segura_baby_2

1) Passe o braço pelas costas do bebê e prenda-o embaixo do braço do bebê, apoiando a cabeça dele em seu antebraço.

Para as mães de primeira viagem, um dos maiores desafios surge na hora de dar banho no bebê. Não é para menos. Eles, que já são delicados quando estão secos, parecem ficar ainda mais frágeis e escorregadios quando estão molhados e ensaboados. Mas, apesar do receio natural, dar banho nos bebês não é um bicho de sete cabeças.

A pediatra Leda Amar de Aquino, membro do Departamento Científico de Pediatria Ambulatorial da Sociedade Brasileira de Pediatria, explica como manusear a criança e, claro, alguns cuidados especiais para limpar o corpo do bebê, já que eles possuem a pele mais delicada e fina que a de um adulto. “O ideal é que a banheira fique em uma altura confortável para quem for banhar o bebê. O adulto deve segurar a criança de maneira que ela fique confortável e, principalmente, segura para não escorregar, sem  exagerar na força. A melhor forma é passar o braço esquerdo pelas costas do bebê e prender a mão embaixo do seu bracinho esquerdo, apoiando a cabeça dele em seu antebraço (figura 1)”, explica.

segura baby

2) Apoie as nádegas e a as coxas do bebê com uma mão e o pescoço e as costas com a outra. Coloque-o devagar na água e só solte quando ele já estiver se sentindo seguro na banheira.

Apoie as nádegas e a as coxas do bebê na mão direita,  coloque-o devagar na água e só o solte quando ele já estiver se sentindo seguro na banheira (figura 2). Enxague a parte da frente do bebê com a mão direita e deixe as costas dele encostada no seu braço esquerdo. Comece o banho lavando o rosto. Se houver muco seco acumulado nos cantos das narinas ou dos olhos, umedeça  a região várias vezes até a secreção amolecer e só então a retire. Em seguida, lave as demais partes do corpo, deixando os cabelos, que precisam ser levemente esfregados, por último. Escolha um shampoo especial para os pequenos, pois esses  não provocam ardência nos olhos, caso caia no rosto.

A região genital, que é porta de entrada para várias doenças, deve receber cuidados redobrados em relação às outras partes do corpo. “Nas meninas, deve-se lavar os grandes e pequenos lábios, a região perianal (parte debaixo da vulva e que se estende até o ânus) e todas as ‘dobras’ com água e sabonete.

Os meninos de até quatro meses podem apresentar fimose fisiológica (que desaparece naturalmente), ou seja, não conseguem expor a glande, sendo necessário lavar o prepúcio sem forçar o descolamento da glande. Não deixe de lavar a região escrotal, a perianal (entre o saco escrotal e o ânus), bem como as dobras”, alerta Leda.

iStock_000016303647XSmall

3) Gire o bebê de modo que seu braço passe a apoiar o peito e o rosto da criança. Nessa posição, a mão vai ficar presa embaixo do braço dela.

Quando terminar de banhar a parte da frente, vire-o de bruços.  “Use a mão direita para girar o bebê de modo que o seu braço esquerdo passe a apoiar o peito e o rosto da criança. Nessa posição, a mão esquerda vai ficar presa embaixo do bracinho direito dele”, orienta a pediatra. Aí é só enxaguar a criança (figura 3).

Saber a posição correta para dar banho no pequeno é uma das etapas mais importantes no processo de higiene dos bebês, mas não é o único conhecimento necessário. Como o pH (medida do nível de acidez) da pele infantil é menos ácido, aproximadamente 7, eles estão mais propensos a sofrer infecções. Assim, recomenda-se  o uso de sabonetes líquidos com pH abaixo de 6. “A temperatura da água também é importante. Os bebês devem tomar banho com água corrente em temperatura próxima à do corpo (34°C – 36°C); no mercado há termômetros especiais para medir a temperatura da água”, afirma Leda.

O pesadelo das assaduras

As assaduras estão, sem sombra de dúvida, na lista do que mais incomoda os bebês e, claro, deixam os pais aflitos. São resultado de uma reação inflamatória da pele, desencadeada geralmente pelo contato com substâncias irritantes, como urina e fezes retidas na fralda. “A troca frequente das fraldas e a higiene local são fundamentais para evitar assaduras”, diz a pediatra Leda Amar de Aquino.

Tratar as assaduras é simples. Atualmente existe grande oferta de cremes à base de óxido de zinco, que  servem como agentes penetrantes e hidratantes capazes de formar uma camada protetora contra substâncias presentes nas fezes e na urina. Leda lembra que o bebê com assadura apresenta a região perineal bem avermelhada e, se providências não forem tomadas, a dermatite pode se agravar e até causar ulcerações na pele, levando, inclusive, a sangramento local.

Hora certa de trocar a fralda

Aprenda a maneira correta de dar banho e limpar os bebês

4) Na troca de fraldas das meninas, deve-se limpá-las da frente para trás, para que a sujeira do ânus não seja levada para a vagina.

Embora fraldas descartáveis sejam caras, o ideal é não economizar e procurar trocá-las frequentemente. Essa é a medida mais eficaz para prevenir assaduras. “Devemos trocar as fraldas não só quando o bebê fizer as necessidades fisiológicas, e sim a cada três horas, para não deixar a região úmida, sempre higienizando com ajuda de um algodão embebido em água morna e um pouco de sabonete infantil. Se possível, o melhor é deixar o bebê peladinho entre uma troca e outra”, ensina Leda.

Para as mães e pais de meninas, uma dica importantíssima: na troca de fraldas, deve-se limpá-las da frente para trás, para que a sujeira do ânus não seja levada para a vagina (figura 4).

O uso dos lenços umedecidos deve ser evitado, e eles só devem ser utilizados em situações especiais como, por exemplo, fora de casa, em momentos de passeio. Já utilizar talco é totalmente desaconselhável. “A criança pode acabar inalando o pó, que tem componentes tóxicos capazes de prejudicar o aparelho respiratório da criança”, alerta a pediatra.