Drauzio

H1N1 na gravidez | Artigo

Médica aplicando injeção de vacina contra H1N1 no braço de mulher grávida.

H1N1 na gravidez pode causar complicações graves. Gestantes devem tomar a vacina e receber tratamento com antivirais logo que apresentarem os primeiros sintomas da doença.

 

No início de 2009, surgiu um novo vírus influenza A, batizado como A(H1N1)pdm09.

Em junho do mesmo ano, a Organização Mundial da Saúde (OMS) decretou o alerta 6, seu nível mais elevado nas ameaças de pandemias.

Quase sete anos passados, aprendemos muito sobre os efeitos da gripe H1N1 em gestantes e recém-nascidos. Não obstante, ainda ocorrem casos graves, hospitalizações e óbitos causados pela doença. Bebês nascidos de mulheres que tiveram quadros graves de H1N1 correm risco mais alto de prematuridade e baixo peso.

 

Veja também: Por que os casos de H1N1 chegaram mais cedo em 2016?

 

Embora já soubéssemos que gravidez é fator de risco para complicações da gripe, a pandemia de 2009 permitiu obter dados mais sólidos a respeito das características dessa vulnerabilidade.

Antes de 2009, as autoridades sanitárias recomendavam que os antivirais — como oseltamivir — fossem prescritos apenas nas gestações associadas a outras condições de risco (diabetes, doenças pulmonares, cardiovasculares etc.); as saudáveis não precisariam de tratamento específico.

No decorrer da epidemia de 2009, entretanto, o tratamento antiviral passou a ser indicado para todas as gestantes e para as que haviam dado à luz recentemente, sem levar em conta a existência ou não de outras enfermidades, a gravidade do quadro clínico ou os resultados dos testes diagnósticos.

Meta-análises mostraram que, em 2009, as grávidas tratadas com  antivirais nas primeiras 48 horas da instalação dos sintomas gripais, apresentaram mortalidade 80% mais baixa do que aquelas não tratadas.

Se aprendemos que a vacinação é segura e protetora e que administrar antivirais, ao surgirem os sintomas, reduz significativamente a gravidade do quadro gripal e a mortalidade, além de trazer vantagens para o recém-nascido, esse conhecimento tem que ser levado às principais interessadas: as mulheres grávidas.

Mais ainda: apesar de a eficácia ser maior com o tratamento precoce, foram beneficiadas mesmo aquelas medicadas depois das 48 horas iniciais.

O acompanhamento das que receberam oseltamivir durante a gravidez revelou que a medicação é segura para a mãe e para o feto. É importante ressaltar a segurança, porque há gestantes que se recusam a tomar o medicamento, por um receio que não encontra justificativa nas evidências científicas.

Além dos benefícios dos antivirais, também ficou demonstrada a segurança da vacinação contra a gripe durante a gravidez. Já foram vacinadas milhões de mulheres, sem haver relato de um único caso de má-formação fetal.

 

Veja também: Quem deve tomar a vacina contra a H1N1

 

Ainda assim, não são poucas as grávidas que deixam de se vacinar por preconceito, ideologia ou falta de informação, enquanto outras adiam a imunização para depois do primeiro trimestre, providência sem nenhum sentido.

Não bastassem os benefícios maternos, a vacinação da futura mãe reduz o risco de prematuridade, baixo peso e protege o bebê durante os seis primeiros meses de vida, fase em que a doença costuma ser mais agressiva.

Em relação à gripe na gravidez, o Center for Diseases Control dos Estados Unidos faz quatro recomendações principais:

1) É preciso orientar as gestantes para procurar atendimento médico, assim que surgirem os primeiros sintomas gripais, fase em que a eficácia dos antivirais é mais alta.

2) Para que possa ser iniciado de imediato, a indicação do tratamento deve basear-se na avaliação clínica, uma vez que os testes laboratoriais apresentam sensibilidade limitada e a perda de tempo na espera dos resultados pode comprometer a ação protetora dos medicamentos.

3) Como a eficácia da vacina oscila ao redor de 60%, toda gestante com suspeita de gripe deve ser tratada com antivirais, tenha sido vacinada ou não.

4) Embora os melhores resultados sejam obtidos quando o tratamento antiviral é administrado nas primeiras 48 horas contadas a partir do início dos sintomas, há evidências de proteção mesmo quando iniciado mais tarde.

Os relatos de casos graves de gripe durante a gestação, hospitalizações e a morte de mulheres anteriormente saudáveis na epidemia de 2009, chamou a atenção para a gravidez como fator de risco e serviu de base para a publicação de grande número de estudos científicos.

Se aprendemos que a vacinação é segura e protetora e que administrar antivirais, ao surgirem os sintomas, reduz significativamente a gravidade do quadro gripal e a mortalidade, além de trazer vantagens para o recém-nascido, esse conhecimento tem que ser levado às principais interessadas: as mulheres grávidas.

Sobre o autor: Drauzio Varella

Drauzio Varella é médico cancerologista e escritor. Foi um dos pioneiros no tratamento da aids no Brasil. Entre seus livros de maior sucesso estão Estação Carandiru, Por um Fio e O Médico Doente.

Leia mais