Eritema infeccioso

O eritema infeccioso é uma enfermidade transmitida pelo contato com as secreções respiratórias de pessoas infectadas, ou da mãe para o feto durante a gravidez.

Maria Helena Varella Bruna é redatora e revisora, trabalha desde o início do Site Drauzio Varella, ainda nos anos 1990. Escreve sobre doenças e sintomas, além de atualizar os conteúdos do Portal conforme as constantes novidades do universo de ciência e saúde.

Mão com lesões na palma provocadas pelo eritema

Compartilhar

Publicado em:

Revisado em:

O eritema infeccioso é uma enfermidade transmitida pelo contato com as secreções respiratórias de pessoas infectadas, ou da mãe para o feto durante a gravidez.

 

Eritema infeccioso, também chamado de quinta doença ou megaloeritema epidêmico, é uma doença exantemática (provoca erupções vermelhas) infecciosa, benigna, causada pelo parvovírus humano B19, que afeta mais as crianças e os adolescentes.

O período de incubação varia entre 4 e 14 dias. Os surtos são mais frequentes na primavera.

A enfermidade é transmitida pelo contato com as secreções respiratórias da pessoa infectada ou verticalmente da mãe para o feto durante a gravidez, situação que representa risco de aborto e malformações fetais.

 

Veja também: Lúpus eritematoso sistêmico

 

Sintomas do eritema infeccioso

 

No início, a infecção pode ser assintomática. Se surgirem, os primeiros sintomas são febre baixa, dor de cabeça e no corpo, mal-estar, coceira. Os sinais mais característicos, porém, são a palidez ao redor da boca e as manchas em forma de maculopápulas que deixam as bochechas muito vermelhas, em forma de asa de borboleta ou como se a pessoa tivesse levado uma bofetada.

Depois de um ou dois dias, a erupção se espalha pelo tronco, pernas, braços, extremidades, e desaparece, mas pode recidivar nas áreas expostas à luz solar, com as mudanças bruscas de temperatura, sob estresse ou esforço físico.

Em alguns casos, podem ocorrer dores musculares e nas articulações.

 

Diagnóstico de eritema infeccioso

 

O diagnóstico é basicamente clínico e leva em conta as características da erupção cutânea. Exames de sangue podem ajudar a identificar os níveis de anticorpos para o vírus B19, quando for necessário estabelecer o diagnóstico diferencial com outras doenças exantemáticas, como a rubéola e o sarampo.

 

Tratamento do eritema infeccioso

 

Como em todas as doenças causadas por vírus, o tratamento inclui repouso e analgésicos, antitérmicos e anti-histamínicos para alívio dos sintomas.

 

Recomendações para prevenir o eritema infeccioso

 

  • Não existe vacina contra o eritema infeccioso. Por isso, especialmente mulheres grávidas e pessoas debilitadas devem evitar o contato com os doentes;
  • Crianças devem permanecer em casa nos primeiros dias da infecção. Depois, podem voltar ao convívio social, mesmo que as manchas da pele não tenham desaparecido completamente.

Veja mais

Sair da versão mobile