Diabetes e covid | Artigo

Estudos revelam relação entre covid e diabetes: a infecção pelo Sars-CoV-2 aumenta em 40% o risco de desenvolver diabetes nos 12 meses seguintes.

Drauzio Varella é médico cancerologista e escritor. Foi um dos pioneiros no tratamento da aids no Brasil. Entre seus livros de maior sucesso estão Estação Carandiru, Por um Fio e O Médico Doente.

rapaz de máscara faz teste de glicemia na ponta do dedo com enfermeira. diabetes e covid podem ter relação

Compartilhar

Publicado em: 3 de maio de 2022

Revisado em: 3 de maio de 2022

Estudos revelam relação entre covid e diabetes: a infecção pelo Sars-CoV-2 aumenta em 40% o risco de desenvolver diabetes nos 12 meses seguintes.

 

Desde o início da pandemia, ficou claro que pessoas com diabetes corriam risco de apresentar as formas mais graves da covid.

Logo em maio de 2020, a revista “The Lancet Diabetes & Endocrinology” publicou uma série de recomendações para os cuidados que os médicos deviam ter com os pacientes com diabetes, durante a pandemia.

Veja também: Artigo do dr. Drauzio sobre as sequelas da covid

A mesma revista avaliou o risco de morte em pessoas com diabetes ao contrair o Sars-CoV-2. Depois de ajustar estatisticamente fatores como sexo, idade, etnia, região geográfica e situação econômico-financeira, foi demonstrado que pacientes com diabetes do tipo 1 correm risco de morte 3,5 vezes mais alto do que aqueles com covid, mas sem diabetes. No caso dos que sofrem de diabetes do tipo 2, esse risco foi duas vezes mais alto.

No mesmo número da revista, foi publicado um estudo mostrando que, nos dois tipos de diabetes, a mortalidade guarda relação direta com os níveis de hiperglicemia, isto é, quanto mais elevada a glicemia, maior o risco de perder a vida.

Os autores chamaram a atenção para a importância do controle adequado do diabetes durante a pandemia, porque o descontrole das taxas de açúcar no sangue compromete a resposta imunológica e dificulta a defesa contra infecções.

À medida que a pandemia progrediu, ficou evidente que covid e diabetes interagem de acordo com uma fisiopatologia complexa. O prognóstico da infecção pelo coronavírus em pessoas com diabetes não só é mais grave, como pode desencadear complicações como a cetoacidose e o aumento dos níveis de glicemia, eventualidades que podem levar à morte.

O mecanismo provavelmente envolve a enzima conversora da angiotensina (ACE2), na qual o vírus ancora para entrar nas células, causando a síndrome respiratória aguda. Como essa enzima está presente nas células beta do pâncreas, o coronavírus pode destruí-las comprometendo a produção de insulina, causa de hiperglicemia e cetoacidose.

Mesmo os que apresentaram formas leves da covid tiveram risco mais alto de diabetes, no decorrer de um ano. Pacientes com índice de massa corpórea (IMC) na faixa da obesidade tiveram mais do que o dobro de risco, nesse período.

Essas observações levaram à suspeita de que a infecção pelo Sars-CoV-2 pudesse causar diabetes em pessoas sem a doença. Os dados, no entanto, não permitiram estabelecer a relação de causa e efeito.

Há um mês, a mesma revista publicou um estudo conduzido com grande número de participantes que aborda essa questão.

Epidemiologistas do Hospital dos Veteranos em Saint Louis, nos Estados Unidos, compararam o risco de desenvolver diabetes nos 12 meses seguintes à covid, com o de um grupo-controle formado por pessoas que nunca foram infectadas pelo coronavírus. Participaram 180 mil mulheres e homens que sobreviveram à doença. A metodologia empregada pelos pesquisadores foi a mesma que lhes permitiu demonstrar, meses atrás, que pacientes curados de covid correm risco mais elevado de desenvolver insuficiência renal, insuficiência cardíaca e AVC.

O presente estudo revelou que a infecção pelo Sars-CoV-2 aumenta em 40% o risco de desenvolver diabetes nos 12 meses seguintes. Praticamente todos os casos foram de diabetes do tipo 2, aquele em que as células se tornam resistentes à insulina, ou o pâncreas não a produz em quantidade suficiente (no tipo 1, o pâncreas perde a capacidade de produzir insulina).

A probabilidade de surgir diabetes no ano seguinte aumenta de acordo com a gravidade da covid. Aqueles hospitalizados na fase aguda da infecção bem como os que precisaram ser internados em UTI, correram três vezes mais risco de desenvolver diabetes do que os participantes do grupo-controle.

Mesmo os que apresentaram formas leves da covid tiveram risco mais alto de diabetes, no decorrer de um ano. Pacientes com índice de massa corpórea (IMC) na faixa da obesidade tiveram mais do que o dobro de risco, nesse período.

Apesar do rigor com que os epidemiologistas conduziram a pesquisa, há ainda alguns pontos obscuros:

  • Os participantes são veteranos de guerra, na maioria homens brancos, mais velhos, muitos dos quais com pressão alta e excesso de peso. Os resultados seriam os mesmos em outras populações?
  • Será que os participantes não poderiam ter diabetes não diagnosticado antes da covid?
  • No grupo-controle não poderia haver casos de covid assintomática?

A OMS contabiliza pelo menos 600 milhões de pessoas infectadas pelo Sars-CoV-2. Um aumento do risco de diabetes entre elas – por pequeno que seja – terá grande impacto na saúde pública.

Veja mais

Sair da versão mobile