Tipos de acne: quais são e como tratar?

Os tipos de acne variam e podem causar diversos prejuízos à autoestima. Conheça cada um deles e saiba como tratar.

Compartilhar

Publicado em: 20/02/2023

Revisado em: 16/02/2023

As causas são as mais variadas. Saber como tratar é importante para evitar cicatrizes permanentes e inflamações mais graves. Entenda.

 

Você tem um evento importante marcado, e quando acorda, lá está ela: a pontinha amarelada, avermelhada e inchada, desviando toda a atenção. Todo mundo já passou por uma situação parecida. As espinhas e os cravos, manifestações da acne, são resultados de um processo inflamatório das glândulas sebáceas e dos folículos pilossebáceos, e as causas para o seu surgimento vão desde o desequilíbrio hormonal até o uso de determinados cosméticos.

Os “tipos” de acne, na verdade, são divididos por grau de gravidade. Em geral, falamos em cinco:

 

Grau 1: Acne comedogênica (não inflamatória)

Presença de comedões – nome técnico do que chamamos de “cravinhos” – e de algumas pápulas (bolinhas avermelhadas e endurecidas)

 

Grau 2: Acne papulopustulosa (inflamatória)

Nessa, além dos comedões e das bolinhas avermelhadas, há a presença de lesões com pus. Além disso, a seborreia também a acompanha.

 

Grau 3: Acne nodulocística (inflamatória)

O diferencial da acne de grau anterior é a presença de nódulos e cistos, lesões inflamadas que se expandem por camadas mais profundas da pele. Por conta da profundidade dessas lesões, elas podem provocar a destruição de tecidos e causar cicatrizes, além de serem mais dolorosas. 

 

Grau 4: Acne conglobata

É a forma grave de acne, com nódulos purulentos, numerosos e grandes, que formam abscessos e fístulas que drenam pus.

 

Grau 5: Acne fulminante

Evolução rara da acne de grau 4, quando subitamente a pessoa passa a apresentar também febre, dores articulares, eritema inflamatório, necrose e hemorragia em algumas lesões. As lesões, por sua vez, são compostas por nódulos, cistos, e erupções cutâneas espalhadas por diversas partes do corpo. Seu diagnóstico e tratamento é importante para evitar complicações graves. 

Veja também: Dicas para evitar acnes

 

Causas

A acne pode ser desencadeada por uma grande variedade de fatores. O desequilíbrio hormonal é o mais comum, e é por isso também que a condição é tão frequente durante a adolescência, como explica a dra Giovanna Mori Almeida, médica dermatologista do Hospital Albert Sabin de SP (HAS).

“Os hormônios sexuais começam a ser produzidos na puberdade. São eles os principais responsáveis pelas alterações das características da pele, e por consequência, do surgimento da acne. Esses hormônios, chamados andrógenos e estrógenos, são produzidos tanto pelos ovários e testículos, quanto pelas glândulas suprarrenais (duas pequenas glândulas situadas sobre os rins).”

A distribuição das lesões, que podem ser discretas ou mais inflamadas, varia bastante, mas costuma se concentrar no rosto, tórax e dorso. Conforme a puberdade vai chegando ao fim, é natural que esse desequilíbrio seja corrigido e que a acne cesse. 

As alterações hormonais, porém, também podem ocorrer em outros cenários, como situações de estresse e no período menstrual – neste último, quando há um estímulo maior da produção de andrógenos. É por esse mesmo motivo que quem tem ovários policísticos ou outras alterações endócrinas também pode apresentar quadros de acne fora da puberdade. 

Há ainda a questão da predisposição genética. “Sabe-se que o gene TNF – alfa predispõe para um maior ou menor risco para o desenvolvimento da acne”, destaca a profissional. Essa predisposição irá influenciar mudanças relacionadas ao conteúdo de gordura (secreção sebácea) da pele e do couro cabeludo.

