Língua branca: o que é e como tratar a saburra lingual

Uma boa saúde oral não se resume apenas à escovação dos dentes: a língua também precisa ser higienizada.


Equipe do Portal Drauzio Varella postou em Odontologia

Compartilhar

Publicado em: 28/02/2023

Revisado em: 16/03/2023

Uma boa saúde oral não se resume apenas à escovação dos dentes: a língua também precisa ser higienizada.

 

A língua é um dos órgãos mais importantes do nosso corpo, pois nos permite saborear os alimentos, engolir e, claro, falar e cantar. Tão essencial que merece atenção em nosso dia a dia. Aliás, você já notou o aparecimento de uma substância esbranquiçada que recobre a língua?

Chamada de saburra lingual ou ainda de língua branca, essa camada, segundo a cirurgiã-dentista Luana Ravanini, é resultado do acúmulo de placa bacteriana e tem aspecto viscoso de coloração branco-amarelada.

Ou seja, é uma camada composta de células velhas, restos de comida e bactérias. Normalmente, ela se forma quando não há uma boa higiene na região da língua, sendo um problema que ocorre tanto em adultos quanto em crianças.

Uma língua saudável deve ser rosada na maior parte de sua superfície, com pequenas quantidades de saburra. Portanto, se você detectar que a superfície da língua está mais branca do que deveria ou descobrir manchas brancas, é melhor consultar seu dentista.

        Veja também: Saúde mental e bucal andam juntas: saiba como transtornos mentais podem afetar a sua boca

 

Causas da saburra lingual

Luana Ravanini explica que nos casos mais comuns, a saburra aparece “quando a higiene bucal não é realizada corretamente ou a língua não é higienizada”.

Além de causar mau hálito e até alterar o sabor dos alimentos, por ser de formação bacteriana, também pode comprometer a saúde da cavidade bucal. Isso porque pode provocar a alteração da flora bucal, com possível aparecimento de cáries e tártaro.

A saburra também pode ter outras causas, como:

  • tabagismo e consumo excessivo de álcool;
  • desidratação;
  • lesões;
  • efeitos colaterais de certos medicamentos;
  • infecções bacterianas como o vírus do herpes.

Embora a saburra lingual possa aparecer devido a um problema temporário e sem gravidade, é importante prestar atenção, pois também pode ser sintoma de alguma doença, como gastrite

        Veja também: Mau hálito: a culpa não é do estômago

 

Tratamento de saburra lingual 

O tratamento depende da causa da mudança na cor da língua. Após o diagnóstico efetivo, o dentista pode prescrever vários medicamentos, dependendo da condição primária. 

Caso seja decorrente de gastrite, por exemplo, um antirrefluxo pode ser uma boa opção para tratar a doença. Para combater a infecção oral por fungos, um medicamento antifúngico é o mais adequado.

Mas grande parte dos tratamentos para evitar ou curar a saburra lingual envolve a adoção de hábitos de vida saudáveis, como orienta a cirurgiã-dentista: 

“É fundamental escovar os dentes três vezes ao dia, usar fio dental, escovar a língua com escova e/ou raspadores linguais, indicados pelo dentista, evitar períodos longos de jejum e hidratar-se”, recomenda.

        Veja também: Como usar fio dental do jeito certo?

 

Como prevenir o aparecimento da saburra lingual?

A prevenção é a parte mais fácil do processo de tratamento para condições bucais. Para que os riscos sejam mínimos, o ideal é dar mais atenção à higiene bucal, usando uma escova de dentes macia para não danificar a língua e as gengivas.

Por isso, além da escovação dos dentes, recomenda-se escovar a língua, como ressalta Luana: “A limpeza diária da língua traz vários benefícios: melhora o paladar, combate o mau hálito, elimina a saburra lingual, previne a cárie e a gengivite e evita a proliferação de bactérias”, explica a profissional.

Contudo, se o paciente sentir náuseas quando escovar a língua, uma dica que a dentista compartilha é o uso de raspador de língua, “para que a saburra seja removida corretamente”.

Outra recomendação é evitar tabaco e álcool, que podem causar uma língua amarela e rachada. Para que todos esses métodos funcionem, também é aconselhável uma dieta balanceada, rica em frutas e vegetais.

Também é importante, segundo Luana, procurar um dentista a cada seis meses para verificar se há uma condição mais grave. O acompanhamento é o que garante que os problemas sejam detectados a tempo e, principalmente, tratados adequadamente.

        Veja também: Língua geográfica (glossite migratória benigna ou eritema migratório)

 

Sobre a autora: Angélica Weise é jornalista e colabora com o Portal Drauzio Varella. Tem interesse por assuntos relacionados à saúde mental, atividade física e saúde da mulher e criança.

Veja mais

Sair da versão mobile