Doenças e sintomas

Cistite

Mulher em um banheiro com a mão na região da bexiga indicando vontade de urinar.

Cistite é uma inflamação ou infecção causada por bactérias que atingem a bexiga. Mulheres são mais atingidas que os homens; veja como prevenir.

 

Cistite é uma infecção e/ou inflamação da bexiga. Em geral, é causada pela bactéria Escherichia coli, presente naturalmente no intestino e importante para a digestão, mas outros micro-organismos também podem provocar cistite.

Homens, mulheres e crianças estão sujeitos à doença. No entanto, ela é mais prevalente nas mulheres porque as características anatômicas femininas favorecem sua incidência. A uretra da mulher, além de muito mais curta do que a do homem, está mais próxima do ânus, o que favorece a passagem dos micro-organismos.

 

Veja também: Leia entrevista completa sobre cistite

 

Pessoas com diabetes descontrolado também têm risco aumentado, visto que a doença compromete a imunidade. Nos homens, depois dos 50 anos, o crescimento da próstata e consequente retenção de urina na bexiga podem causar o problema.

 

Sintomas da cistite

 

  • Necessidade urgente de urinar com frequência;
  • Escassa eliminação de urina em cada micção;
  • Ardor ao urinar;
  • Dores na bexiga, nas costas e no baixo ventre;
  • Febre;
  • Sangue na urina nos casos mais graves.

 

Diagnóstico de cistite

 

  • Levantamento da história clínica do paciente e de seus sintomas;
  • Exame de urina tipo I;
  • Urocultura com antibiograma (para identificar o agente infeccioso e orientar o tratamento).

 

Tratamento da cistite

 

Às vezes, o próprio organismo dá conta de eliminar as bactérias. Caso haja persistência de sintomas, o tratamento das cistites infecciosas requer o uso de antibióticos ou quimioterápicos que serão escolhidos de acordo com o tipo de bactéria encontrada no exame laboratorial de urina.

Especialmente nas mulheres, as recidivas podem ser frequentes e mais graves, mas, se o tratamento for seguido à risca, a probabilidade de cura é grande. Por isso, é preciso tomar os medicamentos respeitando o tempo recomendado pelo médico mesmo que os sintomas tenham desaparecido com as primeiras doses.

 

Veja também: Ouça o comentário do dr. Drauzio no podcast sobre cistite

 

Recomendações para evitar a cistite

 

  • Beba muita água. O líquido ajuda a expelir as bactérias da bexiga;
  • Urine com frequência. Reter a urina na bexiga por longos períodos é uma contraindicação importante.
  • Urinar depois das relações sexuais favorece a eliminação das bactérias que se encontram no trato urinário;
  • Redobre os cuidados com a higiene pessoal. Mantenha limpas a região da vagina e do ânus. Depois de evacuar, passe o papel higiênico de frente para trás e, sempre que possível, lave-se com água e sabão;
  • Evite roupas íntimas muito justas ou que retenham calor e umidade, porque facilitam a proliferação das bactérias;
  • Suspenda o consumo de fumo, álcool, temperos fortes e cafeína. Essas substâncias irritam o trato urinário;
  • Troque os absorventes higiênicos com frequência para evitar o proliferação bacteriana.

 

Perguntas frequentes sobre cistite

 

Cistite é o mesmo que infecção urinária?

Não. Infecção urinária é um termo genérico para infecções que atacam o trato urinário. Além da bexiga, existem outras regiões que podem ser atingidas, como a uretra e os rins. Todas elas recebem a designação de infecção urinária.

 

Suco de cranberry previne cistite?

Estudos indicam que o cranberry pode diminuir a adesividade bacteriana, ou seja, sua tendência a proliferar no trato urinário. Ainda assim, embora a ingestão de muito líquido seja recomendada, prefira sempre água ou água de coco, pois sucos contêm açúcar.

 

O que fazer quando a doença não apresenta sintomas?

Na maioria dos casos, é fácil diagnosticar a cistite porque ela causa dor e dificuldade de micção. Mas podem existir casos em que não há sintomas e a mulher é surpreendida com um resultado positivo em exames de urina. Exceto em ocasiões muito específicas que serão indicadas pelo médico, nesses casos não há necessidade de tratamento. Incluir antibióticos desnecessariamente contribui para o problema da resistência bacteriana. Pacientes sem sintomas apenas devem ser monitorados e orientados.

 

A cistite é uma infecção sexualmente transmissível (IST)?

Não. Diferente de muitas uretrites, como a gonorreia e a clamídia, a cistite não pode ser transmitida durante o ato sexual. Ainda assim, recomenda-se sempre urinar após a relação para eliminar bactérias do trato urinário.

 

Cistite tem causa emocional?

Não há evidências que apontem para causas emocionais. Contudo existe um tipo da doença, chamada síndrome da bexiga dolorosa ou cistite intersticial crônica, que é mais difícil de ser diagnosticada porque a inflamação da bexiga não é causada por bactérias. Ainda assim, as hipóteses mais aceitas para sua causa são sensibilidade da bexiga a substâncias da urina, problemas autoimunes ou de permeabilidade da parede do órgão.

 

Cistites podem evoluir para pielonefrites?

Sim. Uma infeção da bexiga tratada inadequadamente pode “subir” e afetar os rins.

 

Tenho cistite toda hora. Pode ser crônico?

Sim. A cistite intersticial crônica é uma das formas da doença que pode durar anos ou a vida inteira. Como não se trata de uma infecção, antibióticos são inúteis. O tratamento é complexo e pode incluir inclusive fisioterapia como forma de entender e exercitar a musculatura da região pélvica para aliviar sintomas de dor.

 

A cistite é muito frequente?

Uma em cada quatro mulheres provavelmente terá cistite ao longo da vida. Isso acontece porque a uretra da mulher é mais curta que a do homem, além de estar mais perto das regiões vaginal e anal, favorecendo a entrada de bactérias e o surgimento da infecção.

 

Mulheres grávidas também podem ter cistite?

Sim. Na verdade, as gestantes têm maior predisposição para contraírem infecções urinárias em geral. É importante que o acompanhamento pré-natal inclua exame de cultura de urina. Quanto mais cedo iniciado o tratamento, melhor.

Sobre o autor: Maria Helena Varella Bruna

Maria Helena Varella Bruna é redatora e revisora, trabalha desde o início do Site Drauzio Varella, ainda nos anos 1990. Escreve sobre doenças e sintomas, além de atualizar os conteúdos do Portal conforme as constantes novidades do universo de ciência e saúde.

Leia mais