Acidentes domésticos: como prestar os primeiros socorros aos idosos

Os primeiros socorros são procedimentos simples que podem estabilizar a pessoa, evitando consequências mais graves e até mesmo o óbito.

Isabelle Manzini é jornalista e analista de redes sociais. Interessa-se por assuntos relacionados à saúde mental, saúde da população negra e saúde LGBTQIA+.

Os primeiros socorros são procedimentos simples que podem estabilizar a pessoa, evitando consequências mais graves e até mesmo o óbito.

Compartilhar

Publicado em: 2 de maio de 2022

Revisado em: 2 de maio de 2022

Os primeiros socorros são procedimentos simples que podem estabilizar a pessoa, evitando consequências mais graves e até mesmo o óbito.

 

Uma a cada três pessoas com mais de 65 anos sofre pelo menos uma queda anualmente. E para cada 20 idosos que caíram, pelo menos um sofre uma fratura ou precisa ser internado. É o que indicam os dados do Dados do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into), do Ministério da Saúde. Quanto maior a idade, maior a vulnerabilidade a acidentes, que na maioria das vezes, acontecem no ambiente doméstico. 

Durante a pandemia, com o isolamento social e a impossibilidade de praticar atividades físicas e socializar, tanto o físico quanto o psicológico dos mais velhos foram abalados. Entre as causas dos acidentes domésticos envolvendo idosos – acidentes esses que vão de quedas a queimaduras e engasgamentos –, estão fraqueza muscular, ambiente pouco adaptado para as limitações motoras dessas pessoas, diminuição dos reflexos e do equilíbrio, baixa visão, senilidade, entre outros. 

Para prevenir que esses acidentes tenham consequências mais graves, os cuidadores e familiares precisam estar sempre alertas para situações delicadas. O primeiro passo para lidar com qualquer emergência é manter a calma, e também passar tranquilidade para quem estiver passando mal. 

Saiba como agir em diferentes situações de emergência:

 

Traumas na cabeça

Nas quedas, além de fraturas, há ainda o risco de traumas na região da cabeça. Se a batida resultar em um “galo”, uma compressa com gelo pode ser o suficiente para aliviar a dor e o inchaço. Já se houver afundamento do crânio ou suspeita de lesão no pescoço, o ideal é manter a pessoa imóvel e chamar o socorro imediatamente. Jamais tente reverter o afundamento sozinho.

Se notar que a pessoa está sangrando após um trauma na cabeça, é preciso levá-la ao hospital (ou chamar socorro imediato) caso algum desses sintomas se manifeste:

  • Dor de cabeça intensa;
  • Sonolência;
  • Confusão mental; 
  • Desmaio; 
  • Desequilíbrio ao andar;
  • Vômito; 
  • Visão dupla; 
  • Pupilas de tamanhos diferentes;
  • Sangramento pelo nariz ou ouvido.

Caso não haja nenhum desses sintomas, realize a limpeza do local e estanque o sangramento. Em caso de escoriação leve, lave o ferimento com água e sabão e retire possíveis detritos. Se o machucado for mais profundo, mantenha a compressão e procure atendimento médico.

Veja também: Batidas na cabeça: quais são os riscos e quando buscar ajuda médica

 

Engasgamento

Caso a pessoa engasgada esteja consciente, realize a manobra de Heimlich. Veja o passo a passo:

  1. Segure a pessoa por trás, passando os braços em torno da vítima
  2. Feche uma das mãos e a apoie logo acima do umbigo, use a outra mão para manter o punho fixo no local. 
  3. Comprima o abdômen de forma rápida e forte, de baixo para cima, em sequências de 5x seguidas. (Contar em ritmo: 1-2-3-4). 
  4. Pause brevemente e repita a ação.

