Anemia e traço falciforme: o que são e qual a diferença entre eles

Ao contrário de quem possui anemia falciforme, pessoas com traço falciforme não estão doentes. Entenda as diferenças.

Na anemia falciforme as células sanguíneas têm formato de coice e causam problemas. Indivíduos com traço falciforme não estão doentes, somente são portadores do gene.

Compartilhar

Publicado em: 27/07/2022

Revisado em: 27/07/2022

A anemia falciforme pode causar problemas de saúde. Já indivíduos com traço falciforme não apresentam risco de desenvolver a doença, mas são portadores do gene.

 

A anemia falciforme é uma doença relativamente comum que ocorre a cada 1.200 nascimentos. A doença pode ser observada em 8% da população negra, mas também atinge pessoas brancas, indígenas e amarelas. 

O que ocorre é que o indivíduo nasce com um defeito na hemoglobina, proteína transportadora de oxigênio encontrada nos glóbulos vermelhos (hemácias). Por conta disso, as células vermelhas apresentam o formato de foice, em vez do formato de disco bicôncavo habitual.

Como as células em forma de foice são rígidas, elas têm dificuldade para fluir pelos vasos sanguíneos menores (capilares). Isso causa o bloqueio do fluxo sanguíneo e dificulta a chegada do oxigênio aos órgãos, provocando a falta de oxigenação adequada. 

Como consequência, o paciente sente muita dor resultante de uma inflamação sistêmica. Com o tempo, se a doença não for controlada, também podem surgir lesões no baço, nos rins, no cérebro e nos ossos. 

Além disso, pessoas com anemia falciforme sempre apresentam algum grau de anemia (que geralmente causa fadiga, fraqueza e palidez, entre outros sintomas) e podem ter icterícia (amarelecimento da pele e dos olhos). 

 

Traço falciforme é a mesma coisa que doença falciforme? 

Muitas pessoas confundem, mas é importante destacar que traço falciforme não é doença falciforme. O traço não é grave ou contagioso, nem causa anemia. 

Como as pessoas que têm o traço falciforme não sentem nada, é comum que elas só fiquem sabendo do diagnóstico quando o filho faz o teste do pezinho, ou quando vão doar sangue.

A diferença entre o traço e a doença falciforme está no tipo de hemoglobina, proteína presente no interior do glóbulo vermelho. Quem tem o traço herdou um gene para a hemoglobina A (normal e dominante) de um dos pais e outro gene para a hemoglobina S, que é falciforme (recessiva).

Por isso, quem tem o traço falciforme tem apenas uma característica genética, mas não desenvolve a doença nem tem alterações hematológicas. Portanto, não precisa de tratamento. 

Já quem herda de ambos os pais o gene para a hemoglobina S desenvolve a anemia falciforme e precisa de cuidados e tratamentos especializados. 

Veja também: Doença falciforme: crises de dor prejudicam qualidade de vida do paciente

 

Veja mais

Sair da versão mobile