Até 2016 havia somente tratamentos paliativos. Atualmente é possível retardar o avanço da doença pela metade.