O que significa o escore de Gleason na biópsia da próstata?

O escore de Gleason é uma classificação global utilizada para classificar o grau de malignidade do tumor na próstata.

Compartilhar

Publicado em: 23/02/2023

Revisado em: 23/02/2023

O escore de Gleason é uma classificação global utilizada para classificar o grau de malignidade do tumor.  

 

O câncer de próstata é um dos tumores mais incidentes na população masculina, com prevalência relevante a partir dos 50 anos. 

Na consulta de rotina, após os exames de toque retal e resultado da dosagem de PSA, se o médico urologista suspeitar de algo, ele pode solicitar uma biópsia da próstata. 

A biópsia fica pronta em alguns dias, e contém informações detalhadas como: a classificação do tumor (se é benigno ou maligno) e seu grau de malignidade baseado na escala global denominada escore de Gleason. 

“Quando enviamos a biópsia da próstata para análise, o médico patologista vai analisar aqueles fragmentos de acordo com a pontuação de Gleason, que atribui notas baseado na aparência microscópica do tumor. Dentro do tumor, há células que são mais agressivas e outras que são menos. Quanto mais desorganizado aquele padrão de células, dizemos que aquele câncer tem um padrão mais agressivo”, explica o urologista Danilo Galante, membro da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU). 

 

Veja também: Câncer de próstata na velhice: como fica o tratamento?

 

Entendendo o escore de Gleason

 

A escala funciona da seguinte maneira: quando um padrão anormal de células é encontrado nos fragmentos da biópsia, o patologista delimita aquela área e dá notas de agressividade para cada uma delas. 

A pontuação de Gleason vai de 1 a 5. As células mais “sadias”, parecidas com as da próstata normal, recebem classificação 1. Já as células mais danificadas e com risco de infiltração para outras partes do organismo, classificação 5. 

“Basicamente, são destacados os dois principais padrões dessa célula e atribuídas duas notas. Por exemplo, chega o resultado da biópsia do paciente com um Gleason 4+3. O número que vem primeiro é o padrão mais frequente daquela célula e recebeu 4 pontos. O segundo tipo mais frequente, recebeu 3 pontos. Então, a somatória deles dá 7. Quanto mais baixo o escore, menos agressivo o tumor, e vice-versa”, explica o dr.  Galante. 

 

Tumores com Gleason de 2 a 6 apresentam prognóstico mais favorável (muitas vezes não é necessário retirar a próstata e o paciente só fica em acompanhamento frequente), ao contrário dos com Gleason de 8 a 10. Os casos com Gleason 7 são classificados como de médio risco.

Mas é importante salientar que o caráter das células pode confundir a interpretação do médico que avalia o resultado da lâmina, mesmo com exames complementares de imagem. Nessas situações, pode ser solicitado uma nova avaliação com outro patologista, para esclarecer qualquer dúvida no laudo final.

 

Veja mais

Sair da versão mobile