Se a vítima estiver inconsciente, deite-a no chão de barriga para cima, e com os dedos, tente retirar cuidadosamente o objeto que está causando o engasgo. Sente-se em uma cadeira e coloque uma almofada ou travesseiro sobre os joelhos. Coloque a pessoa de bruços no seu colo, com o abdômen e o tórax apoiados na almofada e a cabeça para baixo. Faça 5 compressões fortes e seguidas apoiando-se na vítima, usando seus braços e o peso do seu corpo para comprimir o abdômen da pessoa contra o seu colo.

Realize as manobras e compressões e observe se a pessoa volta à consciência. Caso isso não aconteça, leve-a para o pronto-socorro ou chame a emergência imediatamente. 

 

Queda de pressão

Procedimentos simples, como a pessoa deitar em um ambiente confortável e tomar líquidos aos poucos, podem ser suficientes. Se ela estiver de jejum, ofereça suco de frutas. Mas, se houver sintomas como fraqueza, sensação de desmaio e perda de força por mais de 15 minutos, dirija-se ao pronto-socorro.

Veja também: Parada cardíaca e primeiros socorros | Entrevista

 

AVC ou derrames

As duas são condições graves, que exigem atendimento o quanto antes. Por isso, em caso de suspeita, leve o paciente imediatamente a um hospital.

 

Infarto

Se houver suspeita de infarto, dê 2 comprimidos de ácido acetilsalicílico infantil para a pessoa, se ela não for alérgica. Em seguida, leve-a para um pronto-socorro ou hospital. Se não for possível, chame imediatamente a emergência.

Enquanto aguarda, afrouxe as roupas do socorrido, tente mantê-lo calmo e deitado em local arejado e confortável. Se estiver desacordado, realize reanimação cardíaca e respiração boca a boca.

 

Queimaduras

Em caso de queimadura, deixe o local lesionado debaixo de água fria por 5 minutos e jamais aplique pomadas ou qualquer outro produto. Observe também qual é o grau da lesão, pois isso influencia no socorro a ser prestado:

  • 1º grau: Atingem apenas a camada mais superficial da pele (epiderme), sem causar bolhas, apenas dor e vermelhidão. Ofereça analgésicos comuns, se houver incômodo.
  • 2º grau: Podem ser superficiais ou mais profundas. Causam bolhas, e nos casos mais graves há risco de destruição das terminações nervosas da pele. Se as bolhas estiverem intactas, cubra a área afetada com gaze ou pano limpo; se romperem, use vaselina. Troque os curativos diariamente.
  • 3º grau: São profundas, acometem toda a derme, e podem chegar aos ossos. Têm lesões esbranquiçadas ou acinzentadas, secas, não causam dor e podem causar deformação. Cubra a região com um pano limpo e leve a pessoa a um pronto-socorro imediatamente.

Veja também: Grandes queimaduras oferecem alto risco de morte

 

Como criar um ambiente mais seguro para idosos?

Pequenas adaptações no ambiente e cuidados no dia a dia podem tornar a casa um lugar mais seguro e prevenir acidentes domésticos:

  • Evite deixar pisos úmidos ou molhados;
  • Dê preferência por tapetes e pisos antiderrapantes;
  • Evite trancar a porta do banheiro;
  • Se possível, instale barras de apoio no box e vaso sanitário, além de escadas em geral;
  • Não deixar fios pendentes de aparelhos eletrodomésticos;
  • Substitua fios elétricos descascados;
  • Mantenha os cabos de panelas voltados para dentro do fogão;
  • Não deixe o ferro de passar, grill e outros aparelhos elétricos ligados fora de uso;
  • Não deixe álcool e outros produtos químicos inflamáveis próximos de chamas;
  • Nunca deixar cigarros acesos pela casa, para evitar riscos de incêndio.
  • Banhos de sol somente antes das 10 ou depois das 16 horas.

Os primeiros socorros são procedimentos simples que podem estabilizar a pessoa, evitando outros problemas, e até mesmo salvar vidas. Compartilhe essa informação com a sua rede! 

 

Conteúdo desenvolvido em parceria com a marca TENA https://www.tena.com.br

Veja também: Como cuidar de parentes idosos: dicas para cuidadores

Veja mais

Sair da versão mobile