Câncer de testículo afeta mais os jovens. Veja quais os sintomas e tratamentos

O câncer de testículo afeta mais os homens na fase de maior atividade sexual e reprodutiva. Entenda por que isso acontece.


Equipe do Portal Drauzio Varella postou em Câncer

homem de cueca, com mão sobre a genitália. câncer de testículo matou mais de 400 homens em 2020

Compartilhar

Publicado em: 06/04/2023

Revisado em: 19/05/2023

O câncer de testículo matou mais de 400 homens no Brasil apenas em 2020.

 

O câncer de testículo matou 430 homens no Brasil em 2020, de acordo com o Atlas de Mortalidade, a partir das informações disponibilizadas pelo Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde. O tumor é mais comum especialmente em adultos jovens, brancos, entre 15 e 35 anos.

Mas o que explica o câncer de testíticulo afetar mais os indivíduos jovens? A fase de maior atividade sexual e reprodutiva pode ser a resposta. Nessa faixa etária, as células passam por alterações que começaram durante a infância e já estão suficientemente avançadas para possibilitar o aparecimento de tumores na área. Em jovens adultos, os testículos ainda estão em desenvolvimento, o que os torna mais propensos a desenvolver anomalias celulares que podem levar ao câncer.

De acordo com o dr. Danilo Galante, urologista e sexólogo, o sintoma mais comum é o aumento do testículo e um nódulo palpável. Ele explica que é raro o paciente ter dor na região, mas é comum que o diagnóstico seja feito após um trauma local. “Embora o trauma não tenha relação com o câncer de testículo”, pondera.

A dra. Suelen Martins, oncologista do Centro de Oncologia (CEON), em São Paulo (SP), completa com alguns outros sintomas que podem estar relacionados ao câncer de testículo, como: 

  • gânglio na virilha, que pode ser um linfonodo comprometido;
  • dor pélvica, que pode estar relacionada com metástase abdominal;
  • falta de ar, se houver doença metastática no pulmão;
  • dor óssea, se houver metástase nos ossos.

Quanto ao diagnóstico inicial, em muitos casos o paciente acaba fazendo um autoexame e diagnosticando-se, por meio da palpação de um nódulo duro que lembra uma pedra, no testículo. A confirmação é feita através de um ultrassom.

 

Quais as opções de tratamento para o câncer de testículo?

Como os jovens são os mais acometidos por esse tumor, é importante ficar atento às formas de tratamento. O urologista dr. Danilo Galante afirma que a principal é a retirada do testículo.

Quando a suspeita é de tumor benigno, pode-se fazer a retirada apenas do nódulo e manter o testículo. “Nesse caso, o nódulo é enviado para análise patológica já em sala de cirurgia. Se o patologista diagnosticar o tumor como benigno, o restante do testículo é mantido. Se o diagnóstico for de tumor maligno, o testículo é removido”, esclarece. Em pacientes jovens, a conduta de manter os testículos também é indicada quando o indivíduo apresenta tumores nos dois testículos ao mesmo tempo, mas tem a intenção de ter filhos.

Veja também: DrauzioCast #167 | Câncer de próstata

 

Fatores de risco

Ser adulto jovem é um dos principais fatores de risco. Mas existem outros, como:: 

  • síndromes genéticas, como a síndrome de Klinefelter;
  • pacientes com testículo criptorquídico (que não migrou para o escroto, o saco de pele localizado abaixo do pênis, antes do nascimento);
  • pacientes que receberam tratamento de radioterapia na infância;
  • traumas frequentes no testículo;
  • infecções frequentes;
  • exposição à radiação.

 

Chances de cura 

A taxa de cura é altíssima, mesmo em pacientes que têm a doença mais avançada. A dra. Suelen indica uma chance de 90% de cura, e em tumores localizados, acima de 98%. 

É importante alertar a população, especialmente os pacientes jovens, a fazerem o exame clínico. Geralmente, essa faixa etária de pacientes não costuma ir ao médico regularmente. É crucial que, se o paciente sentir qualquer anormalidade no testículo, ele procure um urologista para investigação”, declara.

Veja também: Quando levar meu filho à primeira consulta com o urologista?

 

Sobre o autor: Caio Coutinho é estudante de jornalismo na Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e colaborador no Portal Drauzio Varella. Além do gosto por música, também tem interesse em temas de saúde mental e saúde da criança.

Veja mais

Sair da versão mobile