Drauzio Varella

Toxoplasmose

Toxoplasmose é uma doença infecciosa não contagiosa adquirida na maioria dos casos por via oral - ou seja, ela ingestão de carnes cruas ou mal passadas de hospedeiros intermediários que contêm cistos do protozoário. 

Toxoplasmose é uma doença infecciosa não contagiosa adquirida na maioria dos casos por via oral – ou seja, ela ingestão de carnes cruas ou mal passadas de hospedeiros intermediários que contêm cistos do protozoário. 

 

Toxoplasmose é uma doença infecciosa, congênita ou adquirida, causada pelo protozoário Toxoplasma gondii, facilmente encontrado na natureza, sobretudo nas regiões de clima temperado e tropical. Trata-se de um parasita intracelular que pode infectar pássaros, roedores, animais silvestres e um número grande de mamíferos (bovinos, suínos, caprinos, ovinos), inclusive os seres humanos de todas as idades.

 

Veja também: Leia entrevista sobre Toxoplasmose

 

O gato e outros felídeos são os únicos hospedeiros definitivos do T.gondii. Ou seja, nesses animais o ciclo reprodutivo do parasita se completa nas células da mucosa intestinal, e eles eliminam ovos (oocistos) nas fezes durante a fase aguda da infecção. No solo, depois de esporulados, eles se tornam infectantes.

Homens e os outros animais são apenas hospedeiros intermediários do parasita que penetra pelo tubo digestivo e, através da corrente sanguínea, pode alojar-se em diferentes tecidos do corpo.

O parasita da toxoplasmose está espalhado pelo mundo. Embora não seja transmitido de uma pessoa para outra, qualquer um de nós pode ser infectado, desde que não tome alguns cuidados elementares com a prevenção.

 

Transmissão da toxoplasmose

 

A toxoplasmose não é contagiosa. Na grande maioria dos casos, a doença é adquirida por via oral, isto é, pela ingestão de carnes cruas ou mal passadas de hospedeiros intermediários que contêm cistos do parasita, ou pelo consumo de água, frutas e verduras cruas que abriguem oocistos do Toxoplasma gondii. O contágio pode ocorrer também pela manipulação de alimentos ou utensílios de cozinha (facas e tábuas, por exemplo) por ele contaminados.

A toxoplasmose pode ser transmitida da mãe para o feto durante a gestação através da placenta (toxoplasmose congênita) ou, num número menor de casos, por transfusão de sangue e pelo transplante de órgãos, se os doadores estiverem infectados.

 

Fatores de risco para toxoplasmose

 

O risco de contrair a doença e desenvolver complicações aumenta nas seguintes condições clínicas:

 

Sintomas da toxoplasmose

 

A toxoplasmose pode ser uma doença assintomática. Se o sistema imunológico estiver fortalecido, o parasita pode permanecer inativo em tecidos do corpo do portador por toda a vida, sem que ele sequer saiba que foi infectado. Alguns poucos, porém, podem apresentar sinais discretos da infecção semelhantes aos de um quadro viral comum, como dor no corpo e de cabeça, febre, cansaço e linfonodos inflamados.

No entanto, se o sistema de defesa estiver debilitado, a infecção pelo Toxoplasma gondii pode espalhar-se pelo cérebro, coração, fígado, músculos, pulmões, olhos, ouvidos, etc. Nesses casos, merecem destaque os seguintes sintomas:

 

Diagnóstico da toxoplasmose

 

O diagnóstico leva em conta a avaliação clínica e o resultado de exames laboratoriais, a fim de determinar se a pessoa possui anticorpos contra o parasita da toxoplasmose no sangue. Portanto, é importante investigar:

A tomografia computadorizada e a ressonância magnética ajudam a avaliar em que medida a doença pode ter afetado o cérebro. Em raríssimos casos, pode ser necessário realizar a biopsia de uma pequena amostra de tecido cerebral para identificar a existência de cistos nesse órgão.

 

E a  Toxoplasmose Congênita?

 

A toxoplasmose congênita é uma forma potencialmente grave da doença, resultado da transmissão do parasita da mãe com infecção primária ou imunodeprimida para o feto através da placenta durante a gravidez.  No primeiro trimestre, o risco de transmissão vertical é menor, mas a probabilidade de aborto é maior e os danos ao organismo da criança são mais graves. À medida que a gravidez evolui, o risco de transmissão materno-fetal aumenta, mas as lesões na criança costumam ser menos agressivas.

A maioria dos recém-nascidos infectados durante a gestação são assintomáticos.  Sem diagnóstico e tratamento adequado, muitos desenvolverão sequelas graves da infecção que pode causar complicações cerebrais, neurológicas, visuais, auditivas, renais, hepáticas e retardo mental.

No entanto, o risco de passar a infecção para o feto desaparece, quando a mãe apresenta sorologia positiva contra o T. gondii, porque desenvolveu anticorpos contra ele. Isso significa que ela já foi infectada pelo protozoário, que permanece adormecido no tecido muscular e nervoso, mas é controlado pelo sistema imune. Portanto, não oferece risco de passar a infecção para o feto.

 

Tratamento toxoplasmose Congênita

 

A maioria das pessoas saudáveis e assintomáticas, com sistema imune competente, pode dispensar o tratamento da toxoplasmose. A presença de cistos do parasita no corpo não significa que  o portador esteja doente.

O tratamento é indispensável para os pacientes sintomáticos, imunossuprimidos e para as gestantes, pois a forma disseminada da doença pode provocar complicações graves e levar a óbito.

Medicamentos como a pirimetamina (usado também contra a malária) associado a um antibiótico específico e ao ácido fólico já se mostraram úteis para o tratamento da toxoplasmose, porque impedem a multiplicação do protozoário nas formas mais agressivas da doença. É importante que eles sejam prescritos por um médico que acompanhe de perto a evolução do quadro.

 

Prevenção da Toxoplasmose Congênita

 

Quem está interessado em evitar o contágio pelo Toxoplasma gondii deve seguir as seguintes recomendações:

Perguntas frequentes:

Qual a maneira mais comum de ter toxoplasmose?

1) A mais comum é a ingestão de carne – bovina, suína ou de aves –, crua ou mal cozida, contendo cistos do protozoário. O consumo de leite cru, não pasteurizado, com presença de taquizoítos (uma outra forma do parasito) também consiste em uma fonte possível de infecção. Queijos preparados com leite não pasteurizado podem transmitir a doença.

Estou grávida. Tenho que me desfazer do meu gato?

Você não precisa se desfazer de seu gato se estiver grávida. Basta manter bons hábitos de higiene.

 

 

 

Fontes

 

www.uptodate.com

Diagnostic assays for toxoplasmosis infection/ Congenital toxoplasmosis: Treatment, outcome, and prevention

www.mayoclinic.com/health/deseasesandconditions/ toxoplasmosis

www.clevelandclinic.com/ Toxoplasmosis & Pregnancy

www.biologico.agricultura.sp.gov.br/artigos Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Sanidade Animal/Elizabeth Spósito Filha,Sueli Moda de Oliveira

Publicado em 05/11/2016.

Sair da versão mobile