Mídias sociais e saúde mental | Artigo

Pesquisa revela o impacto das mídias sociais na saúde mental de adolescentes.

Drauzio Varella é médico cancerologista e escritor. Foi um dos pioneiros no tratamento da aids no Brasil. Entre seus livros de maior sucesso estão Estação Carandiru, Por um Fio e O Médico Doente.

casal de adolescentes tiram selfie.Estudo revela impacto das mídias sociais na saúde mental.

Compartilhar

Publicado em: 30 de setembro de 2020

Revisado em: 30 de setembro de 2020

Pesquisa revela o impacto das mídias sociais na saúde mental de adolescentes.

 

Dizem que as mídias sociais viciam mais os adolescentes do que o cigarro e o álcool.

Para avaliar o impacto das redes na saúde mental, foi realizado o inquérito epidemiológico #StatusOfMind, publicado na “United Kingdom’s Royal Society of Public Health”.

Veja também: Uso excessivo de celulares pode ser prejudicial às crianças

A pesquisa entrevistou 1.479 jovens de 14 a 24 anos, no Reino Unido, no período de fevereiro a maio de 2020, para avaliar o impacto de 14 itens relacionados com a saúde mental e o bem-estar.

Foram eles: 1) formas de entender as experiências de outros sobre a saúde, 2) acesso a informações de saúde confiáveis, 3) apoio emocional e  empatia de familiares e amigos, 4) ansiedade, 5) depressão, 6) sensação de solidão e infelicidade, 7) qualidade do sono, 8) capacidade de exprimir sentimentos, pensamentos ou ideias, 9) autoidentidade – habilidade para definir quem você é, 10) percepção da aparência física, 11) relacionamento com a família e os amigos, 12) relacionamento com a comunidade, 13) bullying – ameaças e comportamentos abusivos, 14) necessidade de permanecer conectado pelo medo de perder experiências importantes.

Com base nessas questões, os participantes atribuíram notas às plataformas mais populares: YouTube, Twitter, Facebook, Snapchat e Instagram.

É interessante que Snapchat e Instagram, duas plataformas centradas na imagem, tenham sido consideradas as mais nocivas.

As plataformas foram bem avaliadas nas questões referentes à autoidentidade, à autoexpressão, ao fortalecimento de laços comunitários e ao amparo emocional.

Por outro lado, os malefícios estiveram associados à qualidade do sono, ao bullying, à imagem corpórea, à necessidade de se manter conectado por medo de perder experiências vividas pelos amigos, à depressão e à ansiedade.

Os adolescentes entrevistados classificaram, em ordem decrescente de efeitos positivos, as plataformas: 1) YouTube (a mais positiva), 2) Twitter, 3) Facebook, 4) Snapchat, 5) Instagram (a mais negativa).

YouTube foi a única plataforma em que os benefícios para a saúde e o bem- estar foram considerados superiores aos malefícios. Obteve índices de aprovação mais elevados na percepção das experiências que afetam a saúde alheia, no acesso a informações de fontes confiáveis na área da saúde, na redução dos riscos de depressão e de ansiedade e na sensação de solidão.

É interessante que Snapchat e Instagram, duas plataformas centradas na imagem, tenham sido consideradas as mais nocivas. A autoimagem é um aspecto ligado a sentimentos de inadequação, depressão e de ansiedade, muito prevalentes nessa fase da vida.

O Instagram foi bem avaliado nos quesitos de autoexpressão e de autoidentidade, mas esteve associado a níveis mais elevados de ansiedade, depressão, bullying e do medo de perder oportunidades.

A Royal Society recomenda que as plataformas publiquem avisos “pop up” advertindo o usuário sobre o número de horas acessadas, que chamem a atenção quando as fotos sofreram manipulação digital para exibir corpos com aparência de perfeitos, para que desenvolvam algoritmos que ofereçam ajuda no anonimato para adolescentes em sofrimento mental.

Veja mais

Sair da versão mobile