Dor no olho ao piscar pode ser sinal de arranhão na córnea

A dor no olho ao piscar pode significar uma lesão na córnea, causada por acidentes domésticos ou no trabalho. Saiba o que fazer.


Equipe do Portal Drauzio Varella postou em Oftalmologia

A córnea é a parte mais sensível do olho e a mais suscetível a traumatismos.

Compartilhar

Publicado em: 24/02/2023

Revisado em: 23/02/2023

A córnea é a parte mais sensível do olho e a mais suscetível a traumatismos.

 

Se você está sentindo uma dor intensa ao piscar, percebe que o olho está lacrimejando muito, com a visão embaçada, sensibilidade à luz e uma sensação de areia nos olhos, isso pode ser sinal de arranhão na córnea. Esse tipo de trauma é comum, e é importante procurar ajuda médica.

A córnea é um tecido transparente localizado na frente do olho. “É como se fosse um vidrinho de relógio. É a porta de entrada do olho; é a parte mais sensível e que está mais suscetível a traumatismos”, explica a dra. Claudia Del Claro, especialista em córnea e integrante da diretoria da Sociedade Brasileira de Oftalmologia (SBO).

A oftalmologista diz que não é necessário que algo grave tenha ocorrido no olho para sentirmos dor ao piscar. “Existem muitas terminações nervosas na córnea. E essas terminações ficam cobertas pela última camada de células, que é o epitélio. Se você machuca um pouquinho a córnea, que é o que chamamos de desepitelização, já expõe essas fibras nervosas, e aí a pessoa sente muita dor.”

Desepitelização é o nome que se dá quando a córnea é machucada de forma superficial, sem que haja ruptura. Ocorre quando há uma perda do epitélio em algum ponto da córnea. Esse tipo de lesão também é chamado de arranhão, erosão ou abrasão da córnea.

 

Quais são as causas

Arranhão na córnea pode ser causado de diferentes formas. É comum entre pessoas que trabalham em áreas como serralheria e poda de árvores, por exemplo, principalmente quando o trabalhador não usa óculos de proteção. Também são recorrentes os casos de acidentes domésticos envolvendo objetos pontiagudos, como tesouras, garfos e facas, e até durante brincadeiras com crianças pequenas, quando elas acabam enfiando o dedo no olho do pai, da mãe ou de algum cuidador. 

Arranhões na córnea também costumam acontecer com pessoas que têm unhas grandes e usam lentes de contato. “A gente sempre recomenda que pessoas que usam lentes de contato tenham as unhas curtas justamente para que, na hora de manusear, de colocar ou retirar as lentes, não machuque a córnea”, sugere a dra. Claudia.

Ela explica que acidentes envolvendo unhas, sejam as de outras pessoas ou as próprias, têm um agravante. “Lógico que você não vai perfurar o olho, rasgar a córnea com a unha, mas vai tirar um pedacinho, vai desepitelizar [machucar] a córnea, e isso já é suficiente para causar grande dor e embaçamento visual. Além disso, como embaixo da unha nós temos muitos microrganismos, bactérias e fungos, é comum depois de um trauma com a unha você desenvolver uma úlcera na córnea por fungo.”

Veja também: Guia das lentes de contato

 

O que fazer em caso de arranhão na córnea

A oftalmologista diz que, quando a pessoa sofre um arranhão na córnea, mesmo que ela queira, ela não consegue ignorar ou deixar para pedir ajuda depois. “Mesmo que o paciente queira ficar em casa, ele não tem como ficar porque realmente é algo que incomoda muito, é extremamente doloroso, e a pessoa deve ir ao médico o mais rápido possível.”

A dra. Claudia Del Claro recomenda que a pessoa vá o quanto antes a uma emergência oftalmológica em vez de um pronto-socorro comum. “A nossa especialidade é muito particular, então conseguimos diagnosticar exatamente o que está acontecendo, usando nossos equipamentos, como a lâmpada de fenda, dilatação para ver o fundo do olho. Já um clínico geral em um pronto-socorro comum não vai conseguir fazer o diagnóstico adequado. Ele pode ter uma suspeita do que está acontecendo, mas não terá como dar esse diagnóstico final.”

 

Tratamento

Quando o oftalmologista constata que houve um arranhão na córnea, o tratamento tende a envolver o uso de tampão para dar um “descanso” à córnea machucada. “Como as terminações nervosas estão expostas, cada vez que você pisca e passa em cima da córnea, você sente. Então, é extremamente incômodo. Logo, o ideal é deixar o olho bem fechado porque ao não piscar você não vai sentir o incômodo e fará com que a cicatrização seja mais rápida”, explica. 

A dra. Claudia Del Claro fala ainda que, se o arranhão da córnea for leve, a cicatrização pode ocorrer em um dia. Já quando envolve algum tipo de infecção, como nos casos de acidentes com unhas e objetos contaminados, a recuperação demora mais tempo.

“No caso de um machucado superficial, [a cicatrização] tende a ser bastante rápida, em torno de 24 horas já cicatriza. Uma infecção, uma úlcera de córnea, isso já complica um pouco. Daí a pessoa vai ficar dias tratando. Essa infecção fúngica, que está relacionada com o trauma de unha, é mais de um mês tratando. E se ocorre perfuração, a abertura da córnea, aí já é algo bem mais complicado. A pessoa terá que ser submetida a uma cirurgia para fechamento da córnea”, conclui a médica.

Veja também: Quem tem ceratocone não deve coçar os olhos

 

Sobre a autora: Fabiana Maranhão é jornalista desde 2006 e colabora com o Portal Drauzio Varella. Tem interesse por temas ligados à infância e à adolescência, alimentação saudável e saúde mental. 

Veja mais

Sair da versão mobile