Checagens

Slime pode ser tóxico? | Checagem

Mãos de criança brincando com slime vermelho e a frase "Slime pode ser tóxico? Sim".

O slime pode ser tóxico. A massa viscosa e gelatinosa feita em casa, que virou febre entre crianças e adolescentes, contém ingredientes que podem ser tóxicos ao organismo

 

Pode perguntar para qualquer mãe ou pai de crianças: o slime virou moda nas residências do país e do mundo. Feito em casa, a massa pegajosa contém ingredientes químicos vendidos em farmácias.

Mas será  que esses produtos podem ser tóxicos? A DROPS checou.

QUEM DISSE? Revista Crescer1

QUANDO DISSE?  28/05/2019 

O QUE DISSE? “Slime: Mãe diz que filha está internada com intoxicação em São Paulo. Especialista alerta que a ‘meleca’ pode ser feita com ingredientes que desencadeiam reações irritativas, alérgicas e até queimaduras”.

 CHECAGEM: VERDADEIRO

 

CONTEXTO

 

Slimes são mesmo uma febre entre o público infantil e infanto-juvenil e a versão caseira, feita por crianças e adolescentes que colocam a mão na massa na confecção do brinquedo, faz ainda mais sucesso.

 

Veja também: Recipientes plásticos oferecem risco à saúde? | Checagem

 

Tudo parecia uma brincadeira inofensiva, até o recente surgimento de notícias sobre os potenciais perigos do slime. No caso mais famoso, relatado em diversos veículos — inclusive na matéria da “Revista Crescer” –, uma mãe afirma que sua filha foi internada em um hospital de São Paulo após intoxicar-se devido ao contato com slime caseiro.

Será que é realmente possível intoxicar-se brincando com slime? DROPS checou.

 

O QUE DIZ A CIÊNCIA

 

Usualmente, o slime caseiro tem sua “base” feita com uma mistura de cola branca, bórax, espuma de barbear e água.

A cola branca (a mesma utilizada nas escolas) é uma mistura de água com uma pequena quantidade de uma substância química chamada acetato de polivinila. De certa forma, a cola é basicamente um plástico incompleto. Segundo a U.S. National Library of Medicine², a maioria das colas brancas não oferece grande risco de intoxicação no contato com a pele. No entanto, efeitos tóxicos podem ocorrer quando alguém respira vapores da cola propositalmente.

Já o bórax, também conhecido como borato de sódio ou tetraborato de sódio, é um mineral alcalino facilmente solúvel em água, usado há décadas em produtos de limpeza. Na confecção do slime, o bórax tem a função de fazer a “ativação” da mistura para criar a textura correta. De acordo com a base de dados sobre toxicologia da U.S. National Library Medicine (NLM)³, o bórax pode causar irritação nos olhos, na pele e no sistema respiratório. Além disso, como uma solução de bórax necessariamente produz ácido bórico, a diluição inadequada também pode causar irritação severa da pele e até queimaduras graves.

Outros efeitos mais graves decorrentes do contato com bórax acontecem se ele for ingerido. No entanto, como exposto em uma revisão de estudos sobre a substância⁴, é necessário ressaltar que uma pessoa normalmente saudável precisaria ingerir uma quantidade exageradamente grande de bórax para sofrer sérios efeitos à saúde. Mesmo assim, em um movimento de extrema cautela, órgãos governamentais, como por exemplo o governo do Canadá⁵, recomendaram a não utilização de bórax em projetos de artesanato infantil.

Por fim, o creme de barbear, que também é usado na mistura de slime, pode causar leves reações alérgicas em algumas pessoas após o contato com a pele, porém sem gravidade.

 

CHECAGEM

 

Após a consulta de dados científicos sobre os principais ingredientes usados para fazer slime caseiro, DROPS checou e confirmou que a notícia publicada pela Revista Crescer que traz a frase “a ‘meleca’ pode ser feita com ingredientes que desencadeiam reações irritativas, alérgicas e até queimaduras” é VERDADEIRA. Ou seja, feito em casa, o slime pode ser tóxico.

Os dados científicos consultados mostram que os ingredientes usados para confecção de slimes – principalmente o bórax – caseiros têm potencial de ocasionar reações alérgicas e irritantes (chegando até mesmo a queimaduras), se usados em excesso ou por tempo prolongado.

 

Referências

 

Acesso em 26/06/2019:

¹ https://revistacrescer.globo.com/Criancas/Saude/noticia/2019/05/slime-mae-diz-que-filha-esta-internada-com-intoxicacao-em-sao-paulo.html

² https://medlineplus.gov/ency/article/002826.htm

³ https://toxnet.nlm.nih.gov/cgi-bin/sis/search/a?dbs+hsdb:@term+@DOCNO+328

⁴ https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10050929

⁵ http://healthycanadians.gc.ca/recall-alert-rappel-avis/hc-sc/2016/59514a-eng.php#you-vous

Sobre o autor: Redação Drops

Drops é a primeira plataforma brasileira dedicada exclusivamente a checar o grau de veracidade de notícias sobre saúde veiculadas na imprensa e nas redes sociais, baseados no fact checking e na busca por evidências científicas em publicações indexadas e instituições de referência. Visite:
dropslab.org

Leia mais