode causar diversos problemas de saúde, como infecção e incontinência urinária. Saiba como evitar.

 

Você vai ao banheiro toda vez que sente vontade? Ou sempre deixa para a hora em que não dá mais para segurar? Por causa da correria do dia a dia, principalmente no local do trabalho, muitas pessoas acabam tornando hábito o ato de segurar o xixi, sem ter conhecimento dos problemas de saúde que isso pode acarretar.

A dra. Maria Cláudia Bicudo Furst, diretora de uro-ginecologia da Sociedade Brasileira de Urologia em São Paulo (SBU-SP) explica que a bexiga é um reservatório com capacidade limitada (cerca de 500 ml em uma pessoa adulta) e sua função é impedir que a urina, produzida constantemente pelos rins, não precise ser expelida a todo momento.  O mais comum é que a pessoa tenha vontade de ir ao banheiro quando esse reservatório está pela metade, com cerca de 250 ml.

“Quando sentimos vontade de urinar, existe todo um comando do sistema nervoso que nos informa se a bexiga está pouco ou muito cheia. Quando finalmente ficamos muito apertados significa que a bexiga está cheia demais, ou seja, que já deveríamos ter urinado”.

Quando uma pessoa tem problemas nessa percepção ou na capacidade de armazenamento de urina, o cérebro pode receber informações desencontradas. “Aí se encontram problemas como a da bexiga com pouca ou nenhuma percepção da vontade de urinar — que é uma das consequências de prender muito tempo a urina — ou, ao contrário, que têm uma percepção exagerada da vontade de urinar, como na chamada bexiga hiperativa”, afirma a médica.

 

Consequências de segurar o xixi por muito tempo

Quando uma pessoa tem mania de segurar o xixi por muito tempo, o problema mais comum que ela pode ter é a infecção urinária. A infecção urinária ocorre quando uma bactéria consegue entrar na bexiga, normalmente subindo através da uretra (canal pelo qual a urina é expelida). “O ato de urinar é um dos sistemas de defesa do organismo, pois limpa o canal e elimina a maior parte das bactérias que possam ter entrado na bexiga. Se, por outro lado, a pessoa segura muito tempo o xixi, as bactérias se multiplicam e o sistema de defesa não dá conta. Quanto mais eficiente for este esvaziamento, melhor”, a explica a dra. Maria Cláudia.

É importante lembrar que a infecção urinária é muito mais comum em mulheres, já que a uretra feminina é bem mais curta que a masculina (são aproximadamente 14 centímetros a menos) e também é mais próxima da vagina e do ânus, o que facilita o caminho para germes e bactérias até a bexiga.

Assista ao vídeo a seguir para entender mais sobre infecção urinária nas mulheres

 

Mas os problemas não param por aí. Segundo a médica, o hábito prender a urina pode levar a um problema de funcionamento dos músculos do assoalho pélvico (que circunda a uretra, o ânus e a vagina, no caso das mulheres), levando a uma dificuldade para relaxar no momento certo — como na hora de fazer xixi. “Com isso, esse sistema muscular pode ficar descoordenado com a bexiga, dificultando o seu esvaziamento e trazendo consequências não só para a bexiga, mas até para os rins”, explica. Por mais que a bexiga seja bastante elástica, o comprometimento da musculatura do assoalho pélvico é também uma das causas da incontinência urinária, condição na qual a pessoa sofre perdas involuntárias de urina e afeta aproximadamente 10 milhões de brasileiros.

 

Como manter o sistema urinário saudável

O sistema urinário engloba bexiga, rins, ureter (canal que leva a urina dos rins até à bexiga) e uretra (canal que conduz a urina para fora do corpo). O consumo adequado de líquidos é importante para se manter hidratado, produzir urina e ajudar os rins na limpeza do sangue. Portanto, não se esqueça de beber água, no mínimo dois litros por dia. Lembre-se também que o ideal é ir ao banheiro de cinco a seis vezes por dia.

 

Conteúdo desenvolvido em parceria com a TENA BRASIL. 

Sobre o autor: Maiara Ribeiro

Maiara Ribeiro é repórter do Portal Drauzio Varella desde 2018. Tem interesse em assuntos relacionados à saúde da criança, da mulher e do idoso.

Leia mais