A identidade e orientação sexual de outra pessoa não diz respeito a mais ninguém

Por causa do preconceito, membros da comunidade LGBTQIA+ sofrem com mais transtornos de ansiedade, quadros depressivos e pensamentos suicidas.

Drauzio Varella é médico cancerologista e escritor. Foi um dos pioneiros no tratamento da aids no Brasil. Entre seus livros de maior sucesso estão Estação Carandiru, Por um Fio e O Médico Doente.

Compartilhar

Por causa do preconceito, membros da comunidade LGBTQIA+ sofrem com mais transtornos de ansiedade, quadros depressivos e pensamentos suicidas.

A última edição da Parada do Orgulho LGBT reuniu 4 milhões de pessoas nas ruas de São Paulo, incluindo pais e mães em apoio aos seus filhos. Há 20 atrás, isso era impensável.

Ainda assim, a comunidade LGBTQIA+ ainda sofre muito com o preconceito e a exclusão. Não à toa, os índices de transtornos de ansiedade, quadros depressivos e suicídios entre essas populações são muito mais altos do que entre a população geral. Por isso, neste vídeo, o dr. Drauzio recomenda: se for preciso, procure ajuda profissional. Cada um tem a própria sexualidade e não cabe a ninguém aceitar como vão vivê-la.

Veja também: Cuidados ginecológicos para pessoas LGBTQIA+

Veja mais

Sair da versão mobile