Pressão alta é grave, mas como pode ficar muito tempo sem apresentar sintomas, é subestimada.

 

Hipertensão é uma epidemia no Brasil e em muitos países. Dificilmente você não conhece alguém que tenha. Esclarecemos as principais dúvidas sobre a doença com a dra. Helena Benedetto, médica cardiologista do Hospital Sírio-Libanês.

Este conteúdo faz parte de uma parceria entre o Portal Drauzio Varella e o Grupo DPSP.

 

A hipertensão é uma doença exclusivamente de pessoas mais velhas?

É uma doença que costuma acometer pessoas mais velhas, especialmente depois dos 60 anos, mas também pode atingir indivíduos mais jovens, inclusive crianças. Em relação aos grupos em que a hipertensão pode estar presente, quando comparamos negros e brancos, observamos que é mais frequente no primeiro grupo e ter comportamento mais agressivo, precisando de mais medicamentos.

 

É possível ter hipertensão se meus pais não têm?

Sim, é possível. Um indivíduo cujos pais são hipertensos está sob risco mais elevado do que outros de tornar-se hipertenso ao longo da vida, mas esse não é o único fator que contribui para o aparecimento da hipertensão. Existem outras condições, que nós chamamos de fatores de risco, como sedentarismo, dietas com consumo excessivo de álcool e sal, sobrepeso ou obesidade.

 

Como eu descubro se tenho hipertensão?

A hipertensão, ao contrário do que algumas pessoas pensam, é uma doença de comportamento silencioso ao longo de anos ou décadas – é uma doença assintomática. Sendo assim, a maneira de fazer o diagnóstico é através de um rastreamento dos indivíduos adultos, saudáveis ou com outras condições de saúde, com aferições frequentes da pressão arterial.

 

Qual a importância de saber se sou hipertenso?

É muito importante pois a hipertensão, por si só, é um fator de risco para o desenvolvimento de arteroesclerose, que pode causar complicações futuras, como infarto do miocárdio, o AVC (derrame, popularmente conhecido), doença renal crônica, doença ocular, aneurisma de aorta, entre outras complicações graves de saúde.

Veja também: 7 mitos e verdades sobre hipertensão

 

O que o sal tem a ver com a pressão alta?

Até hoje, todos os mecanismos de desenvolvimento da hipertensão arterial não são totalmente conhecidos, mas existe um fator claramente associado a ele que é a ingestão excessiva de cloreto de sódio, que nada mais é que o sal de cozinha. Isso significa que uma pessoa que tem alta ingesta de sal na sua dieta está sob maior risco e pessoas hipertensas têm uma recomendação de restringir seu consumo e com isso obter melhor controle da pressão arterial.

Vale a pena salientar que, quando consideramos o sal ingerido diariamente, leva-se em conta também o sal contido nas preparações industrializadas.

 

É possível tratar hipertensão sem medicamentos?

Sim, uma parcela das pessoas hipertensas conseguem ser tratadas apenas com medidas gerais não medicamentosas. Ou seja, a adoção de um estilo de vida mais saudável como um todo: prática regular de exercícios físicos, dieta equilibrada restrita em sal, sem ingesta excessiva de álcool, manutenção do peso adequado. São medidas que, por si só, podem controlar a pressão arterial sem a necessidade de medicamentos.

 

Devo tomar medicamentos somente quando minha pressão sobe?

Não, o uso de medicamentos para pressão arterial é preconizado que seja de uso contínuo, ou seja, o indivíduo que está com a pressão controlada em uso de medicações deve continuar usando os medicamentos, pois assim ela permanece controlada.

Os ajustes, as trocas de medicamentos e eventuais efeitos adversos devem ser levados ao médico, clínico ou cardiologista, para que este faça as avaliações adequadas e os ajustes pertinentes.