Infectologia

5 dicas para baixar a febre sem medicamentos



Compressa fria e repouso são aliados para evitar o mal-estar provocado pela alta temperatura. Veja outras dicas para baixar a febre sem medicamentos.

 

Basta notar algo de diferente no estado geral dos filhos para que a mãe leve uma das mãos à testa dos pequenos, meça a temperatura e diagnostique com precisão: febre.

A alta temperatura corporal, junto com sintomas como fraqueza, dor de cabeça, perda de apetite, boca seca e desidratação, entregam o estado febril, nada mais que um reajuste no hipotálamo. Essa região do cérebro tem entre suas funções agir como um termostato, controlando a temperatura do organismo.

 

 Veja também: Febre: 5 sinais de que é hora de procurar um médico

 

A temperatura do corpo humano é ajustada para manter os órgãos internos em torno de 37℃, mas quando o organismo tem de combater algum agente que o agride, como vírus ou bactérias, ele pode liberar substâncias que agem no termostato, fazendo-o elevar a temperatura do organismo 2℃ ou 3℃ acima do valor habitual.

Há controvérsias sobre o papel da febre, se ela de fato ajuda na defesa do organismo ou se é apenas um efeito incidental. Alguns pesquisadores acreditam que o aumento da temperatura acelera determinadas reações imunológicas e afetam a atividade de alguns agentes infecciosos; outros afirmam que a principal função da febre é alertar para uma agressão ao organismo, mas que seu benefício na defesa em si é pequeno, por isso o melhor é tomar medidas para baixá-la.

A pediatra Athenê Mauro, coordenadora da Saúde da Criança e do Adolescente, área de Atenção Básica da Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo, explica que não há consenso sequer sobre o valor da temperatura que separa o estado normal do febril. “A forma mais confiável de aferir a temperatura é medi-la por via oral ou retal. Em crianças, a maioria dos médicos classifica como febre a temperatura retal acima de 38℃, mas alguns consideram febre temperatura retal acima de 37,7℃ ou 38,3℃. A temperatura axilar varia de 0,4℃ a 0,8℃ mais baixa que a temperatura retal.”

 

Dicas para baixar a febre

 

A maior parte das pessoas recupera-se de febres comuns naturalmente, com o tempo, conforme o sistema imunológico age. Mas como o estado febril traz sintomas desagradáveis, muitos apelam para medicamentos desnecessariamente. A especialista listou cinco dicas simples para auxiliar a baixar a febre sem medicamentos:

1) Faça compressas frias no tronco e nos membros usando toalha úmida ou bolsa térmica. Use água, jamais álcool, pois ele pode ser absorvido pela pele e provocar intoxicação, principalmente quando se trata de bebês e crianças pequenas. E lembre-se: caso o paciente se queixe de muito frio e se sinta mal em contato com a umidade, não faça as compressas, pois elas podem piorar seu estado;

2) Para cada elevação de 1℃ na temperatura corporal, o consumo de energia é 12% maior que o habitual. Portanto, alimente-se adequadamente. Faça  uma dieta leve, com alimentos de fácil digestão, para que o organismo não queime muita energia tentando digerir a comida;

3) A febre acelera os batimentos cardíacos (para cada grau elevado há aumento de 15 batimentos por minuto), o que provoca maior gasto de energia. Por isso, é importante repousar e evitar sobrecarregar o organismo com atividades físicas. Isso não significa que a pessoa precise passar o dia deitada. Basta não se esforçar em excesso e descansar o máximo que conseguir;

4) A velha dica de tomar banho para baixar a febre também é válida, porém evite a água gelada. Embora ela realmente ajude a diminuir a temperatura, ela aumenta a frequência cardíaca, que já está acelerada por causa da febre. Portanto, o ideal é deixar a água morna ou levemente fria escorrer por bastante tempo sobre o corpo, o que também contribui para seu relaxamento;

5) Não se esqueça de beber bastante água. Além de hidratar o corpo, que costuma perder água durante a febre, o líquido auxilia na regulação térmica do organismo.

Sobre o autor: Tainah Medeiros

Tainah Medeiros é jornalista com foco em saúde, atuou como repórter de 2011 a 2016 no Portal Drauzio Varella. Hoje, é a responsável pelas Redes Sociais do dr. Draw. <três

Leia mais