 

Acne na fase adulta

A acne adulta é mais comum em mulheres, homens trans e pessoas não-binárias com aparelho reprodutor feminino, por causa de uma resposta excessiva da glândula sebácea ao estímulo androgênico. Em geral, as lesões são menores e menos dolorosas, e costumam aparecer em surtos. 

Veja também: Acne adulta: o que é e como tratar

 

Acne medicamentosa

Quando o fator desencadeador da acne é o uso de medicamentos, podemos chamá-la também de erupção acneiforme. Nesse quadro, o aparecimento das lesões acontece de forma abrupta. Geralmente está associada ao uso de medicamentos como:

  • Corticosteróides
  • Fenitoína
  • Lítio
  • Iodetos e brometos
  • Vitaminas do complexo B
  • Anabolizantes esteroidais (danazol, testosterona e stroll)

O desaparecimento das lesões costuma ocorrer com a simples suspensão da medicação em questão, mas é sempre importante a avaliação de um dermatologista. 

 

Cicatrizes e autoestima

A acne, por si só, pode abalar a autoestima e colaborar para o desenvolvimento ou piora de quadros de ansiedade e depressão, principalmente quando as lesões são mais graves e acabam por deixar cicatrizes permanentes. Mas será que é possível evitá-las?

Quanto mais profunda a inflamação, maiores as chances de cicatrizes permanentes. Mas esse não é o único fator. A idade, a presença de espinhas grandes ou nodulares, a falta de cuidado adequado e fatores genéticos também entram na soma. De acordo com a dra. Giovana Moris, o tratamento precoce e acompanhado por um dermatologista é a melhor maneira de minimizar os riscos. 

É por esse mesmo motivo que espremer as espinhas não é recomendado. Além de aumentar o risco de cicatriz, as mãos podem ser uma fonte de contaminação, aumentando a chance de infecção na área afetada. 

“O ideal é procurar um médico assim que os primeiros sinais e sintomas aparecerem, visando controlar o quadro para diminuir as chances de cicatrizes. Em casos que o psicológico é afetado, a ajuda de um terapeuta também é recomendada para trabalhar nesse outro lado”, recomenda. 

Veja também: Cicatrizes | Entrevista

 

Como prevenir a acne?

Alguns hábitos diários simples e mudanças na rotina podem ajudar a evitar os cravos e espinhas, como:

  • Lavar o rosto na água fria, de manhã e a noite, com o sabonete adequado para o seu tipo de pele;
  • Fazer controle da oleosidade da pele com algum ácido (recomendado por especialista), caso sua pele seja oleosa ou mista;
  • Não abusar de carboidratos, gorduras e doces;
  • Beber a quantidade diária de água recomendada para o seu organismo;
  • Praticar atividade física.

A alimentação também influencia. Determinados alimentos podem estimular a produção de gordura das glândulas sebáceas e, por isso, é interessante consumir com moderação. 

Alguns deles são:

  • Carne vermelha e leite (gordura saturada);
  • Margarinas, biscoitos, sorvetes (gorduras trans);
  • Doces, bebidas açucaradas e guloseimas feitas com farinha branca (alto índice glicêmico);

A dermatologista dá dicas do que inserir na alimentação. “A preferência deve ser sempre por alimentos ricos em fibras, como grãos integrais e leguminosas, tenha certeza que sua pele agradecerá. Incluir o ômega 3 – encontrado alimentos como peixes e nozes – é de grande ajuda também, pois ele  é rico em ácidos graxos ômega 3, que ajudam a combater a inflamação em todos os sistemas do corpo, incluindo a pele.”

 

Como funciona o tratamento?

O tipo de tratamento está relacionado ao tipo de acne. Normalmente, o processo envolve produtos tópicos (como cremes, ácidos, etc), higienização adequada com sabonete recomendado para o seu tipo de pele, uso de protetor solar e, nos quadros mais graves, o uso de antibióticos. Seja qual for o caso, o mais importante é procurar um médico dermatologista para que o tratamento e o acompanhamento sejam feitos da forma correta.

Veja também: Cuidados com a pele no verão: entenda por que eles são essenciais

Tópicos

Veja mais

Sair da versão mobile