Revista “Nature” lança editorial sobre eleição brasileira

Revista “Nature”, um dos mais prestigiosos periódicos científicos do mundo, faz editorial a respeito das eleições brasileiras. Veja na coluna de Mariana Varella.

close em mulher votando em urna eletrônica. revista nature faz editorial sobre eleição brasileira

Compartilhar

Publicado em: 27/10/2022

Revisado em: 27/10/2022

A revista “Nature”, um dos mais prestigiosos periódicos científicos do mundo, faz editorial em que se posiciona contra a reeleição do presidente do Brasil. Veja na coluna de Mariana Varella.

 

Publicações científicas internacionais não costumam escrever editoriais defendendo voto, muito menos se intrometem em eleições de países a que não pertencem.

Isso mudou com a tentativa de reeleição do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump. Ao perceberem que o republicano representava uma ameaça à ciência, periódicos como “The Lancet” resolveram pedir que os norte-americanos não votassem em Trump.

Veja também: Brasil precisa melhorar a cobertura vacinal agora

A revista britânica, fundada em 1823, escreveu um editorial contundente em que manifestava, pela primeira vez na sua história, o apoio à eleição do democrata Joe Biden.

O mesmo posicionamento tiveram outros periódicos, como a “Nature” e o “New England Journal of Medicine”, que até então havia se mantido apartidário durante seus mais de 200 anos de existência.

Com a aproximação do segundo turno das eleições presidenciais brasileiras, dois desses periódicos tomaram atitude semelhante: escreveram editoriais conclamando a população a não votar em Bolsonaro.

Mais do que a defesa do candidato petista Luis Inácio Lula da Silva, os editoriais alertam para o risco que a ciência e o próprio país correm se reelegermos o atual presidente.

Em editorial publicado no dia 25/10/22, a “Nature” assegurava: “Nenhum líder político chega perto de ser perfeito. Mas os últimos quatro anos do Brasil são um lembrete do que acontece quando aqueles que elegemos desmantelam ativamente as instituições destinadas a reduzir a pobreza, proteger a saúde pública, incrementar a ciência e o conhecimento, proteger o meio ambiente e defender a justiça e a integridade das evidências”.

A revista “The Lancet” publicou, em 3/9/22, editorial em que afirmava “A gestão desastrosa da pandemia de COVID-19 e o desrespeito de Bolsonaro às mulheres, minorias étnicas, povos indígenas e meio ambiente são amplamente conhecidos. Durante o governo de Bolsonaro, as medidas de proteção social foram prejudicadas pela redução do financiamento, as desigualdades e a pobreza aumentaram acentuadamente, e o Brasil voltou a fazer parte do Mapa da Fome da ONU”.

As semelhanças entre a gestão de Donald Trump e a de Jair Bolsonaro são conhecidas: sabotagem das medidas recomendadas pela OMS e outras organizações e autoridades sanitárias para controlar a disseminação da pandemia; ataques à ciência; defesa de medicamentos sem eficácia para tratar a covid-19; desprezo por pesquisadores, universidades e pelo conhecimento acadêmico. No caso do Brasil, ainda podemos acrescentar a ocupação do Ministério da Saúde por militares não qualificados para a gestão da saúde pública; a negligência na compra das vacinas; o ataque a prefeitos e governadores que tentaram controlar a tragédia que vivíamos; o boicote ao uso de máscaras; o desrespeito por mortos; e a minimização da gravidade da pandemia.

Embora muitos médicos brasileiros tenham fechado os olhos para o que presenciaram durante a pandemia, é difícil trabalhar com ciência e saúde e pensar em qualquer argumento racional que justifique posicionamento diferente do emitido nos editoriais citados.

 

Veja mais

Sair da versão mobile