Pacientes submetidos à cirurgia bariátrica podem recuperar o peso e retornar a condições próximas à anterior.

 

A obesidade é a mais moderna das pandemias.

Cerca de 20% dos brasileiros são considerados obesos; enquanto 32% estão na faixa do sobrepeso. A classificação é feita por meio do índice de massa corpórea (IMC), calculado pela relação peso/altura x altura. A faixa do peso saudável é considerada aquela em que o IMC está entre 18,5 e 24,9; o sobrepeso, quando fica entre 25 e 29,9; e, a obesidade, ao atingir 30 ou mais.

A cirurgia bariátrica foi desenvolvida quando se tornou evidente que pessoas com IMCs acima de 40 apresentavam taxas inaceitáveis de mortalidade. Existem várias técnicas operatórias que apresentam em comum a redução das dimensões do estômago e alguma forma de alterar o trânsito do bolo alimentar pelas alças intestinais.

 

Veja também: Cirurgia para diabetes

 

A adaptação é cheia de complicações possíveis e de problemas que exigem resiliência e disciplina. O menor exagero alimentar pode ser punido com sintomas muito desagradáveis (dumping). A perda de peso, no entanto, costuma ser dramática: há pessoas que emagrecem mais de 50 quilos.

Os benefícios são imediatos: redução da glicemia nos que sofrem de diabetes, queda da pressão arterial, dos níveis de colesterol e triglicérides, melhora dos problemas respiratórios, cardíacos, ortopédicos e articulares, entre outros.

Muitas vezes, essas alterações são tão radicais, que pacientes hipertensos, com diabetes ou hiperlipidemia ficam livres das medicações que utilizaram durante décadas.

O problema é que a cirurgia bariátrica não é a solução definitiva para a obesidade, porque a perda de peso pode ser seguida de ganho progressivo e retorno a condições próximas à anterior.

Um grupo da Universidade de Pensilvânia acompanhou durante um período médio de 6,6 anos, 1.406 adultos submetidos à cirurgia bariátrica, com a finalidade de avaliar as características do ganho de peso nos anos seguintes.

Reduzir as dimensões do estômago através da cirurgia bariátrica não é a solução, mas ajuda aqueles com obesidade grave a melhorar as condições de saúde.

Antes da operação, o IMC médio dos participantes era de 46,3. A redução máxima do peso corpóreo ocorreu em média dois anos depois do procedimento. Em relação ao pré-operatório, a perda média foi de 37,4%.

O aumento de peso foi mais acentuado no primeiro ano que se seguiu à perda máxima, mas prosseguiu durante todo o período de acompanhamento. Cinco anos depois da cirurgia, um em cada três participantes recuperou 20% ou mais dos quilos perdidos.

O estudo mostrou que engordar outra vez, tem seu preço: no primeiro ano depois da perda máxima, 10% apresentaram progressão do diabetes, 46% da hipertensão e 26% tiveram aumento dos níveis de colesterol. Nesse período, declínio das condições físicas ocorreu em 20% dos participantes e piora da saúde mental em 28%. Declararam-se insatisfeitos com o resultado da cirurgia 12%.

Apesar dos pesares, cinco anos depois de atingir o peso mínimo, os participantes ainda continuavam a preservar em média 73% do peso perdido.

Reduzir as dimensões do estômago através da cirurgia bariátrica não é a solução, mas ajuda aqueles com obesidade grave a melhorar as condições de saúde.